O amor e a desconfiança


“Tínhamos que ter terminado ali”, diz João para Rita. “Naquele dia.”

Ele estava se referindo a quando, no começo do namoro, dera a ela a senha de seu correio eletrônico. Fora um gesto de amor e, sobretudo, de confiança. Ela retribuíra com um gesto de desamor e de superlativa desconfiança.  Invadiu a correspondência. Encontrou mensagens antigas, mandadas para mulheres do passado de João, e teve um acesso de ódio.

“A partir dali não tínhamos mais chance”, ele disse. “O amor suporta muita coisa, mas não a desconfiança doentia. Me arrependo de cada palavra que disse naquela ocasião para acalmar você, de cada explicação que tive que dar ao ser — eu, não você — agredido.”

7 Respostas to “O amor e a desconfiança”

  1. Gueixa Says:

    Mas também esse João….Dar a senha do correio eletrônico e, ainda por cima, no começo do namoro?
    Olhe Fabio, isso não é prova de amor.
    O que não isenta a Rita de nada….Mas …Senha? Pra que?

  2. Libète Says:

    Já acreditei que este tipo de atitude era amor e confiança, mas faz realmente muito tempo.

    Hoje penso o contrário.

    Amor e confiança fica demonstrado (não só desta maneira, claro) quando cada um tem seu espaço, suas coisas, seus próprios pensamentos.

    O passado existe para todos, logo, se você procurar você vai achar.

    Senha de correio eletrônico? Não consigo imaginar alguém com menos de 20 anos para fazer ou querer isso…

  3. Gustavo Jaime Says:

    Nunca dei senha minha para mulher alguma. Elas é que descobriram – e não tinha nada para esconder, mas quem quer encontrar, acaba por fantasiar qualquer coisa…

  4. Leo Conrad Says:

    Concordo com Libète, confiança é quando cada um possui seu espaço e a outra pessoa respeita isso. Não fica tentanto invadir e muito menos revirando o passado em busca de informações para picuinhas.
    É preciso aceitar cada um do jeito que é e aceitar também que antes dela(e) a outra pessoa teve uma vida, e ficar revirando o passado não acrescentará em nada no relacionamento, muito pelo contrário, irá destruí-lo pouco a pouco.
    Mas as vezes isso era apenas uma desculpa para forçar o fim.

  5. Graça Says:

    Ah! Fabio…para mim funciona da seguinte maneira: eu tenho a minha vida, ele tem a dele e nós dois juntos podemos construir a nossa, baseada no respeito mútuo.

    Tanto o João como a Rita são imaturos, ambos precisam aprender que prova de amor não é abrir mão de vc pelo outro, muito pelo contrário, é ajudar o outro a se fortalecer como indivíduo. Essa sim, é a maior prova de amor e confiança que podemos oferecer a quem amamos.

    • Gustavo Jaime Says:

      Concordo, Graça. Acho uma verdadeira estupidez isso de achar que temos de escancarar nosso passado e presente para criar-se um futuro a dois. Não. Até porque que espécie de confiança vou ter numa pessoa que está sempre a fornecer as suas senhas por aí? Hehehehe.

  6. Adriana Says:

    Ridículo!

    Amor? Confiança?

    Coitados… Não sabem o verdadeiro significado das palavras…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: