A maior platéia de um homem é composta de uma pessoa só: seu pai


A mulher pode implicar com qualquer coisa nossa. Com nossos amigos. Com nosso carro. Com nosso cachorro. Com nossa mania de discutir sobre futebol como se fosse uma coisa realmente séria. Até com nossa mãe – que na verdade sempre acha, quase nunca com razão, que somos muito melhores que aquela mulherzinha que lhe impingimos como nora. A mulher pode implicar com tudo o que quiser. Exceto uma coisa: O pai.

A pior coisa que uma mulher pode fazer pelo romance é implicar com o pai do namorado, marido ou o que seja. Porque o pai é a figura central na vida de um homem. O pai é nosso modelo desde o berço até o caixão. Nós passamos a vida inteira querendo fazer bonito para as mulheres. Mas o julgamento de nenhuma mulher, por mais amada que seja, tem para nós o mesmo impacto do julgamento do nosso pai. A reprovação paterna é cruel como um velho cossaco russo (Meu tio Fábio, um homem sábio do interior, é quem dizia que os velhos cossacos russos eram cruéis. Nunca chequei, mas confio em meu tio, e então acredito na crueldade cossaca.) E poucas coisas se igualam, em toda a nossa vida, à aprovação paterna. A maior platéia de um homem é composta de uma pessoa só: seu pai.

Um amigo meu jogava futebol. Futebol sério. Não essas peladas de cervejeiros nos finais de semana. Batia de canhota. Jogou em estádios cheios, com torcida fazendo batucada. Ele me disse uma vez que, durante os jogos, sempre olhava para as arquibancadas à procura de seu pai. Importava menos a opinião do seu técnico do que a de seu pai. Cada grande jogada que fazia pensava no pai. E quando perdeu um gol decisivo ele ficou arrasado porque sentia que decepcionara seu pai. Sempre entendi esse meu amigo perfeitamente.

Ressurreição

Numa certa época da vida, na adolescência, gostamos de contestar o pai. Mas uma contestação de mentirinha. Somos, na adolescência, idiotas sem juízo, ignorantes presunçosos. Mas este estado de torpor intelectual não dura uma vida inteira. Envelhecemos, graças a Deus. E logo aprendemos que nosso pai estava quase sempre certo nos reparos que nos fazia em nossa adolescência. Matamos o pai, adolescentes, para ressuscitá-lo, ainda mais forte, na idade da razão.

E então digo a todas as mulheres do mundo interessadas num bom relacionamento amoroso: não mexam com o pai dele. Se não bastassem todas as razões que alinhei, haveria ainda uma outra. O nosso pai, ao contrario da nossa mãe, é quase sempre aliado da namorada. Porque ele tem a esperança de que ela possa trazer juízo para o filho. Possa transformar o garoto num homem. No mais das vezes, é – para citar uma frase fabulosa de La Rochefoucauld que já utilizei numa coluna anterior – o triunfo da esperança sobre a experiência.

E agora a parte triste (quem quer coisas alegres mude agora, por favor, de página.) A morte do pai atira o homem num persistente estado de desamparo do qual ele leva anos, décadas para se livrar. Às vezes, nunca se livra. Pai morto. E então me ocorre a idéia de uma onda. Para enfrentá-la preciso bater os braços, bater os braços e ainda bater os braços. Para onde as braçadas levam? Francamente não sei, mas o que importa?

O que importa é bater os braços, bater os braços e ainda bater os braços.

7 Respostas to “A maior platéia de um homem é composta de uma pessoa só: seu pai”

  1. Gueixa Says:

    Fabio estou comovida.
    Bater os braços e bater os braços e bater os braços….
    Comovente.
    Sem palavras.
    Beijo

  2. Graça Says:

    Fabio, gosto quando vc escreve assim. Gosto de ouvir sobre familia, meu porto seguro.

    Amava o papai e senti muito sua morte, mas para meu irmao foi diferente, exatamente como vc descreveu, sobre a aprovaçao…sobre o desamparo…

    Linda reflexao…

  3. Alice Barros Says:

    Texto lindo, emocionante e verdadeiro… Amei!

  4. Daniel Chicote Says:

    Sabe o que me vem a memória essa questão sobre o “bater os braços”? um dos trechos do filme Into the Wild (Na Natureza Selvagem), com Emile Hirsch, e com direção de Sean Penn, que DETONA logo em seu primeiro filme. O filme conta a história real de Chris Mccandells, que sai para o mundo não em busca de aventura e diversão, mas em busca de si mesmo:

    “Os únicos presentes do mar são golpes duros … e às vezes a chance de sentir-se forte. Eu não sei muito sobre o mar, mas sei que as coisas são assim por aqui. E também sei como é importante na vida não necessariamente ser forte, mas sentir-se forte, confrontar-se ao menos uma vez, achar-se ao menos uma vez na mais antiga condição humana. Enfrentar a pedra surda e cega a sós, sem ajuda além das próprias mãos e da cabeça.”

    É aí que devemos … bater os braços … é isso ai!

    Confesso que até hoje esse filme mexe demais com a minha “pobre cabeça” … e que se eu o tivesse assistido a muito tempo atrás, talvez a minha vida tivesse sido outra.

  5. Adriana Says:

    Lindo texto!

    Eu me sinto órfã…

    A dor que não passa NUNCA!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: