Inocência


Gozado.
Tanto tenho falado de Tia Iracema, a Sócrates da lascívia, e fui lembrar da minha primeira namorada.
Do olhar tão verde e tão puro dela.
Vestidinho azul e sob ele uma camisa amarela. Parecia uma escoteira. É assim que a vejo, tantos anos depois.
A roupa daquela festa em que começamos a namorar.
Lembrei dela ao ouvir essa música. E ver a garota dançando. Sacudir o rabo de cavalo de sua namorada faz você sentir como quando você era jovem, diz a música. Ah, se faz.
Engraçado. Já fui inocente. O tempo faz a gente se esquecer disso. Deve ser por isso que aquele monge zen diz que é bom ter uma foto sua de criança por perto.
De vez em quando — como agora — sinto saudade da minha era da inocência, tão distante do sexo, e de mim mesmo.

9 Respostas to “Inocência”

  1. Petite Poupée Says:

    Concordo. É duro perder a inocência…mas que disse que seria fácil, né? e se fosse fácil não seria tão divertido… pensa bem…

  2. Karina Says:

    Sinto falta é da pureza dos outros. Minha inocência não me marcou tanto quanto me frustra perceber nos outros a perda da inocência que um dia conheci. Ou mesmo que não tenha conhecido.

  3. Adri Ps Says:

    Retorno ao tema: inocencia perdida ou entregue???

  4. Maria Eduarda Says:

    Hoje mesmo passei por algumas crianças que brincavam após o almoço, na calçada, de pés descalços, na sombra, despreocupadas, enquanto eu me dirigia para o trabalho. E então qual seria a programação, brincar de casinha, colher frutos, brincar com os gatos, ver desenhos… Tudo ficou no tempo perdido.
    Acredito que quando Proust se deu conta, no sabor da madeleine, ele quis resgatar todo esse tempo que se foi, e transformou a nostalgia em letras. Assim o tempo dele se eternizou, e é vivido todos os dias por algum leitor nesse mundo.

  5. Pê Sousa Says:

    Putz, FH, sua família é bem diversificada, levando-se em conta a sabedoria lítero-grega de seu Tio Fabio, um homem Sabio do Interior….

    Agora, temos Tia Iracema, com seus aforismos nada ortodoxos!
    Vc teve uma base e tanto, hein, mano?!

  6. Graça Says:

    Fabio,

    Sinto prazer em separar um espaço na minha vida para a criança que um dia fui. Tenho uma caixa de pertences com cartas, fotos, roupas, brinquedos…tenho até as penas do meu primeiro travesseiro feito pela minha vó…

    Outro dia, estava lendo a primeira “carta de amor” que recebi…tinha sete anos. O nome dele era Oswaldo e ele entregou a carta pra professora ser a nossa intermediária. Nunca vou me esquecer desse dia…

    Se não podemos mais ser inocentes dessa forma, ao menos podemos nos deliciar com as lembranças. Acredito que ao lembrar, resgatamos algo que ainda resta em nós. Muito sábio esse monge zen…

  7. John Says:

    eu hein! saudade de ser criança! fala serio😛

  8. John Says:

    e o video nao está condigno sobre ter saudade de ser mt jovem, ingenuo, q nao sabe o q eh a vida, etc. Haja vista q eh de uma mulher pronta pro acasalamento. E nao de uma menininha com cara de quem nao sabe o q eh a vida😛

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: