A tragédia da Maria Chuteira


Estou comovido com o caso de uma Maria Chuteira: a pobre Eliza Samudio, que aparentemente teve uma paixão fatal por Bruno, goleiro do Flamengo.

Não sabia que havia, no YouTube, tantos vídeos com depoimento dela.  Era uma morena bonita, não estudada mas inteligente e articulada. Gostava de jogadores como Bruno, pelo “porte atlético”. E era correspondida, aparentemente. Numa entrevista, disse que eles lhe telefonavam mesmo quando estavam fora, como “nos Estados Unidos”. Mostrou também uma foto em que aparece abraçada a Cristiano Ronaldo, com quem dizia se comunicar pela internet e ter trocado “beijos”, mas sem sexo, numa viagem à Europa. (Ao contrário da crença geral, ou preconceito, ela definiu Cristiano como “humilde”.)

Sua tragédia foi cruzar com Bruno, que além do mais é casado. Mas como sabemos que estamos caminhando para os braços de quem talvez nos mate? Nenhum homem e nenhuma mulher leva uma placa que diz aos interessados:  “Cuidado comigo: eu mato!”

O que me incomoda profundamente no caso é o sentimento de que Eliza podia ter sido poupada. Mãe de um bebê de quatro meses, que ela dizia ser de Bruno, Eliza não poderia fazer mais do que fez para alertar a polícia do risco que estava correndo.

As entrevistas que ela deu são estarrecedoras, neste sentido.  Como ela pôde ter ficado desprotegida? O que ela contou já ultrapassava o limite da ameaça verbal. Como, com tantas informações, a polícia deixou que Eliza fosse morta? Porque era pobre, ou reprovada pelo tipo de vida que levava? Se fosse uma jovem rica, teria ficado exposta?

Não acredito.

Uma ação policial teria poupado não apenas Eliza, mas Bruno, para não falar do bebê, do pai da vítima e de outras pessoas próximas de uma forma ou outra do caso. Nem era preciso muito. Provavelmente bastaria um telefonema a Bruno no qual alguém dissesse: “Olha aqui, bonitão, estamos de olho em você. Não folga com a moça., beleza?”

Nos Estados Unidos, a justiça da Califórnia aceitou pagar mais de 20 milhões de dólares a Jaycee Dugard, sequestrada por um tarado que deveria estar sendo vigiado e controlado pela polícia. Jaycee, entendeu a polícia, não foi protegida quando deveria.

A família de Eliza deveria entrar na justiça brasileira com um processo de indenização nos mesmos moldes — pelo que deveria ter sido feito para defender uma jovem em claro risco e, numa omissão criminosa, não foi. a

107 Respostas to “A tragédia da Maria Chuteira”

  1. Grace Olsson Says:

    Morte anunciada. E pdoeria ter sido poupada. Foi sequestrada, segundo o depoimento do pivete, primo do Bruno..Uma pena, viu?E o Estado tem que arcar…

  2. Karina Says:

    “Mas como sabemos que estamos caminhando para os braços de quem talvez nos mate?”

    Sempre penso nisso, Fabio Hernandez. Nesses descaminhos loucos que nos fazem esbarrar com alguém que lá na frente pode nos fazer mal. Mas ninguém chega a esse ponto de uma hora pra outra. Há sinais. Nesse caso, p.ex., havia mais do que sinais. Só que as pessoas se recusam a enxergar. Qd se trata de ciúme… o que pode parecer bonitinho no começo muitas vezes é indício de uma mente doentia. Sei lá, viu…

    “São demais os perigos desta vida
    Para quem tem paixão principalmente”

  3. Anarcoplayba Says:

    Tá… advogando pro diabo:

    E se ela fosse feia esse post existiria? Tem coisa muito pior acontecendo por aí…

    E falar que ela “era pobre, ou reprovada pelo tipo de vida que levava?” é um tremendo eufemismo, até mesmo porque… pobre viajando com jogadores de futebol internacional ao redor do mundo?

    Ser maria chuteira não é motivo pra morrer, what reason do you need to die, die, die?

    Comova-se menos, Fábio Hernandez. Ou pelo menos por motivos mais nobres.

    Eu diria que a única vítima é a criança, que não escolheu nascer de quem nasceu. Mas não sei se isso é verdade.

    • Ana Says:

      Bem, de algum lugar a criança saiu.

      Como o mundo não é anarquista, temos leis e o que Bruno cometeu (ao menos a tentativa de aborto) foi crime. Ela é uma vítima, de um crime. Quanto a vida dela, não sei quem pode julgar, porque a maioria dos homens jovens consome pornografia, logo não podem falar um ai da moça.

      Se ela fosse feia? bem, pra mim ela não é bonita. Não me comovo com a história. eu, me revolto. Não é sobre ela. É sobre um histórico de violências contra a mulher. Acho que é quanto a isso que um homem sincero deve se revoltar. E daí sim, concordo com vc, tem muita coisa pior acontecendo, além dos ossos de um ser humano dado para cachorros…

      • Anarcoplayba Says:

        Opa! Só pra me fazer claro caso eu não tenha conseguido:

        O que aconteceu foi um crime sim, exatamente como tantos outros que existem por aí.

        Ele vai ser julgado e condenado (espero) e vai passar um péssimo tempo na cadeia (ainda que seja uma noite só).

        E eu, enquanto um ávido consumidor de pornografia, a critíco abertamente sim: usar sexo como forma de obter vantagens financeiras é a definição de prostituição.

        Porém, eu gosto das prostitutas: elas seguem preços tabelados e, enquanto fornecedoras de bens e serviços, praticam a transparência em suas relações comerciais.

      • Ana Says:

        É, no tocante ao fato da menina ser prostituta, eu não falei a respeito do teu comentário, mas do julgamento geral do povo por aí…como se o fato dela ser prostituta deixasse menos pérfido o crime cometido contra ela.
        E concordo com o que tu fala acerca da prostituição, embora seja uma concorrência desleal…mas, alguém já disse que a prostituta mais cara era a esposa, o que foi verdade durante muito tempo.

        Mas não mudando o foco do assunto, o crime foi bem cruel, inclusive como reação à “ameaça” que representava a garota, e se destaca por essa crueldade. Não acho descabida a revolta, e concordo que é descabida a comoção pela moça. Assusta se não tiver uma punição porque, assim como o paralelo caso da advogada ou da menina estuprada pelo herdeiro do grande grupo catarinense, faz parecer que violência contra a mulher, sexual ou “passional”, igualmente vindo dos parceiros ou seja lá o que for, é aceita e justificável. Ao menos pela minha ótica de mulher sincera cada vez mais assustada com um país machista e mal educado como está se tornando o Brasil.

      • Anarcoplayba Says:

        De fato: a pessoa da vítima não deveria nunca tornar um crime mais aceitável. Pouco importa se ela é a Madre Teresa ou se é “mais uma maria chuteira”.

        Que foi um crime bárbaro, isso é indiscutível, inclusive, tem comprovação objetiva: estrangulamento é causa de aumento da pena, pois demanda muito tempo (t>6 min) e a vítima tem que ser mais fraca que o assassino.

        Agora, algo q me incomoda muito no seu argumento, Ana, é a conceituação do caso como tendo o agravante de ser violência contra a mulher. Violência é violência. Ponto. Eu, pessoalmente, discordo muito dessa conceituação “histórica” sempre que eu vejo, quer seja na forma de cotas para negros, a Lei Maria da Penha, ou “papo de coitado” de Judeus.

        A REspeito da Lei Maria da Penha, por exemplo, vem surgindo um movimento muito forte para aplicá-la ao núcleo familiar, não apenas à mulher, o que eu acho um avanço e tanto.

      • Ana Says:

        Eu não falo da lei mas da tolerância, no que tange a como a sociedade que se cala, na violência contra a mulher e contra crianças também, por exemplo. Pra mim isso é demonstrado no julgamento moral da moça, que simplesmente não vem ao caso. Não estou querendo estabelecer uma cota, desprezo essa divisão. Assim como desprezo as pensões, em muitas vezes apenas caça níqueis, quando muitas mulheres pobres não tem sequer a quem pedir pensão. Se vão me dizer que ela foi mercenária, concordo, e ninguém pode culpar a sociedade que cultua esse tipo de atitude (mulher engravidar para pegar pensão, seja de jogador ou um outro profissional qualquer), mas é preciso uma mulher morrer para dizer isso? Me assusta sim, continuo assustada pq vejo se proliferar crimes desse tipo contra mulheres. Mas quem está envolvido no tráfico, como ao que indica o Bruno, esse tipo de crime é corriqueiro. Basta lembrar o Tim Lopes. E daí eu vou gritar contra a violência sobre os jornalistas também. É inegável que a violência se concentra sobre algumas parcelas da sociedade, como mulheres, em geral nos crimes passionais, crianças como a que está na discussão, pobres, gays, evangélicos…e o motivo que teria desencadeado isso (do qual duvido. acho que tem algum outro elemento nessa história) que seria a criança ou a maternidade, estão ligados a condição de mulher da vítima e pelo “companheiro” da mesma, o que caracterizaria o crime de gênero. E se nada for discutido, exceto as condições imorais de filhos gerados como investimentos, discussão que cai de maduro, creio sim que abre um precedente que diz, inconscientemente ao coletivo do Brasil que esse é um país onde se mata mulher indiscriminadamente.

        E onde crianças são objetos de troca. O que é uma violência. Mas ainda é apenas uma conduta imoral, e não um crime. Infelizmente, para demonstrar toda a nossa tolerância com violências.

    • Fabio Hernandez Says:

      putz, se a gente não se indigna com isso, anarco, é porque perdemos a capacidade de nos indignarmos.
      ela é — sim — vítima. assassinada aos 25 anos, cheia de vida, saúde. é um horror.

      • Anarcoplayba Says:

        Discordo em gênero, número e grau, Fábio. Gente morre todo dia. Com motivo e sem motivo.

        Pessoalmente, eu não consigo imaginar nenhum motivo bom pra morrer, nem uma idade boa.

        Pra mim essa aí tentou a sorte e deu azar. Mordeu mais do que conseguia engolir. E olha que parece que ela conseguia engolir muita coisa, viu…

        Morreu, morreu, deixa descansar em paz. Que se punam os assassinos e que o mundo continue a girar. Transformar cadáver em santo é uma das coisas mais criticáveis que eu conheço.

        Indignação por indignação, não vi no seu blog nenhum post sobre a Nardoni, a Richtofen, o João Hélio… Motivos de indignação muito mais nobres.

  4. Graça Says:

    E indiscutivel que foi um crime barbaro. Nao vejo especificamente um crime contra a mulher, mas sim, um avanço na violencia, em muito, agravado pela grande morosidade e impunidade na justiça brasileira.

    No caso dessa menina, o que me chama a atençao e em pleno seculo XXI, mulheres ainda se colocarem nessa situaçao. A primeira providencia e engravidar para se ajeitar na vida, ou seja, mais uma criança jogada no mundo, fazendo o papel de mercadoria.

    Qualquer mulher percebe os sinais de violencia em um homem. Podem ser minimos, mas sao claros. Permanecer em uma situaçao de perigo e uma escolha que a mulher faz e que, em alguns casos acaba em morte.

    Concordo com Anarco, sinto muito pela criança, que vai continuar sendo uma mercadoria.

    • Fabio Hernandez Says:

      puxa, como ela podia imaginar que fosse dar no que deu? ela tentou escapar. foi à polícia — que falhou miseravelmente em não protegê-la.

      • Graça Says:

        Fabio, concordo que a policia falhou, como falha quase sempre. A questao e a justiça ineficiente em nosso pais. Nao e um crime contra a mulher. Eu preciso colocar segurança nas obras para que trabalhadores nao sejam mortos em dia de pagamento.Essa e a realidade no nosso pais.

        As mulheres precisam aprender que nao somos “pandas em extinçao”. Somos seres capazes e inteligentes e temos que assumir tambem a responsabilidade por nossas escolhas.

        Essa moça se colocou em uma situaçao muito perigosa quando optou por ser uma mulher de programa, engravidar para se dar bem, em ir morar no sitio do cara, pressionar para ganhar dinheiro…

        Talvez ela tenha tentado escapar quando viu que a situaçao fugiu ao controle…talvez ela tenha tentado pressionar mais ainda, eu nao sei.

        Uma coisa e a discussao em torno da violencia no pais, a justiça ineficiente, a policia incompetente…outra coisa e a midia transformar essa moça numa martir, simbolo da opressao contra a mulher, onde nao e o caso.

      • Fabio Hernandez Says:

        é incrível como uma vítima pode se tornar réu a nossos olhos … caramba, ela foi assassinada! namorar e engravidar do goleiro do flamengo é entrar em ‘situação perigosa’?

      • Anarcoplayba Says:

        Thumbs up, Graça.

        De mais a mais, pelamor, né? Tem muita gente muito melhor pra simbolizar a mulher brasileira.

      • Fabio Hernandez Says:

        ninguém falou que ela é símbolo, Anarco.

      • Anarcoplayba Says:

        Eu consideraria comer uma mulher casada uma situação de risco.

        Especialmente se eu saísse por aí alardeando que tive um caso, pleiteasse pensão, etc.

      • Graça Says:

        Fabio,

        Uma mulher de programa sabe que a qualquer momento pode ser surrada por um homem. Uma mulher que engravida de um homem casado, para ganhar dinheiro ou nao, sabe o que vai enfrentar: os questionamentos, a humilhaçao de ter que provar que o filho e do cara, a esposa, etc . Quando vc opta por isso, esta sim, se colocando em situaçoes de risco. Assim como, quando uma mulher escolhe permanecer em casa quando e surrada pelo marido ou namorado esta se colocando em risco.

        Nao estou dizendo que ela nao e uma vitima. Obvio que e uma vitima, ou melhor, mais uma vitima.

        O que me deixa indignada, e centenas de pessoas morrerem todos os dias e isso ser tratado como nada. Ninguem questiona, se comove ou se sente indignado. Ai, acontece isso e começa um verdadeiro circo na midia. Nao e uma discussao saudavel na sociedade porque nao lida com a verdadeira questao que e a violencia no pais.

      • Petite Poupée Says:

        Fábio, ela foi à polícia e mentiu. O laudo do ICCE não provou a ingestão do tal Cytotec q ela disse ter sido obrigada a tomar pra provocar o aborto. Existem dramas evitáveis, me parece q não foi o caso. Eu vejo esse vídeo e tudo q percebo é uma biscate querendo se dar bem, a todo custo. Tanto procurou …coitada! deu no q deu. Vão todos se encontrar no inferno!

        A fala dela é muito surreal…

      • Fabio Hernandez Says:

        se isso não foi evitável … ah pp, se liga. muito ódio no seu coração. ela alertou sobre violência e foi assassinada. fato. ponto.

      • Anarcoplayba Says:

        Por essas e outras que eu te adoro, Petit!

      • Karina Says:

        Petite, ela n disse que tomou o Cytotec. Ele é quem teria dito que ela tomaria.
        A contra-prova do ICCE indica uma substância presente em chás abortivos.

        O que os peritos disseram é que ela teria afirmado tb ter tomado uns comprimidos, e isso não se confirmou.

      • Petite Poupée Says:

        Fábio, se vc fosse menos barato saberia q dramas são evitáveis, tragédias não!
        Mas se tem alguém aqui capaz de defender uma rapariga q um dia ousou ser mãe, esse alguém é vc! Continue…

    • Petite Poupée Says:

      K, ela disse sim em depoimento à polícia, eu li hj num jornal, mas taqui também ó
      http://www.clovisduarte.com.br/noticia_ler.php?id=225930

      Sabe, o q é capaz de explicar essas coisas pirantes?…Putz, estamos falando de uma pensão porcaria q nem ia durar por muito tempo tampouco doer tanto no bolso do cara, dar nessa barbárie? Será q a peja de imbecil é tão tão nessa nossa bendita sociedade? Inacreditável K, deprimente…

      • Fabio Hernandez Says:

        pp? uma vuvuzelada para vc! se eu for um dia a julgamento, que vc não seja a juíza … vuuuuuuu

      • Petite Poupée Says:

        Vi o vídeo de novo…sabe a ironia dessa nessa história Fábio? É que Eliza em nenhum momento se dá conta q NAO está vivendo um reality show… é triste sim!

  5. Bruno Says:

    Porte Atlético? uahsuhashuas
    nao seriam posses bancarias?

    A verdade é que a mídia esta fazendo da Eliza uma nova Isabella Nardoni.
    ela ja é conhecida no submundo futibolistico por ser uma assidua nas festas do boleiros. Acontece que ela conseguiu aplicar o golpe da barriga no goleiro bruno..que ro azar dela e um problematico. que seja preso.
    só nao acho certo o endeusamento a eliza..que nao e nenhuma santa. ela é sim uma atriz pornô e garota de programa, mercenaria, foi cobrar a pensao de 10.000 reais do bandido e se fu..ferrou
    é a vida..malandro e malandro, mané é mané

    • Fabio Hernandez Says:

      não importa se ela é isso ou aquilo, bruno. nada justifica, nada atenua o drama desse caso.

  6. Karina Says:

    Bom… estou acompanhando a discussão e entendo as opiniões de todos em relação a muitos pontos.
    Mas fico assombrada com a capacidade/necessidade que se tem de verbalizar certos julgamentos morais. Não importa o que aconteceu, mas importa que ninguém aqui conhecia a garota ou as circunstâncias para fazer certas afirmações. Isso pode ser muito pequeno perto de um assassinato, mas é tb uma forma de crueldade.

    • Graça Says:

      Na verdade Karina, se fixar na moça ou no goleiro, ou ainda, nas circunstancias que levaram ao crime e pequeno demais, nao apenas em relaçao a este assassinato, mas tambem em relaçao a todos os estupros, assaltos, sequestros… enfim, a todo tipo de violencia que cresce no pais a cada dia e que nao e sequer notado.

      A dois meses tive um funcionario assassinado por um adolescente, na porta de um trem, e seu corpo ficou mais de oito horas exposto aguardando o IML, sem que ninguem pudesse fazer nada para entrega-lo a familia. O adolescente foi preso e ja foi solto…

      A questao e muito mais profunda…

      • Karina Says:

        A questão é muito mais profunda pq estamos falando de o que dá ou não visibilidade a um caso, o que faz a polícia ser eficiente ou não, e o que, no final das contas, influi para que a Justiça aconteça, qd deveria acontecer independentemente de quais fossem as partes envolvidas. Destaque para a polícia que ficou estarrecida com a demora para que o resultado do exame de urina saísse. querem enganar quem?! demorou pq isso é de praxe. E só saiu agora pq a garota morreu e veio td à tona.
        Ok. Concordo com isso.

        Mas minha crítica n foi simplesmente ao fato de se fixarem na vítima ou no autor. Mesmo pq isso considero, sim, importante. É preciso conhecer as partes e suas motivações. P.ex.: uma mãe que mate o sujeito que assassinou o filho não há de ser julgada com o mesmo punho que julga o assassino. O motivo não a exime do crime, nem deveria, mas merece um outro olhar.
        Por isso mesmo, por considerar o conhecimento dos fatos tão importante, acho extremamente leviano e desumano sair esbravejando julgamentos a torto e a direita. O pensamento é livre, cada um pensa o que quer, mas essa necessidade de falar é mórbida.

      • Graça Says:

        Karina,

        Entendi o que vc disse. Eu vejo da seguinte forma: quando vc lança uma discussao polemica, existem as pessoas mais inflamadas e as mais comedidas, isto e natural. Em um caso como esse, nunca teremos os fatos verdadeiros, teremos sempre o filtro da midia, o que ja torna a discussao “leviana”.

        Por outro lado, nao e apenas este tema que promove julgamentos. Todas as discussoes levantam estas questoes. Se e morbido ou nao, enfim…faz parte do ser humano. O caso extremo sao os linchamentos, onde a populaçao faz justiça com as proprias maos, sem mesmo entender direito o que aconteceu. O que vc acaba de levantar, daria outra excelente discussao…

  7. Daniel Says:

    Não lí todos os comentários mas os do Anarcoplayba são irretocáveis:

    1- O assassinato em questão é um crime e as pessoas que o cometeram devem ser punidas de acordo com a lei a despeito de quem seja a vítima.

    2- A vítima era uma estelionatária, não era uma prostituta (prostitutas, como disse o Anarcoplayba, acertam o preço a ser cobrado ANTES da trepada). A “profissão” de maria chuteira que engravida de homem rico para ganhar pensão se enquadra muito mais no quadro de estelionato do que no quadro de prostituição (que é uma atividade absolutamente justa e aceitável).

    3 O caso não tem nada a ver com questões de gênero, é um simples caso policial envolvendo uma vítima de estelionato e uma estelionatária em que a vítima de estelionato acaba se tornando assassina e a estelionatária acaba virando vítima de assassinato. Quem levanta o discurso de “mais um caso de violência contra as mulheres” tem alguma fixação mórbida pelo discurso feministóide.

    Fiz um tópico discutindo este assunto em um fórum que participo, visitem: http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=23112.0

    • Anarcoplayba Says:

      Olhando por outro lado… e em resposta ao comentário do Fábio:

      Que bom que ela não é símbolo de nada… só faltava criar a “Lei Maria Chuteira”.

      • Fabio Hernandez Says:

        Anarco, que vc não seja julgado por um juiz tão severo qto vc neste caso …

      • Anarcoplayba Says:

        Todos os dias de manhã quando acorodo e todos os dias à noite quando vou dormir eu sou julgado por um juiz tão severo quanto eu mesmo.

    • Anarcoplayba Says:

      A propósito: os pornôs dela são legais, viu?

    • Fabio Hernandez Says:

      interessante este fórum, daniel.
      discordo — profundamente — de que este é um caso ‘simples’: não para ela, não para o pai dela, não para o bebê.
      é chocante.
      acho que catalogá-la como ‘estelionatária’ é um julgamento intolerante e cruel. evidentemente a responsabilidade da gravidez foi dele, não dela. ela não o induziu a fazer sexo sem camisinha.

      • Karina Says:

        ops! um porém aí, Fabio Hernandez. responsabilidade por gravidez é sempre dos dois, em igual nível, exceto em caso de estupro.

        mas, só para constar: o goleiro diz que usaram preservativo, sim. Só que… estourou.

      • Fabio Hernandez Says:

        portanto, ela não engravidou deliberadamente. este é um dado importante.

      • Graça Says:

        Fabio, a responsabilidade da gravidez foi dele? Os dois foram irresponsaveis e continuaram sendo ate esta tragedia acontecer.

        Ela apostou com a propria vida e com a do filho tambem. Essa criança poderia estar morta.

        Essa moça se lançou em um jogo perigoso e perdeu.

        Quando ela denunciou violencia e a policia nada fez, e ele se demonstrou um canalha, ela tinha opçoes, por exemplo: sumir com o filho e deixar o processo de paternidade correr, sendo representada pela advogada. O pai nao a via desde que o filho nasceu e a mae a 6 anos.

        Da forma como vc argumenta, parece que esta eximindo a Eliza de suas responsabilidades, como se ela nao fosse capaz de tomar decisoes.

      • Fabio Hernandez Says:

        putz… ela tomou sim decisões. e as certas. denunciou no limite as ameaças. com clareza, em grande quantidade.
        descreveu as atitudes do bruno.
        mais que isso, impossível. a polícia foi criminosamente inepta na proteção dela.

        dizer que ela se lançou num jogo perigoso é cruel. qdo vc pode imaginar que um jogador de futebol vai matar vc? quando ela viu o risco, fez o certo: publicou.

      • Graça Says:

        Fabio, eu concordo que a policia foi criminosamente inepta, claro que foi !!

        Agora, um homem, seja ele um pedreiro, lixeiro, empresario ou jogador de futebol que bate em uma mulher gravida, como ela mesma disse, e obvio que esse cara pode te matar.

        Permanecer nessa situaçao e se lançar em um jogo perigoso, sim. Toda mulher sabe que um homem violento nao tem limite, um dia e um tapa, outro e um braço quebrado e no fim pode ser um estrangulamento.

        Eu nao estou julgando ou sendo cruel, o que estou dizendo e que quando ela percebeu que a policia nao iria fazer nada ela tinha outras opçoes. Enfrentar o cara sozinha realmente nao era a melhor, ainda mais sabendo que o Bruno era violento.

      • Anarcoplayba Says:

        Não aposte que ela não o induziu a fazer sexo sem camisinha, Fábio. Vale o depoimento do Tim Maia, que disse que um dia uma mulher com a qual ele foi pra cama ligou e disse “Tim, adivinha, eu tô grávida!”

        Ele disse: “Como? Impossível! Eu gozei fora!”

        Ela respondeu: “É, mas depois eu coloquei dentro!”

    • Anarcoplayba Says:

      A propósito, Daniel, li o artigo, concordo em gênero, nº e grau.

      Só não me inscrevo no fórum por um motivo: eu não sou cético. 😉

      • Daniel Says:

        Que pena que você não se inscreve, porque não é um fórum só para ateus (embora a quase totalidade dos foristas sejam) e é um ótimo lugar para quem gosta de debater idéias na net. Com certeza com a clareza de raciocínio que você demonstra seria muito bem-vindo mesmo.

        Quanto a não ser cético, acho que você está enganado. Abraços.

    • Daniel Says:

      “‘simples’: não para ela, não para o pai dela, não para o bebê.
      é chocante.”
      Para a mãe de um traficante que é assassinado por policiais “justiceiros” a morte do filho também não é um simples caso de homicídio envolvendo dois criminosos. O fato de o pai estar triste não anula o fato de que este é um caso de justiça feita pelas próprias mãos de uma vítima de golpe contra a golpista e não um caso de violência de gênero.

      “responsabilidade da gravidez foi dele, não dela. ela não o induziu a fazer sexo sem camisinha.”
      Puts, nesta você pegou pesado, tá de sacanagem, né amigo?: será que você nunca ouviu falar de diu, pílula, injeção anticoncepcional…? Métodos anticoncepcionais seguros que independem absolutamente do consentimento masculino? Se você dissesse que a responsabilidade da gravidez é dos DOIS eu até aceitava embora pelo número de métodos contraceptivos masculinos em comparação aos femininos eu acho que é muito mais simples para uma mulher evitar uma gravidez indesejada do que para o homem (até pelo que mais uma vez na mosca disse o Anarco sobre o Tim Maia), acontece que a gente SABE que esta não foi uma gravidez indesejada, não da parte da Eliza.
      ================================
      Anarco, em relação ao que você disse sobre o Tim, perfeito: se a mulher quiser engravidar a camisinha não é um método contraceptivo tão válido, ela sempre tem meios de boicotar a camisinha ou forçando o rompimento (tipo, dando mordidas durante o blowjob) ou pedindo pra jorrar na cara e depois passando a mão no líquido e introduzindo lá ou até indo até a lixeira e despejando o líquido dentro (disto eu inclusive já ouvi falar).

      O ideal seria que a tal injeção anticoncepcional masculina (que está em fase final de testes) saisse logo, aí sim poderíamos dizer que se o jogador engravidou a vagaba foi por ter sido burro.

      • Anarcoplayba Says:

        Não pretendo mais discutir a questão Elisa, mas me veio à cabeça meu primeiro ano de Processo na faculdade.

        A função do Judiciário é pacificar os conflitos sociais. Essa pacificação ocorre pelo processo, e demanda a aplicação de leis que as pessoas considerem justas.

        Se o Judiciário não pacifica, a sociedade se sente injustiçada. Isso leva às “justiças com as próprias mãos”. Por que nas favelas o tráfico faz a “justiça”? Porque o Estado não resolve os problemas.

        Onde isso leva?

        Simples: O golpe da barriga existe e funciona, pq é lucrativo para as golpistas. Elas engravidam, tem o filho e pedem pensão (quando não tentam estorquir mais).

        Pela lei e pela orientação dos nossos tribunais, a regra é: 1/3 dos rendimentos do Marido vão para o “filho”. E não é que o pai “paga a escola, roupas, comida, etc.” Não: o dinheiro vai para a mão da mãe porque “ela sabe o que é melhor pro filho”.

        Pela lei, os pais têm tanto direito a ficar com a guarda da criança quando as mães. Mas pelos Juízes não. O pai só fica com o filho se a mãe estiver viva em situações excepcionais.

        E eu tô falando sério, não interessa se o pai for uma pessoa muito mais capacitada que a mãe, os tribunais tornam quase intocável essa coisa de “mãe e filho/a”.

        Resultado? Golpe da Barriga funciona. Se as pessoas se sentem injustiçadas, o que acontece? Algumas acatam a injustiça como se justiça fosse. Outras “dão um jeito”.

        Olha, de boa… quem acha que ela é uma pobre vítima pracisa ter um pouco mais de contato com direito de família.

      • Karina Says:

        e quantos casos de pais que pleiteiam a guarda só para n terem que pagar pensão? conhece esses, Anarco? mau caratismo e sordidez há aos montes por aí, vindos de homens e mulheres. Mas esta discussão alcançou um nível tal que me dá até nojo, na boa.

        sobre a gravidez, Daniel, Anarco e quem mais acreditar que um lado tenha mais ou menos responsabilidade na prevenção… ninguém faz sexo obrigado. exceto, como já disse e todos sabem, no estupro. Então, n importa em que circunstâncias a criança foi gerada, que ambos os pais tenham a hombridade de agir honestamente. Se vcs acham que a Justiça é injusta e defende exageradamente a mulher, previnam-se ao dobro, ao triplo. celibato é sempre uma opção.

      • Anarcoplayba Says:

        Deve existir, mas eu nunca vi, sabe por que? Porque homem que não quer ter filho não quer cuidar de filho. Não quer deixar de sair pra catar mulher, não quer falar pra mina que ele conheceu num bar que tem um filho em casa.

        Mau caratismo existe, e aos montes. Mas eu não posso engravidar de uma milionária.

        E de fato, ninguém faz sexo obrigado, e tenho certeza que todo mundo faz sexo pensando em filhos, algo nítido, inclusive em filmes pornôs.

        E concordo com você: nós homens temos que nos prevenir em dobro, ou até mesmo em triplo. Por isso que minha preferência é a Jontex Ultra. Celibato é uma opção? Não pra mim: Sexo é um impulso natural humano, decorrente de uma série de sistemas hormonais.

        Por outro lado, isso é comodismo: a lei é injusta? Mudemos a Lei. A Lei já mudou, faltam os juízes mudarem. E, enquanto advogado, é isso que eu faço: convenço juízes.

      • Karina Says:

        “tenho certeza de que todo mundo faz sexo pensando em filhos, inclusive em filmes pornôs”. Tanto é verdade que vcs podem afirmar categoricamente que ela fez sexo pensando em filho. não?

        É disso que falo, desse JULGAMENTO. se a garota participava de orgia, se a garota fez filme pornô, se a garota vendia o corpo… isso tudo leva a crer que ela era mau caráter e que calculou ter um filho de um cara com grana.

        Tarso, dinheiro n paga muita coisa, vc sabe. há muitas mulheres que veem no homem ou no filho um arrimo, verdade, n estou aqui discutindo isso. assim como há muitos homens que tb se envolvem com mulheres pelo dinheiro, embora, como vc disse, não possam engravidar de uma milionária. se pudessem, né?

        espero que como advogado vc defenda não a verdade conveniente, mas uma verdade no mínimo livre de tantos conceitos preestabelecidos.

      • Anarcoplayba Says:

        Karina, não se abstenha de todos os outros elementos existentes na intenção de conceder um benefício da dúvida não razoável defender uma situação hipotética que não existe.

        Ela é declaradamente Maria Chuteira. Se dedicou ativamente a ir pra cama com jogadores de futebol. Literalmente vivia disso. Mentiu perante a polícia. Isso é o que a gente sabe, o que a gente não sabe nunca vai saber.

        (Afinal, a gente é brasileiro, e quem morre vira santo).

        Isso não é motivo para matar ninguém, fato.

        Se for uma discussão sobre o crime, que se punam os assassinos.

        Agora se a discussão é sobre o caráter dela, que se julgue sim.

        Por sinal, espero que todos julguemos caráter por aqui, porque esse ano é ano de eleição, e isso é só mais um dos julgamentos de caráter que temos que fazer (associados aos mais diversos que fazemos para nos aproximarmos ou não de pessoas com as quais convivemos).

        Homens e mulheres têm mau caráter? Sim. Analise e se aproxime ou se afaste desses. Se você não analisa, se você não julga, você vive à deriva. Por sorte.

        Você diz que a minha verdade é povoada de conceitos pré-estabelecidos (bom eufemismo). Sem dúvida. Eu me esforcei pra estabelecer a maior parte deles durante a minha vida.

        Da minha parte, enquanto ser humano, espero que você analise o mundo em que vive, tenha opiniões e viva de acordo com elas ao invés de preferir o benefício da dúvida não razoável.

        Seja quente, ou seja fria. O mundo não precisa de mais figurantes que já tem.

      • Daniel Says:

        “Se vcs acham que a Justiça é injusta e defende exageradamente a mulher, previnam-se ao dobro, ao triplo. celibato é sempre uma opção.”

        E eu disse o contrário? Eu disse que para mulher previnir uma gravidez é MAIS SIMPLES do que para o homem, isto é fato incontestável: além dos métodos contraceptivos femininos já existentes serem mais seguros e não dependerem sequer de que o parceiro saiba que se está usando eles são DIVERSOS, dá pra escolher.

        Agora concordo que alguém na condição do Bruno deveria ter cuidados triplicados para evitar a gravidez, devia usar camisinha mais espermicida e não deveria permitir sob hipótese alguma que a mulher tivesse contato com sequer uma gota de esperma (inclusive disse isso no tópico cujo link passei), agora isto não é tão SIMPLES quanto tomar uma injeção de cada 3 meses e ficar segura, né?

        E no mais uma coisa não anula a outra, o fato de ser possível tomar cuidados contra o golpe não anula o fato que a JURISPRUDÊNCIA (não é a lei, a lei não estipula os 30%, a lei não diz que preferência da guarda é da mãe, são juízes tendenciosos e preguiçosos que fazem isto) é injusta e que deve haver pressões para que ela seja mudada.
        =======================
        (Não sou advogado mas me deixa feliz saber que não estou falando nada absurdo do ponto de vista jurídico, Anarco)

      • Anarcoplayba Says:

        Pois é, eu odeio direito de família, especialmente por causa desse tipo de discussão.

        Mas é isso mesmo: 30% do salário do pai, não importa se ele ganha 500 mil ou quinhentos reais. Resultado? Se uma golpista conseguir engravidar de um jogador de futebol que ganha 150 mil por mês (o Bruno devia ganhar mais) ela tem 50 mil pra arcar com os custos “do filho”.

        Que ela gaste 10 mil com o filho (uma mãe extremada e cuidadosa, eu diria) sobra 40 mil pra brincar. Aproximadamente duas vezes o valor do salário de um Juiz Federal.

        Uma bela aposentadoria, eu diria.

        Isso se ela não decidisse continuar “trabalhando”.

      • Fabio Hernandez Says:

        nada disso tem a ver com o assassinato dela, Anarco.
        vc está misturando as coisas e fazendo uma geléia desconexa, em que a vítima vira vilã e o vilão uma mistura entre herói e coitadinho.

      • Karina Says:

        que todos julguemos caráter. julgar todos julgam, inevitável. usar do julgamento moral para acusar é outra história. Acusação demanda, sim, muita análise. Mas analisar a situação da garota à distância, assim, da única forma possível aqui a todos, pelo menos até onde sei? não, obrigada, pode ficar com essa análise superficial para vc.
        e se isso é ser morno, fico com minha mornidão.

      • Fabio Hernandez Says:

        como julgar o caráter de quem não conhecemos, karina? se não conseguimos tantas vezes julgar o caráter de pessoas que julgamos amigas, que dirá de quem jamais vimos?

      • Karina Says:

        em nenhum momento falei que a Justiça seja absolutamente justa, Daniel. por algumas coisas que falei aqui, se vc leu, deve ter dado para perceber que considero a jurisprudência absurdamente relevante. A lei crua, se levada ao pé da letra, permitiria outras muitas injustiças.

        O que falei, e vi que vc entendeu isso, é que não adianta depois chorar pitangas. Se sabem que é assim que funciona, que a Lei AINDA é permissiva com a mulher, previnam-se.

        como vc, não sou advogada, mas sei tb que a Lei atende às demandas da sociedade. Anarco falou sobre isso lá em cima. Há de ser sintomático que AINDA haja leis que enxerguem na mulher uma vítima mais vulnerável que o homem. Isso está mudando, sim, e sou favorável às mudanças, desde que pautadas na justiça de fato, como costuma ser.

      • Anarcoplayba Says:

        As Leis são como as Salsichas: é melhor que você não veja como elas são feitas.

        E não, a evolução legislativa não é em direção ao mais justo. É em um cabo de guerra dinheiro x votos.

        E a Lei não atende às demandas da sociedade. Ela deveria atender, mas não atende. Sabe por quê?

        Porque nossas casas legislativas são desproporcionais. A representação do legislativo dos Estados do CO, N e NE é desproporcional. Está na Constituição: Meu voto vale menos que o seu voto, Karina, simplesmente porque você mora num Estado menos populoso que o meu.

        E os votos desproporcionais fazem com que as leis não reflitam o anseio da maioria das pessoas, mas da maioria dos deputados e senadores. Ou seja: você vive em um país em que o Poder NÃO emana do Povo.

        Conclusão a respeito disso? Nós moramos em um país injusto, onde Marias Chuteiras engravidam pra viver, onde pessoas vão até a polícia e não são atendidas, onde uma ação demora quatro anos pra ser julgada, onde “não é errado oferecer propina”, onde sonegar imposto é necessário, onde os candidatos desobedecem o TSE, etc, etc, etc.

        E aí? como a gente vive num país assim? Ame-o ou deixe-o? Se esforça para mudar? Desobediência civil? Se submete? Toma partido?

      • Karina Says:

        bom, Anarco, n sou especialista tb em direito eleitoral, mas me parece que essa distribuição é uma forma, sim, de conferir justiça. Se vivêssemos num mundo perfeito em que todos pensassem no bem de todos, a sua ideia de igualdade de votos seriam bem-vinda. Mas por princípio, e em tese, os deputados estão lá para defenderem os direitos dos eleitores de seus estados. Logo, se há mais eleitores, há mais deputados. Mais ouvidos para, supostamente, ouvir um número maior de vozes.
        Mas a gente tb sabe que nem seu mundo perfeito nem esse mundo político ideal existem, e no final das contas o que há é jogo de interesses mesmo. Mas, em questões que afetam diretamente à sociedade, acredito, sim, que o apelo popular seja ainda seja forte. É o único contrapeso à força da jogatina política. Se a cultura do Brasil, especificamente, fosse outra, teríamos ainda mais força. Mas tb n gosto desse discurso choroso, pq enquanto eu e vc falamos aqui n fazemos nada. A política que temos, as leis, a ausência das leis, tudo é fruto da sociedade que nos tornamos.

      • Anarcoplayba Says:

        Então, Ka, dessa vez eu não sei se você está discordando ou se eu não me expliquei direito.

        A igualdade de votos levaria a isso que você disse mais pessoas = mais deputados e senadores ouvindo essas pessoas = as pessoas influindo igualitariamente no processo legislativo.

        Porém isso não acontece. É desigual. A representação legislativa possui mais deputados representando menos pessoas.

        http://pt.wikipedia.org/wiki/C%C3%A2mara_dos_Deputados_do_Brasil#Representa.C3.A7.C3.A3o_federal

        São Paulo tem duas vezes o nº de habitantes de MG, o que deveria acontecer? Duas vezes mais deputados. O que acontece? 40% mais deputados.

        Se você acha que essa desigualdade pé justa, beleza, a assembléia constituinte de 88, que era dominada pelo PMDB tbm achava.

      • Anarcoplayba Says:

        Fábio, a vítima é a vítima, o assassino é o assassino, nenhum deles são coitadinhos. Essa é a questão. Se quiser parar por aqui, beleza.

        Por onde o Daniel e o Paulo (com quem você concordou) puxaram essa discussão é: Pq isso aconteceu?

        Minha opinião? Porque nosso país é injusto e privilegia a ixperteza e a malandragem. Ela foi ser ixperta. E tinha a Lei do lado dela. Uma lei injusta. Se o Estado não dá Justiça, as pessoas procuram formas alternativas de resolução de conflitos.

        E foi isso que o Bruno fez: perdeu a cabeça porque foi passado pra trás e “se livrou do problema”.

        Se ela não tivesse tentado dar o golpe, nada disso teria acontecido. Tentou a sorte, deu azar.

        De fato, a gente nunca sabe quando o motorista do carro da frente está armado. Mas eu não brigo no trânsito.

      • Fabio Hernandez Says:

        anarco, esperta foi a galisteu, a cicarelli, a xuxa, as amantes do tiger woods, a espanhola gostosa que vive atrás do gol do casillas, espertas são todas estas, que além de ricas aparecem na caras e nas revistas de celebridades. a eliza foi uma coitada.

      • Anarcoplayba Says:

        Exatamente esse o ponto, Fábio: é difícil julgar caráter. Se você desiste, você depende de sorte.

        O que eu procuro é seguir indícios e os sinais que todo mundo dá.

        Um deles, por exemplo, seria o fato de que a Srta era bastante rodada em diversos times de futebol.

      • Fabio Hernandez Says:

        e daí, anarco? qual o problema de ela ser rodada em times de futebol. sabe aquela história do ‘atire a primeira pedra quem …’ pois é. vale para este caso.

      • Ana Says:

        Adorei várias coisas de várias pessoas sobre essa discussão que passou para a jurisprudência. Acho que todos concordamos nos principais pontos
        a)Violência é violência
        b)A atitude da Eliza é imoral, mas a de Bruno é crime
        c)A mesma crueldade que é colocar no mundo uma criança por dinheiro é assassinar uma pessoa (e o motivo, é aparentemente banal, mas essa é só a minha opinião)
        d)Comportamento de risco por parte da Eliza.

        Não vou chover no molhado quanto a outras questões. Concordo muito com o Anarco sobre todas as questões levantadas nessa linha de raciocínio ou de comentários onde me coloco. Mas devo alertá-los que se tornou discussão de gênero sim!

      • Petite Poupée Says:

        Anarco me ilumine: essa facada da pensão em 30% do salário do pai não é pra atender o binômio necessidade /possibilidade? Ora, se o pai tem um padrão de vida elevado, esse valor corrige, em tese, discrepancias financeiras/sociais na vida do menor, certo? Putz, isso no salário de um cara liberal ou assalariado é um impacto, mas em salários de jogadores do nível do Bruno, meu! tá de sacanagem, né? Será q faria cosquinha no bolso daquele mané? Não se trata de justiça caramba, se trata da maldita mesquinhez humana!

      • Fabio Hernandez Says:

        caraca, vcs falando em 30% de coisa de que não fazem idéia e a menina morta, talvez devorada por um cão. vcs se orgulham disso?

      • Anarcoplayba Says:

        Ah, Petit… mas aí você começa a melhorar a discussão…

        Olha só, repetindo o que a ana disse (e que eu adorei) o que ele fez é crime e o que ela fez é imoral.

        Agora, vamos começar a analisar. Fato: pro Bruno, 30% do salário não ia fazer diferença na qualidade de vida dele. Pra mim isso é verdade, e me parece razoável.

        Então a gente tem, até onde eu enxergo, duas hipóteses:

        1) o Bruno é BURRO, LOUCO ou coisa que o valha, e não queria de forma alguma abrir mão dos 30%, e tomou uma atitude IDIOTA que vai trazer MUITO mais prejuízo que os 30%. Ele não teve o bom senso de resolver a questão pagando os 30%.

        2) Ela estava causando muito mais problemas pra ele que os 30%, problemas que dinheiro não resolve. Ela não era o tipo de pessoa comprável. A única chance que ele tinha de resolver esses problemas que ela estava causando não era pagar ela, era pagar pra se livrarem dela.

        Tem coisas que dinheiro não compra… pra essas, existem os seus amigos traficantes.

        Agora vamos pensar… o Bruno oferecer um apartamento pra essa mina, tava negociando assumir a paternidade… pelo menos pelos indícios, as coisas estavam caminhando nesse sentido.

        “Do nada” ele resolveu mandar matá-la. Estranho, né?

        Será que ele é um psicopata que estava fingindo negociar pra esperar a chance de matá-la? Será que ele é burro e não percebeu que podia resolver o problema sem estragar a própria vida? Será que ela queria só 30%? Será que dava pra resolver com dinheiro?

        AGORA entram as questões que eu não sei responder, e nem faço muita questão de tentar. Resolvi isso na minha cabeça de uma forma simples: Ela é uma golpista da pior espécie, como tantas outras Marias Chuteiras no País do Futebol. Ele é um assassino, como tantos outros no país do futebol.

        Qual a sua opinião? Se você tivesse que intuir, o que você diria? Que ele a assassinou por motivo torpe ou tomado por violenta emoção?

        É divertido tentar descobrir o que está por trás do que está por trás.

        Agora, se nossos genes determinam nosso comportamento, imagina o que o filho vai ser…

      • Daniel Says:

        O engraçado em alguns dos que dizem que não se pode fazer julgamentos é que sobre as ações e o caráter do Bruno parece não haver dúvidas quanto aos julgamentos feitos como se pode ver no seguinte trecho “em que a vítima vira vilã e o vilão uma mistura entre herói e coitadinho.”

        Não pareceu haver dúvidas aí nesta frase sobre quem é o vilão, embora nenhum de nós conheça toda a história, mas em outros momentos a mesma pessoa diz que é necessária conhecer toda a história para se sentenciar quem são os vilões, oh my god!

        Talvez a exigência moral de não fazer julgamentos seja só sobre determinados grupos de pessoas as quais nós temos a premissa antecipada de serem sempre vítimas inocentes, incapazes e FRÁGEIS.

        E deve estar havendo algum erro de interpretação absurdo por aqui porque não ví ninguém sequer insinuar ou deixar transparecer que o Bruno seja coitadinho inocente. O que alguns como eu dizem é que nesta história há um monte de vítimas mas NENHUMA vítima inocente e coitadinha (OU PRA LANÇAR MÃO DO CLICHÊ: SÓ A CRIANÇA).

      • Fabio Hernandez Says:

        ela é inocente do próprio assassinato, daniel. se liga, mano!

      • Daniel Says:

        Que fique claro, não acho que deva haver qualquer dúvida sobre o caráter do Bruno e o julgamento que devam ter suas ações. Para mim já está mais do que demonstrado que o sujeito é de um caráter raso e que suas ações são estúpidas e inaceitáveis. Quanto à Eliza, idem. Acho mesmo que até se mereciam.

        O que me faz rir é só o fato de que quem se nega a aceitar julgamentos sobre as ações de uns se ressente de que sejam feitos julgamentos sobre as ações e o caráter de outras.

      • Karina Says:

        Daniel, a discussão aqui começou a partir da intenção de desqualificar a garota. Por isso acabou girando td em torno disso.

        acho que não se referiu a mim qd falou em “alguns” que estão comentando, mas, de minha parte, olho com os mesmos olhos tanto uma parte qt a outra. Já tive minhas opiniões reservadas em relação a ele tanto quanto tenho em relação a ela. Mas as coisas estão se fechando. Dá forma como a história está vindo à tona, não dá para alguém se levantar em defesa dele ou de suas eventuais motivações. Houve perversidade, crueldade, frieza.

        o ponto é que há evidências de que ele tenha agido como agiu. Que evidências há de que a garota engrevidou propositalmente ou que td que ela fez foi por ganância? isso é julgar moralmente sem conhecer, isso é ser leviano e td mais que já disse aqui.

        Em momento algum em considerei que as acusações que vcs fizeram contra a garota tinham a intenção de minimizar o crime. minha reação é pelo ato em si, que acho pequeno, rasteiro, absolutamente desnecessário pq não acrescenta coisa alguma a esta altura do campeonato.

      • Daniel Says:

        Não, você tem sido coerente neste ponto (de não fazer juízos sobre os envolvidos), embora eu discorde profundamente da alegada falta de evidências que levem a crer que ela engravidou apenas para dar o golpe da barriga.

      • Anarcoplayba Says:

        Evidência conclusiva nunca existe. Existem indícios maiores ou menores.

        E se falarem que os amigos do Bruno resolveram dar um fim na Srta. por vontade própria e que o Bruno nunca soube nem concordou com nada?

      • Karina Says:

        Se falarem, Anarco, e se não houver provas que conduzam a conclusão contrária, é isso. Não estarei aqui para dizer que ele esteve metido ou não. Há até pouco tempo dava para um observador como nós, de fora, considerar essa hipótese. Mas não é mais o que está acontecendo.

      • Anarcoplayba Says:

        Isso não vai acontecer, mas já aconteceu antes:

        http://www.meionorte.com/noticias,vitima-de-assassinato-aparece-viva-apos-dez-anos,100913.html

      • Anarcoplayba Says:

        Fábio, onde você leu que o assassinato é mais ou menos reprovável em função do dinheiro?

        Novamente: um crime é um crime, uma golpista é uma golpista.

        A questão financeira não tem nada a ver com o assassinato, o comportamento da vítima não atenua a culpa do assassino.

        Estou me atendo a um comportamento que eu considero reprovável, e debatendo com diversas pessoas se esse comportamento é reprovável ou não.

        Debater o assassinato, pra mim, é inócuo. Já existe lei que condena o assassino, mas não existe lei que classifique a conduta dela como crime. Eu acho que devia.

        Agora, já que você tocou no assunto do crime bárbaro, já leu Watchmen? O Livro é ótimo, o filme uma porcaria.

        Quando eu li esse post eu me lembrei de um diálogo do livro. Quando o psiquiatra de Rorschach pergunta pra ele por que ele se tornou Rorschach, Roschach responde que um dia ficou sabendo de uma mulher chamada Kitty Genoveses que foi espancada, estuprada, torturada e morta na frente de casa, enquanto alguns vizinhos olhavam e ninguém chamou a polícia (isso é uma história verídica usada pelo autor) e foi por isso que ele decidiu virar um justiceiro.

        Ao ouvir isso o Psiquiatra responde:

        Dr. Malcolm Long: Walter, is what happened to Kitty Genovese really proof that the whole of mankind is rotten? I think you’ve been conditioned with a negative worldview. There are good people, too, like…
        Rorschach: Like you?
        Dr. Malcolm Long: Me? Oh, well, I wouldn’t say that. I…
        Rorschach: No. You just think it. Think you’re ‘good people’. Why are you spending so much time with me, Doctor?
        Dr. Malcolm Long: Uh…well, because I care about you, and because I want to make you well…
        Rorschach: Other people, down in cells. Behavior more extreme than mine. You don’t spend any time with them…but then, they’re not famous. Won’t get your name in the journals. You don’t want to make me well. Just want to know what makes me sick. You’ll find out. Have patience, Doctor. You’ll find out.

        E foi isso que eu perguntei: Inúmeras pessoas. Morrendo todos os dias. De formas mais dolorosas. Em microondas nas favelas. Enterradas em pastos de fazendeiros. Jogadas com tijolos no Tietê. Por que você não fala delas também? Se a Eliza Samudio fosse feia, se o Bruno não fosse quem é, se não tivesse tanto dinheiro e putaria envolvido, será que estaríamos comentando esse texto?

        http://anarcoblog.wordpress.com/2008/05/20/mas-e-o-ronaldinho-hein/

        E agora você me diz que ela é uma coitada porque um bando de golpista se deu bem e ela “teve azar”?

        Pelo amor de Deus! Enquanto tiver gente que se dá bem aplicando chave de buceta, vai existir menininha investindo nisso! Você acha isso bonito? Acha isso legal? Esse é o seu feminismo? Uma mulher que nasce gostosa usa isso pra viver?

        Não existe esse papo de “jornalismo imparcial” o simples fato de você escolher ler escrever sobre um assunto já é um julgamento. E você não fala sobre crimes. Não fala sobre direito penal. (pelo menos não aqui).

        Você fala sobre sexo, sobre homens e mulheres. Você tem suas opiniões. Nada de errado com isso (especialmente pq é o SEU blog). E a sua opinião é de que a moça é uma vítima da sociedade ter sido considerada uma Maria Chuteira.

        Eu discordo. Ela é vítima de assassinato. Um assassinato diretamente ligado ao “estilo de vida” que ela escolheu.

      • Fabio Hernandez Says:

        não li, anarco, vou ver se encontro porque me pareceu interessante. tks for the tip.

        quanto à eliza, bem, nós temos visão realmente diferente. usar a beleza, o poder de atração, a juventude: que mulher não faz isso? me cite uma das que estão aí nas paradas, da angelina jolie a quem vc quiser.

    • Says:

      Acho que essa moça teve o fim que procurou. Que isso sirva de lição para essas marias chuteiras e todas essas mulheres que buscam relacionamentos pensando em se dar bem financeiramente. Querem dinheiro? Vão estudar, vão trabalhar. Querem homem? vão procurar alguém do seu meio, do seu nivel sócio-econômico, e que não seja casado. O problema é que tem muita mulher vagabunda que se acham muito espertas em só se relacionar com homens ricos. Nem todos os homens aceitam esse golpe como esses ronaldos e ronaldinhos!

      • Fabio Hernandez Says:

        zé: vuuuuuuuuuuuuu!

      • Fabio Hernandez Says:

        que sirva de lição é para assassinos, zé. a carreira do frangueiro assassino acabou.

      • Ana Says:

        Eu só sei que no meio disso, pensando no quanto a humanidade pode ser “desumana”, ou seja, descumprindo a sua própria conceituação do que é certo, pensando em como as mulheres que não usam “chave de buceta” ou da beleza como artifício (se bem que achei essa Eliza feinha) são desvalorizadas assim como os homens sem dinheiro se sentem desvalorizados…talvez, não se veja em sentido micro isso, mas essa é a sociedade que, aceitando ou calando, construimos. Mudar um parece ser cada vez mais difícil que mudar vários. E estamos sendo violentos acusando sempre o outro de violência. Sei lá se viajei, mas é um ponto interessante de partida dessa crueldade.

        Pobre da criança saber que a mãe é interesseira e o pai assassino. Das amplas imoralidades ao que a lei proíbe. Como engravidar por interesse ainda não é proibido, é apenas imoral, e não falo do viés religioso ou moralizante, embora sempre adotemos princípios nos quais naõ acreditamos para apontar os outros.

  8. Paulo Rods Says:

    Sempre leio o Hernandez passivamente desde muito tempo mas hoje esse texto me fez ter vontade de me manifestar: isso que ta ai e o resultado da nossa sociedade podre que aceita o sucesso a qualquer preco e bate palmas pra ele..lembram daquela modelo que transou sem camisinha com um rolling stone? onde ela esta agora? hahaa lembrei ganhou um programa de tv! agora se justifica o nao uso de preservativo.
    e da modelo que transou com o maior jogador de futebol de todos os tempos? lembram? hoje ela e uma rainha do brasil! e por ai vai poderia citar masi uma monte de coisas aqui mas o fato e que a sociedade e preconceituosa nao com so com as marias chuteiras mas com os pobres e perdedores em geral e isso me revolta por isso uma vida se foi uma vida jovem que estava seguindo a cartilha do sucesso que aprendeu a ver na televisao desde pequeninha so que perdeu!

    • Fabio Hernandez Says:

      rods: mandou bem!

      • Graça Says:

        Fabio e Paulo,

        Mesmo com a cartilha exposta pela tv, nao se esqueçam que as pessoas tem opçoes e sao livres para fazer escolhas o tempo todo, sejam pobres, maria chuteiras, perdedores, homens, mulheres, enfim, seres humanos.

        Uma jovem perdeu a vida, isto e um fato. Poderia ter sido evitado? Acredito que sim. De que forma? Responsabilidade.

  9. Paulo Rods Says:

    Graca acredito sim que as pessoas tem opcoes
    mas essas opcoes sao limitadas pelo ambiente em que vivem,
    e a ambientes no Brasil em que o dinheiro e o sucesso a qualquer preco
    determinam as escolhas, tem muita crianca morando em favela que sonha
    em ser o patrao do morro, tem muita menina que sonha em emgravidar
    de um jogador de futebol, deve ter gente sohando ate um dia em ser um animalzinho de estimacao de alguma socialite da vida e isso que leva jogadores de futebol se acharem os donos do mundo e meninas se deslumbrarem com cayennes a sociedade aceita dando tapinha nas costas essas escolhas ou votando aos mihoes em BBBs nao e? Ela poderia ter sido salva sim! nao fosse o preconceito da nossa propria forca policial e sua falta de responsabilidade! me pergunto e se fosse o goleiro na posicao dela de ir na delegacia dar parte de ameacas? sera que teria sido assassinado? acho que nao. a policia fez como nos todos aqui fizemos julgaram ela uma biscate, prostituta, maria chuteira, oportunista…..e jogaram uma vida aos rottweillers.

    • Fabio Hernandez Says:

      rods: assino embaixo e dou meus cumprimentos.

      • Ana Says:

        eu também assino embaixo.

        As pessoas têm opções? sim. Mas diz isso pra meninas pobres.

        Tanto têm opções que o Bruno poderia ter optado por não matar ela, por provar na justiça, por pagar pensão…Concordo que acaba essa sendo a profissão de muitas mulheres por aí, mas não é muito pior que a profissão de muitos homens seja de assassino açougueiro? E, como a maioria reclama por aqui, isso é muito comum. Filhos como investimentos também é muito comum, porque só isso está sendo julgado aqui?

      • Ana Says:

        “mas diz isso pra meninas pobres.”

        Só contextualizando, não estou defendendo. Eu não sou rica e me esforço pra estudar e trabalhar. A Eliza não era tão pobre assim. Mas choquei ao ouvir uma menina de 12 anos de uma vila aqui do Sul dizer que quer arranjar “um otário para bancar”. Acho que temos todas, pobres e ricas, muito mais opções do que nossas mães, o que torna injustificável esses golpes da barriga. Essa é só uma faceta de uma sociedade sórdida e consumista pela qual, somos sim, todos responsáveis.

  10. Iguanodonte Says:

    É um mundo do mundo estranho.

    Ela gostava de fortes emoções, entrava pelas vielas do oportunismo e achou uma que não teve saída.

    Para o Bruno foi um golpe saber que era pai de um criança, sendo a mãe intimamente conhecida por escalações completas de vários estados.
    O goleiro passou a ser o pateta da situação, para a pequena caçamba do seu caráter essa carga foi demais.

    Para ele a questão da pensão nem pesava, o fardo era assumir a paternidade do filho da atriz, que todos conheciam profundamente.

    Mandou que resolvessem. Resolveram.

    Sumiram com a moça.

    Ele trocou de problema e parece feliz.

    Daqui a uns quatro anos ele volta a tona e reassume as atividades em algum clube.

    Agora vem a tona agora a questão das orgias dos jogadores, ele cita nomes e diz que é comum.

  11. Karina Says:

    É isso que estou tentando dizer, Fabio Hernandez. Não dá para julgar o caráter de alguém que n conhecemos. E que muita coisa se passa na minha cabeça tb, mas n me sinto no direito de abrir a boca e sair falando o que eu bem entender. Isso tem implicações, é cruel agir assim.

    Como vc mesmo disse, nem pessoas próximas a nós conhecemos de verdade, que dirá alguém com quem n temos um mínimo de contato.
    Não estou falando em completa isenção, n é isso, mas em ser justo nos julgamentos e em haver um embasamento que vá além de conceitos enraizados que nos impeçam de enxergar além das aparências.

  12. Karina Says:

    Anarco, sobre as eleições proporcionais, verdade, eu entendi o que vc disse de outra forma. é isso, sim, tá certo. eu não sabia que a proporção é desproporcional.
    O que me parece é que mantiveram a fórmula estagnada sem acompanhar a evolução demográfica, então o princípio base da fórmula ainda parece justo. mas n convém mais. então ou aumentam o número de deputados na Casa, o que é desnecessário, ou mudam a fórmula.

    prefiro falar sobre isso com vc pq o outro assunto, realmente, n dá mais. vc pensa da sua forma descabida pra mim, eu penso da minha forma descabida para vc. e desta vez n dá para eu ponderar que sua visão esteja certa pq não acredito nisso. acho lamentável ter visto que defende com tanto afinco uma visão preconceituosa. nada na sua lógica me leva a pensar o contrário.

    • Anarcoplayba Says:

      Na verdade, Karina, foi intencional.

      O argumento é de que os Estados que detém poder econômico não podem deter o poder político.

      Ou isso, ou é resquício dos currais eleitorais. Lembre-se que o Sarney é eleito e reeleito pelo maranhão há anos.

      Quanto à minha forma preconceituosa de pensar, de fato, gosto dela: as pessoas são diferentes. Você interage com elas. Com quais você interage? Como você escolhe as pessoas com quem você convive? Opiniões todos temos, julgamentos todos fazemos, quer as manifestemos quer não.

      Eu escolhi fazer meus julgamentos, expressá-los e viver de acordo com eles. Coerência entre o que eu penso e o que eu sou.

      Se você não analisa, julga, percebe, sente, entende, você vive de sorte de sorte. Claro que o conhecimento total é impossível. Mas você precisa decidir sempre, muitas vezes com poucos elementos para tanto.

      E onde está a importância de me manifestar a esse respeito? Muito simples: que tipo de pessoa eu seria se eu não tivesse coragem de manifestar minha opinião?

  13. Camila Alves Says:

    Fábio,
    realmente, não temos como saber, antecipadamente, quais pessoas nos oferecerão risco de vida, posto que não andamos com plaquinhas avisando “Eu mato”, “Eu roubo!”, “Eu uso drogas!”. É um risco.
    Lamento por Eliza, da mesma forma que lamento todas as vezes que ouço notícia de uma morte. Lamento pelo filho órfão, pelos pais que terão de se acostumar com a perda, e lamento principalmente pelos anos de vida que Eliza perdeu.
    Não sou, de jeito nenhum, adepta daquele ditadinho que diz que “morreu, virou santo”, mas evito tecer certos comentários, pq né? O mundo é redondinho, e apontar o dedo para as desgraças alheias é fácil demais.
    Na minha opinião, a polícia, a justiça, o Estado, fizeram o que lhes cabia fazer. Corria na justiça um processo para reconhecimento de paternidade, que se resolveria cedo ou tarde, era só ter um pouco de paciência e esperar. O que nem a polícia, nem a justiça, e nem o Estado poderiam fazer é acorrentar Eliza à um pé de mesa e evitar que ela brincasse com fogo. Qual era a necessidade de Eliza sair da sua cidade para ir até uma outra cidade procurar por um homem por quem já havia sido agredida antes?
    Faltou um pouquinho de bom senso e noção do perigo, sobrou ousadia.

    • Fabio Hernandez Says:

      camila, nem canonize, até porque não é seu estilo, e nem demonize.
      é minha sugestão.

    • Anísio_FC Says:

      Camila…
      Jura que você acredita que ela foi de livre e espontânea vontade? Ou que não tenha havido nenhuma mentira pra convencê-la? Que não tenha sido coagida?
      Se você acredita que isso seja possível então deve acreditar na lenda da camisinha furada!

      • Camila Alves Says:

        Anísio,
        por mais mentiras que ele tenha inventado, ainda sim, ela era dotada do livre arbítrio. Ele poderia inventar o que quisesse. Você ainda confiaria em uma pessoa que tivesse te humilhado e agredido, ameaçado a sua vida?
        Volto aí ao ponto que abordei no meu comentário: faltou bom senso e noção do perigo, sobrou ousadia. Quem sabe, um pouquinho de maldade, não é? Se ela fosse, realmente, tão maldosa, teria visto as coisas de uma forma mais clara. Teria desconfiado. Não teria se arriscado tanto.

  14. Petite Poupée Says:

    Camila, um pouquinho? mas é disso mesmo q se trata! Compartilho de sua indagação.

  15. Anísio_FC Says:

    A moça pode ter dado quantos golpes tenha, possivelmente a menina era garota de programa (Ou a garota era menina de programa?), atriz pornô, etc… Num casos desses alguém com algum cérebro deveria usar camisinha até na lingua! A camisinha estourou? (como estouram camisinhas, né?) Pois eu duvido muito, o cara que disse isso é o mesmo que tem um histórico de declarações e atos desastrosos…
    A moça tinha família desestruturada e nem a acho tão espeorta quanto Hernandez acha, mas a do Bruno parece mais desestruturada ainda, afinal nem toda a grana que tem lhe deu sabedoria e um mínimo de bom senso e ninguém tem que pagar desestrutura familiar com a morte!

    • Camila Alves Says:

      Exatamente, Anísio.
      Bruno sabia exatamente onde estava pisando. Se ele não queria filhos, porque não tomou as precauções necessárias?
      Eliza também não me parece tããããããão espertalhona como pintam por aí. Se fosse, não teria “colocado tudo a perder”.

      • Anarcoplayba Says:

        Camila, nunca subestime a ganância humana.

        Provavelmente aquela viagem valeria coisa de cento e cinquenta mil reais por vinte e poucos anos. Fora o que ela eventualmente poderia estar pedindo por fora pra deixar ele em paz.

        Conheço muita gente que faria coisas muito mais imprudentes por essa grana.

        Fora que, nesse aspecto, concordo com o Fábio: O bruno fez o impensável. Virou a mesa quando ela achava que tinha se dado bem.

  16. Ana Clara Says:

    nossa lembro disso em um caso chocante

  17. ARLINDSON JANDER FERRREIRA SILVA Says:

    EU QUERO UMA CHUTERA PARA OJE ANOITE

  18. isabelly Says:

    tinha q morer mesmo essa maria joteira agora ela faz td q quer e o povoi prolculpa com a morte dela a me polpe ne veyy

  19. THIAGO Says:

    Tudo isso poderia ser resolvido ser bruno pagasse a pensão acha q antes de ser mal carate ele tem uma mente fraca ñ aguentou a pressão. Sobre a atitude dele de manda matar isso pra min ñ tem discussão é um crime e ponto. Em relação a ela no final das contas ela e só mais uma marita chuteira como muitas outras espalhadas por aii. Que é uma coisa imoral isso ñ ha duvida mais acho de q ele foi muito burro de deixa as coisas chegarem esse ponto 30% do salario. Segundo o futebol finance o salario dele no flamengo era de 52 mil euros por mês é chega aos 625 mil euros por ano ñ sei quanto ta o cambio mas isso chega fácil na casa dos milhões de reais, paga 30% desse valor é mole , mais ele ficou assustado e em vez de encara tudo de cabeça erguida resolveu cometer um crime. Resultado destruiu a vida dele e principalmente a dela. Vale lembra q independente do carate dela estamos falando de uma vida , também ñ concordo com a vitimização dela, no final das contas isso e só mais um assunto pra mídia se fosse um pedreiro um padeiro sei la eles ñ iria gasta nem um minuto mais foi um jogado famoso por isso recebeu toda essa atenção
    Engraçado que quando esses crimes envolve pessoas ricas e famosas viram verdadeiras tragedias com super repecusao da mídia enquanto milhões de pessoas morrem no brasil como indigentes

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: