O beijo versus o sexo


Ia escrever sobre outro assunto, mas fui dar neste vídeo e tive que mudar. É um trecho de um clássico do cinema, “Quando Explode a Vingança”. Nele Sergio Leone e Enio Morricone trabalham juntos, e esta cena mostra por que Tarantino disse que foi provavelmente a maior parceria do cinema. A câmara de Leone, a música de Morricone.

Vi este filme menino ainda em Ribeirão Preto, na última sessão do cinema velho do centro, e dormi em boa parte. Mas ao sair cambaleante do cinema rumo à casa de Tia Zete, que vendia jóias para os outros e proporcionou sonhos para mim, sabia que tinha visto alguma coisa que iria me acompanhar pelo resto de minha vida.

Quero aproveitar esta sessão curta de cinama para, além de sugerir filmes de Leone e Morricone, discutir a essência da cena. O beijo.

O beijo contém uma carga erótica e amorosa muito maior que o sexo em si. Não é à toa que prostitutas não beijam os clientes. Como símbolo, o beijo representa a entrega, o laço, a comunhão muito mais que a cópula. É um dos mistérios do amor.

Muita gente tentou ao longo do tempo explicar.

Tenho minha tese. Quero ouvir a sua. Para mim, o beijo é a promessa, a expectativa do que pode vir depois, é a véspera da festa.

É a fantasia.

O sexo é a realidade. Não é mais a véspera, mas a festa mesma. Quando a realidade iguala a fantasia?

Poucas vezes. Quase nunca. Daí o fascínio perene e incomparável do beijo na crônica de homens e mulheres apaixonados.

169 Respostas to “O beijo versus o sexo”

  1. Grace Olsson Says:

    Fábio, acho que, SEXO SEM BEIJO É SEM FUTURO.Nao deixa boas lembrancas. Assim como, um parceiro que nao nos faz feliz através do beijo é UM ZERO À ESQUERDA.
    Outro dia, eu fiz umas fotos de uma menina que é GO GO GIRL em Estocolmo. Aqui, na Suécia, elas têm site com fotos eróticas e sao bem visitadas. Eu a encontrei apra fazer as fotos e ouvi uma dela:’
    Ela foi atender um cliente brasileiro. Ele estava de passagem por Copenhagen. A última Conferencia que teve, ano passado. Ela me disse que ficou estupefata quando o brasileiro(um jornalista bem conhecido ai no Brasil)ao vê-la entrar no quarto de um hotel de luxo(kkkk)ele a agarrou e tascou-lhe um beijo.
    ela disse que sentiu nojo dele. ele usava um perfume francês, suave, muito bom, para o gosto dela. Mas, ela disse que SE TERIA QUE TER ALGUM TESAO POR ELE, ACABOU DIANTE DA OUSADIA DELE.
    Ou seja, ao se esquivar dele, ela viu o quanto aquele homem precisava…de carinho…nao de sexo…
    No final, ele pagou caro e nao transou….No fundo, ele queria mesmo era desabafar sobre a vida que leva ai no Brasil…Com uma esposa que já nao of az feliz…

    Ah, Fábio…fotógrafo ouve cada uma…kkk
    Dias felizes

  2. Petite Poupée Says:

    Beijo pra mim é comunicaçao. Eu entendo a prostituta q n beija, ela n está alí pra se comunicar, ela está alí para servir.

    Eu confesso que já abortei a missao do segundo encontro porque o cara beijava maaaaal…eu já fiz isso…o beijo q nao impressiona é brochante pacas! Qual é o beijo q impressiona? Aquele q alia gentileza, agressividade e variedade, na minha opiniao. É claro q o beijo romantico é muito bom, mas nao se compara ao beijo apaixonado nao. Ahhhh o beijo…n é só ferramenta é pricipalmente um termometro do relacionamento.
    Beijo na boca, as vezes é bom, as vezes nao…mas beijo no pescoço ou na nuca…uuuuiiii

    • Karina Says:

      Ah, Petite, acho que isso é lenda, viu. Aliás, vc fala do beijo em si ou do conjunto da obra, da pegada e td mais? Pq pegada tem a ver, mas o beijo… sei lá… beijo é uma coisa que bate na hora, combina, encaixa ou n.
      Acompanhar o outro é fácil, mas bom mesmo é qd os beijos se acompanham naturalmente, de primeira. E, olha, o beijo mais-mais-mais-mais que experimentei n representou muita coisa além dele, n.

      E tb já abortei missão por conta disso =p

      • Petite Poupée Says:

        K, se vc abortou a missao, n é lenda, é fato! hauhauauhua

        Eu reparo em tudo…tamanho da boca, da língua… já viram a do Anarco?

      • Karina Says:

        negativo. Qd abortei a missão foi única e exclusivamente pq o beijo n era legal, nem considerei o… porvir.

        Aquela foto do Anarco n favorece… aquilo, sim, parece o alienzinho que sai da boca do Alienzão no filme.

      • Petite Poupée Says:

        Nao apoiada K! Aquela fotinha é tudo!

        Pra mim, a fantasia precede o beijo q precede o sexo q precede a relaçao. Toda vez q subverti essa ordem deu m.

      • Karina Says:

        hauhuahuahuhaua então tá, né

      • Petite Poupée Says:

        😉

  3. Nina Says:

    Então……eu até ia comentar, mas preciso me concentrar para o trabalho, e tá difícil com tanto papo sobre beijos! Huummm… =D

    • Gueixa Says:

      Idem! rsrsrs

      • Petite Poupée Says:

        Poxa meninas, eu crente q vcs iriam dizer se o beijo define ou nao o amante e vcs corream? ahhhhhh

      • Nina Says:

        Eu diria que é o beijo E a pegada. E o tempo de latência entre o beijo e os finalmentes. Explicando melhor: o ato sexual deve ser, de preferência, degustado. Isso define o amante. Rapidinhas enlouquecidas em cima da mesa da cozinha são muito bem vindas, mas não dá para definir e manter um parceiro sexual a partir e só através disso.
        Se ele curte o beijo, a pegada, o respirar ofegante, obedecendo um ritmo e aproveitando as carícias, isso define o amante. Provavelmente ele não sofre de ejaculação precoce.
        Agora, se é tudo com pressa, mal os lábios encostaram e a roupa já está jogada no chão, bah, isso para as mulheres é frustrante.

        Não estou dizendo que cada relação sexual deva durar hooorass… nada contra (nada mesmo) rapidinhas, o problema reside quando tudo é rapidinha. Mulher gosta de ser admirada.

      • Karina Says:

        “provavelmente ele não sofre de ejaculação precoce.”

        yep. Mas qd o problema é ejaculação precoce, ainda vai, é uma questão a ser compreendida/tratada. Pior é o afoito. Pq uma coisa é rapidinha, outra coisa é afobação.

      • Nina Says:

        Geralmente a ejaculação precoce vem da afobação. Mas é geralmente, sempre há as exceções.

        Não sei se vi em um filme, conselho de amiga, fala de algum gay, piada, enfim, mas lembro-me de uma comparação interessante: observe como o homem se porta a mesa, como come e degusta a comida, o vinho. Saberás como ele se porta na cama.
        Hmm, será? O que acham?

      • Karina Says:

        aliás, Nina, o afobado é afobado pq sabe que ejacula precocemente ou ejacula precocemente pq é afobado? rsrs acho que começa mesmo com a segunda premissa, mas acaba conduzindo pra primeira e entrando num círculo vicioso.

        (Pedido n. 1, rapazes: cuidem dessa ansiedade. convenhamos, meninas, deve ser terrível)

        De qq forma, reafirmo: pior é o afobado sem probema algum além da própria afobação rs

        Qt a isso da mesa, olha, acho que faz sentido, sim. Pensando bem, bastante. Acho que faz mais sentido observando um comportamento específico: o homem que, sem pressa, aprecia o prato e saboreia a bebida… esse tende a ser mais atencioso e “delicado” com a mulher de um modo geral, inclusive no sexo.
        Já o inverso n sei… n arriscaria generalizar.
        Se fosse verdade, olha, pelo que vejo dos homens à mesa, pelamordedeus, só existiriam trogloditas na cama rsrs

        (Pedido n. 2, rapazes: sejam mais educados à mesa)

      • Robson Says:

        toc-toc
        Posso entrar?

        Pois bem, acho que faz muito sentido sim.
        Comer deve ser um ato prazeroso, o que requer calma, tranquilidade e concentração. A degustação deve ser lenta para que se possa apreciar os sabores de cada alimento, suas texturas, maciez, rigidez… Como agir assim na cama sem fazer o mesmo na mesa? A paciência é uma virtude sem escolhas seletivas: ou se tem, ou não a tem!

        E a comparação não se limita ao comportamento na mesa, indo também para outros aspectos:
        Homem apressado no trânsito que dirige feito louco desrespeitando tudo e todos se encaixa perfeitamente no quadro “afobado” na cama. INCLUSIVE foi feito um estudo científico comprovando isso, só não me lembro a fonte.

        Será que a forma em que a pessoa escreve também tem relação direta com o comportamento ou temperamento sexual?

        Hum… há que se investigar 🙂

      • Nicky Says:

        Robson, vou fazer uma tese de doutorado sobre isso…

        🙂

        (A pesquisa de campo vai me dar um trabaaaaaaaaaaaaaalho!)

      • Gueixa Says:

        Quer ajuda Nicky?

      • R. M. Gonçalves Says:

        Oras bolas, faz em grupo que o trabalho diminui 😉

      • Nicky Says:

        Estamos com processo seletivo para cobaias.

        Certo, Gueixa? 🙂

      • Gueixa Says:

        Certíssimo!
        Vamos começar?

    • Karina Says:

      ops, era pra ter respondido aqui. sorry rs

    • Nicky Says:

      O papo sobre beijos foi parar na língua do anarco? é isso??? oO

  4. R. M. Gonçalves Says:

    O beijo envolve essencialmente amor, carinho e afinidade. É uma manifestação verdadeira de que existe um sentimento entre as partes.

    Já o sexo envolve instinto — algo criado por nossos mecanismos psicológicos —, motivado pela sobrevivência da humanidade e/ou (conforme a cliente da Grace) pela “profissão”, o que não deixa de ser também algo relacionado à “sobrevivência”.

    Schoppenhauer dizia que o amor é um embuste criado pela nossa mente com o único propósito de manter a perpetuação de nossa espécie. Será?

    Quando se faz sexo com amor, o beijo é automático. Do contrário, é falso.
    Sendo assim, o beijo é a verdade, já o sexo nem sempre!

  5. Rafael Says:

    Como dizem, o melhor da festa é esperar por ela.

    • R. M. Gonçalves Says:

      E quanto mais longa a espera, tão melhor é a festa 🙂

      • Nicky Says:

        Vocês adoram reclamar do tempo da preparação feminina pra uma festa.
        Fato!

        Não vos reconheço, rs.

      • R. M. Gonçalves Says:

        Pelo contrário, adoro esperar porque não gosto de chegar cedo mesmo 😛

  6. R. M. Gonçalves Says:

    O beijo é a manifestação de carinho e de amor quando verdadeiros; já o sexo envolve instinto, uma atração criada por nossa mente, como dizia Schopenhauer, um embuste disfarçado de amor com o objetivo de manter a sobrevivência da espécie humana.

    Mas tenho uma dúvida: será que os seres humanos copulam pelo mesmo instinto que motiva os animais? Ou nada disso é verdade?

  7. R. M. Gonçalves Says:

    meus comentários estão indo para alguma outra dimensão… 😦

    • Nina Says:

      Aliás! Depois de ler o post do Fábio, ler o seu sobre o beijo da Aline, caramba, vcs não querem que a gente trabalhe hj né??

      • R. M. Gonçalves Says:

        heheh… foco no trabalho meninas!
        se bem que um encontro casual em horário de almoço de vez em quando é sempre bem vindo 🙂

      • R. M. Gonçalves Says:

        as tardes ficam até mais alegres e bonitas…

    • Gueixa Says:

      Robson…pára com isso Foco no trabalho!!!!

      • R. M. Gonçalves Says:

        Aahhh… não posso pensar nem mesmo num happy hour com ar-condicionado, banheira, champagne… numa escapadinha vespertina do trabalho?

      • Gueixa Says:

        Noooossssa!!!!
        Agora danou-se!
        Champagne? Adoro…

      • Nicky Says:

        Escapadinha vespertina com banheira e champagne = motel.

        Que tipo de emprego vc tem?
        (Não responda se for impróprio para o horário!)

      • R. M. Gonçalves Says:

        Ok! Responderei depois da meia-noite 😉

      • Nicky Says:

        hauhauahuahuahuahuaha
        Tá… Vamos passar essa!

  8. Srta. O Says:

    Meu pai sempre me falou a mesma coisa, Fábio: Nada mais íntimo que o beijo, pois é nele que se faz a entrega; fecha-se os olhos para sentir o gosto do outro. Sexo é a continuação, como se fosse o proximo capítulo de um livro delicioso de se ler. Se o livro é bom, queremos virar as páginas..

  9. Anarcoplayba Says:

    O coito é desigual (penetrante e penetrado) o beijo é paritário.

  10. Alice Barros Says:

    Eu concordo que o beijo requer sentimento ou muito desejo. Não dá pra fazer algo que significa extrema intimidade sem gostar ou pelo menos desejar muito o outro.
    Beijo é realmente como a véspera da festa e também a melhor parte dela.

  11. Filippo Contini Says:

    Tem um post de assunto semelhante a esse em discussão no RM.

    Nicky, concordo com você que os comentários por aqui geralmente param nos lugares mais estranhos…

    Bem, a minha tese sobre o beijo versus sexo é simples: para beijar você precisar portar um sentimento de amor, de afinidade ou no mínimo de fraternidade por uma pessoa. Senão o beijo se torna banal.
    Em contrapartida, o sexo é bom quando há envolvimento amoroso, o que não impede que seja bom também quando não existe sentimentos. São apenas formas diferentes.

    • Karina Says:

      pois é, Filippo, acho que concordo com vc. Por isso n entendo esse lance de puxar e beijar. O beijo deixa de ser gostoso? não. mas é o gatilho que faz muita falta, aquele lance de pelo menos despertar alguma coisinha, que seja tesão, mas que só de olhar pra cara da pessoa n tem como despertar. Pelo menos comigo isso n funciona, nunca funcionou. E o mesmo vale pro sexo.

    • Nina Says:

      Pois é, pensando no que ambos escreveram, refletindo um pouco mais, acho que não dá para estabelcer uma regra geral, do tipo: beijo É mais íntimo que sexo. A questão está no significado que vc atribui para cada tipo de manifestação corporal.

      • Nicky Says:

        Tá bom, gente, hold on!

        Acho que a primeira coisa que a gente deve considerar é o ponto de partida.
        Estamos falando de linguagem e simbologia de cinema.

        O beijo, na maioria dos filmes, é a representação de “felizes pra sempre”.

        Vide os contos de fadas (os da Disney). Terminam sempre com um beijo e a gente logo pensa “ownnnnnnnnnnnnn!”

        Claro que há exceções. Muitas.
        Mas nos filmes românticos ou, pelo menos, nos filmes em que há romance, a cena do beijo carrega uma carga emocional enorme, enquanto as cenas de sexo, não necessariamente.

        Certo?

      • Nina Says:

        Certo!

        Mas era disso mesmo que estávamos falando? Rssrrss…

      • Nicky Says:

        A gente se empolgou e passou do cinema pra realidade.
        (Eu acho. Posso estar enganada, though)

    • R. M. Gonçalves Says:

      Filippo, concordo com o comentário em toda sua plenitude, e se não fossem os meus dedos agitados não faria mais nenhum adendo:

      O ósculo só é bom quando você “deseja” que o sexo aconteça.

      E isso implica no lance do tesão levantado pela Karina, seja esse tesão carregado de amor ou não.

  12. anarcoplayba Says:

    Q invertam-se as posições: ainda teremos penetrante e penetrado.

    N sei se concordo q alguns bjos n são paritários: Par n é necessariamente igual.

    lembrei de um detalhe, Fabio: prostitutas beijam sim.

    No fim, acho q a diferença eh a q a gente imprime: bjo
    sem sentimento tbm eh bom, assim como sexo sem sentimento.

    • Nina Says:

      Ok Anarco, fato.

      Mas existe um único sentimento necessário para que bju e sexo sejam bons: tesão! 🙂

  13. anarcoplayba Says:

    Eu toh tao chato hj q nem eu me aguento: Nina, vc estah esquecendo o sexo ritualistico da tantra yoga e de outras escolas miaticas. eh sexo e bjo sem tesao. e dizem q melhor q a gente consegue imaginar.

    • Nina Says:

      Bom… então está muito além da minha imaginação terrena ocidentalizada que adoora tesão. E não consegue imaginar sexo ou beijo bom sem isso.

    • Karina Says:

      huahuahuahuhaua vcs estão disponíveis pra um chat aqui?? lá vai uma questão…

    • Nicky Says:

      Preciso dizer que a minha mentezinha ocidental também não consegue imaginar isso.

      (Não mesmo!)

    • Karina Says:

      O tantra defende um tesão diferente, Anarco, retido, controlado. mas n é ausência dele. Acho.

      • Nina Says:

        Era o que eu pensava. Mas diante da minha ignorância, resolvi calar-me.

        O #chatdaalegria invade o blog do FH!

      • Nicky Says:

        Pelo que eu li, também achei isso, Ka.

        Não é que não tem tesão, mas é um tesão tântrico x)

        Em vez de olhar, desejar, arrancar logo a roupa e perder o ar, é tipo… “3 horas de preliminar antes de vc perder a última centelha de energia divina”. [/IronicButTrue]

      • Gueixa Says:

        É….Tesão contido não implica em ausencia dele…
        Ao contrario, creio que deve até pontencializar….

        O #chatdaalegria invade o blog do FH!² rsrsrsrs

        Ta chato Anarquista?

  14. anarcoplayba Says:

    N exatamente, Ka. O tantra serio eh mais q isso. Eh literalmente religioso. Mas vendem pra gente como tecnicas p meter. Fora q tbm existem outras escolas q usam as mesmas tecnicas p outros fins.

    • Karina Says:

      que é mais que isso, eu sei, embora saiba pouco tb. Mas agora é que fiquei mais curiosa ainda para saber qual o objetivo de um beijo e de uma relação sexual sem tesão para os religiosos. purificar o sexo? torná-lo apenas fonte de procriação? hum…

      quero colocar uma questão, e quero a opinião de vcs, ok?

      • Gueixa Says:

        Se é usado pelos religiosos, estes devem ter como finalidade controle sobre os seus seguidores…Acho eu…

      • Rafael Says:

        Todo sexo com amor é religioso. Religião vem de ‘religar’, religar você ao superior, ao Eu divino ou o que queira chamar. Nesse sentido, muitas outras coisas são religiosas. Um músico tocando de olhos fechados, completamente imerso, por exemplo. São sensações de ‘religar’ semelhantes.

      • Anarcoplayba Says:

        Ok, Rafael, concordo com você que inúmeras outras atividades permitem esse estado de extase divino: música, orações, atividades físicas, atividades intelectuais, etc… mas o sexo tem um vantagenzinha: vc usa os dois pólos (masculino e feminino) para criar uma diferença de potencial nos chakras e permitir a circulação “potencializada” de energia. É isso que o Tantra prega.

      • Rafael Says:

        Nice. Já experimentou? O êxtase sexual então não é o momento mais solitário de todos, afinal.

      • Anarcoplayba Says:

        Nunca experimentei lol. Irônico, né? Falando, falando, falando e o máximo que eu já consegui foi o dito “orgasmo seco” UMA vez na vida.

        Agora, bancando o Minsitério Público do Diabo (pq advogado do diabo eu cansei de ser) eu nunca procurei yoga por um motivo: Os De Rose da vida ensinam fitness, n yoga, e eu n acredito que seja fácil encontrar um mestre disso (o único no qual eu confiaria mora em Brasília).

        Tantra yoga, especificamente, eu nunca procurei por um segundo motivo tbm: eu acho que hoje eu não conseguiria separar as coisas da forma correta.

      • Rafael Says:

        Uma vez na vida? Eu consegui vários, vários. Todos antes dos 13, LOL

        De Rose é furada, mesmo. Agora, tantra, tenho uma amiga que há de me ensinar. Que o universo conspire a favor!

      • Anarcoplayba Says:

        Então… o único cara com quem eu aprenderia yoga é meu professor de Kali (luta com facas e bastões), que mora em Brasília. E o foda é que é o tipo de coisa que n rola fazer seminários.

    • Nicky Says:

      Sabe, acho que determinadas coisas só funcionam em determinados tipos de cultura.
      Não acho que o tantra se encaixe na nossa cultura ocidental (principalmente brasileira!).

      Tipo Yoga. Um professor já me disse uma vez que muita gente começa, acha chato e larga. Tipo, transcende ficar meia hora na posição da “águia parindo no alto da montanha. (numa perna só)”. É toda uma filosofia…
      “Sua vida muda muito, se vc não estiver preparado pra isso, tenta spinnig”, foram palavras de um professor que eu nunca esqueci.

      Findado o momento de sabedoria da manhã, acho que tesão é motivo suficiente pra beijar alguém.

      Fazer o quê? Nunca gostei muito de Yoga… 😉

      • Gueixa Says:

        Tesão é motivo pra quase tudo …Tudo com tesão é melhor!
        E como li em uma comunidade do Orkut, ” Não deu quimica? Vá de fisica!” rsrsrsrs

      • Nicky Says:

        Lóooooooogico.

        E falando em evolução (logo ali em baixo, no #ChatDaAlegria), acho tão engraçado quando vc conhece alguém, a química é fantástica e vcs aproveitam… Mas é só parar pra conversar que pensa “que ogro! que ridículo! que imbecil!”

        😀
        Coisas da vida… Escritores se esbaldam nesses casinhos, rs

  15. Karina Says:

    Vcs acham que as variações de sexo são algo natural, que se manifesta em nós assim como o instinto sexual destinado à procriação? ou seja… o sexo oral, anal, e por aí vai…
    Ou acreditam que alguém (ou alguéns) num belo dia resolveu(ram) experimentar, e as práticas foram proliferando??

    • Nina Says:

      Porque uma opção exclui a outra?

      Algo natural deve ser experimentado para que possa ir se proliferando…

      Acho muito, mas muito complicada a distinção entre natural X aprendido (acho que é por aí que permeia sua questão). Esse é um debate que avança séculos.

      • Nicky Says:

        Putz… assino em baixo, tia!

      • Karina Says:

        o que quis dizer é: são coisas que fatalmente em algum estágio da nossa existência seriam experimentadas? assim como é o sexo “padrão” desde o início dos tempos? pq essa coisa de instinto me intriga muito.

        É difícil raciocinar sobre isso pq já somos adaptados, já temos quinhentos dogmas na cabeça, mas imaginem o início dos tempos… ou a vida animal… o instinto da procriação… daí pergunto: o instinto do prazer vem desde sempre tb??

      • Karina Says:

        vejam se consegui ser mais clara agora, pq n é bem isso, n, Nina.

      • Gueixa Says:

        Eu acho que vem sim Karina …Desde sempre. Acho que é por isso que sobrevivemos…
        Pensa em uma vida sem prazer ? Dá?
        E sim, eu acho que fomos experimentando….Como fizemos e fazemos com todo o resto…
        Meninas, não parece , mas to no trabalho….

      • Nina Says:

        Acredito que sim Karina. Até pq o sistema cerebral que controla isso é primitivo e igualmente presente nos demais mamíferos.

        Vc ia gostar de ler sobre Bonobos. E ia gostar mais ainda do livro: “O que nos faz humanos”. Sugiro fortemente. (mas antes le o material que te mandei, eheheh)

        Sua fome por macarrão, é instintiva?

      • Karina Says:

        hum, taí, verei sobre o livro. E lerei seu material ainda hoje =)

        Minha fome por macarrão, especificamente, é desejo motivado por um gosto pelo prato.
        Minha fome em si é instintiva rs

      • Nina Says:

        Instinto……desejo………… o desejo é instintivo? OUtra discussão ad infinitum…

        Falando nisso, meu instinto de fome aumenta meu desejo de ir almoçar!

  16. Nina Says:

    Karina, ainda acho que sua discussão permeia o que é instintivo e o que não é. E se não é instintivo é pq vc “fabricado”.

    • Karina Says:

      É… minha opinião conjuga o que vc e a Gueixa disseram, no final das contas. A busca pelo prazer é instintiva, e nessa busca vamos experimentando alternativas possíveis. Tanto que o que é prazeroso para um n é para outro, e por aí vai…

  17. anarcoplayba Says:

    ai q ta o negocio: n eh perder, eh usar. Mas isso n chegou ateh a gente.

  18. anarcoplayba Says:

    Karina, purificar pressupoe q eh impuro, o q eles discorgdam. O tantra veradeiro (e td o yoga) eh uma comunhao com deus.

    • Nicky Says:

      O Deus que é a nossa imagem e semelhança e vai nos mandar pro inferno se a gente não se arrepender dos pecados
      ou o Deus que é uma energia universal sem forma definida que está até nas formiguinhas das flores em que os monges sentam pra meditar?

      Again, acho que misturar os conceitos e as culturas só fazem sentido até certo ponto. Ou vira o jeito NovelaDasOito de difundir as culturas orientais…

  19. anarcoplayba Says:

    N sei, nicky. Qual o seu Deus?

    Jah parou pra pensar q te ensinaram o conceito errado d deus? q talvez exiata sim deus, q formule leis pro universo, mas te ensinaram errado? jah parou pra pensar q pode ser q vc discorde dessas leis?

    • Nicky Says:

      Já parou pra pensar que não existe certo ou errado?

      E que “Deus” é uma coisa muito relativa?

      Respondendo à pergunta, sim, já parei pra pensar. E sim, eu discordo de várias das leis… Tanto é que não sigo nenhuma com a qual eu não concorde.

      Mas isso é outra história. O que eu quis dizer foi só a visão de mundo da maior parte das populações oriental e ocidental.
      (Sorry, às vezes esqueço que a gente não faz exatamente parte da “maior parte” da população.)

  20. Anarcoplayba Says:

    Já cheguei à conclusão de que certo e errado depende unicamente do paradigma adotado.

    Deus não é relativo, Deus é absoluto (porque se for relativo, não é Deus). E, nesse aspecto, Deus tem que ser um denominador comum, válido para todos.

    E discordar da Lei da Gravidade não te faz voar.

    E é nisso que eu falo que eu estou muito chato, Gueixa: Nicky, você com certeza discorda das leis que te foram ensinadas, mas não necessariamente elas são verdadeiras.

    Mas, tergiverso, isso é sobre Beijo e Sexo, não sobre os conceitos parciais de Deus e como talvez a Verdade exista (sem relativismos), só falta encontrá-la.

    • Karina Says:

      encontrá-la com base em que paradigmas, se todos estão sob suspeita? (voltando aqui àquilo que comentei no seu blog)

      Vamos supor, Anarco… se vc crê na filosofia tântrica, de qq forma está crendo em algo que tb n é necessariamente verdadeiro. Nada é verdadeiro, a menos que acreditemos nisso. Tudo é uma questão de fé, e a Verdade, por isso acho, sempre vai ser uma Verdade individual. Essa Verdade universal, tão confortável, não sei se somos capazes de alcançá-la senão pro meio de uma “revelação” à qual não sei qual doutrina seria(é) capaz de me conduzir, se é que alguma seria(é) realmente capaz.

      Falando nisso me lembro de um poema do Afonso Romano de Sant’anna que já me disse muito. E ainda diz.

      “A certeza, sei, é desumana,
      é carapaça, couraça, verniz, mentira, máscara
      e incapacidade
      – de viver o drama.
      Mas, às vezes, gostaria
      de ter a estúpida e feliz certeza
      do ditador no trono.
      A certeza, por certo, causa dano
      mas é aspiração confessa
      de quem, nietzschiano, se cansa
      de ser humano,
      – demasiadamente humano.”

      • Nicky Says:

        Ka, lindo!
        Lembrei de um poema que ME diz muito, meu (todo-poderoso-oh-deus-da-literatura) professor de literatura passou pra gente na faculdade…

        É da Sofia de Mello Brayner Andersen.

        Escuto

        Escuto mas não sei
        Se o que oiço é silêncio
        Ou deus

        Escuto sem saber se estou ouvindo
        O ressoar das planícies do vazio
        Ou a consciência atenta
        Que nos confins do universo
        Me decifra a fita

        Apenas sei que caminho como quem
        É olhado amado e conhecido
        E por isso em cada gesto ponho
        Solenidade e risco.

        E sabe aquela coisa de “é preciso ver para crer”?

        Um amigo meu tatuou “é preciso CRER para VER”.
        Pra mim, faz todo sentido.

        Não tô infeliz com a minha verdade individual… E quando ela às vezes me falha, aprendo um pouquinho aqui e um pouquinho ali com as verdades dos outros… E a minha muda.

        O que, alías, é tipicamente humano…. Não?
        “Prefiro ser uma metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”

        (E eis que temos um novo tema polêmico pro #ChatDaAlegria hoje à noite? Ouvi boatos, hein!?)

      • Karina Says:

        =)

        tudo tipicamente humano. É isso que às vezes cansa. Pensar é tipicamente humano, e cansa.

      • Nicky Says:

        “Pensar cansa. Pense nisso.”

        Acho que já tuitei essa frase, rs

  21. Anarcoplayba Says:

    Ka,

    Essa é a diferença entre acreditar e saber. Se você acredita porque te falam, é uma coisa. Se você experimenta e SENTE algo diferente e REAL, é outra. É um caminho de conhecimento, tentativa e erro. Não é uma questão de argumentos, é um fato que n tem explicação lógico-racional.

    • Nina Says:

      Fato.

      (Darwin, me chicoteia)

      • Rafael Says:

        lol!

      • Anarcoplayba Says:

        Nicky, o ponto é que crer para ver, muitas vezes, faz com que você crie a verdade que você quer ver. Segundo algumas escolas o truque é estar receptivo. Completamente aberto, sem conceitos e preconceitos.

        Ou seja, olha a ironia: a crença atrapalha pois faz com que você sobreponha seus desejos à realidade (eu escrevi sobre isso no texto “sobre percepção e ego”). E a falta de crença tbm atrapalha, pois você amputa as possibilidades.

        Ou seja, a resposta não está nem no ver pra crer e nem no crer pra ver.

      • Nina Says:

        que é isso Rafael? Quer ser chicoteado tb? Rsrssr

      • Rafael Says:

        Well, depois do seu comentário sobre troca de papeis… passo!

      • Nina Says:

        Ahahahaha…. gentem…….estudem psicologia e atendam em consultório. Vc ouve cada história! =D

    • Karina Says:

      Pois é… Pois é. E então, que fazemos? Buscamos essa verdade (a preço de quê e por quê?) ou nos conformamos/confortamos com as verdades individuais? Eu vivo num misto entre minha verdade individual, minha consciente ignorância e uma inevitável busca que corre paralela a isso tudo.
      Humana, demasiadamente humana.

      (Darwin, vá pra longe desse corpo que n te pertence!)

      • Nina Says:

        Essa é uma resposta que ninguém pode lhe dar, Ka. Vc precisa achá-la. E senti-la.

        “A inevitável busca que corre paralela a isso tudo”, e que vc me parece consciente dela, talvez seja a chave.

        Vc nao sabe que algo é verdadeiro. Vc sente. Com todas as suas células. E tudo fica claro.

        Desculpa darwin, eu te adoro, mas deixei de ser cética e atéia a algum tempo.

      • Anarcoplayba Says:

        Eisntein provou que Newton estava errado… mas dentro de uma fração do espectro da Física, Newton ainda é útil. Por sinal, sabia que newton era ocultista?

        E pense mais no segundo exemplo de Darwin: chegou a uma conclusão que desafiava os próprios dogmas religiosos e resolveu mudar suas convicções e “burn every bridge and every inch of everything he used to knos…”

      • Karina Says:

        ué, e que tem a ver Newton ter sido ocultista? Ocultimo n exclui a ciência, ele só busca enxergar além do que ela vê. “o essencial é invisível aos olhos” rsrs Vai ver Saint-Exupéry era ocultista tb.

      • Karina Says:

        Estou sempre aberta a isso, Nina. Espero.

    • Nicky Says:

      baaah, gente… Deixa o Charles… Tão boa gente 😉

  22. William Says:

    No beijo cabem mil possibilidades, criam-se expectativas, dilue-se as certezas, no beijo cabe a experiencia das reticencias… o sexo ainda que mais exposto não consegue ser tão intimo.

    ps: sou de Ribeirão, sempre leio suas coisas mas nunca deixei comentário aqui, muito legal
    orgulhoso. rs

    • Nina Says:

      Bem vindo William!!

      Ribeirão é pertinho, venha para nosso encontro!

    • Petite Poupée Says:

      “no beijo cabe a experiencia das reticencias…”

      Grande estreia William!

      • Nina Says:

        Petite, essa frase de fato caracterizou muito bem o beijo descrito pelo FH…

        Mas como eu estou implicante hoje, diria que não concordo com a afirmação de que o sexo não seria tão íntimo.

        Um sexo com total entrega, amores e sabores pode ser tão íntimo quanto o beijo reticente que o provocou.

    • Gueixa Says:

      Bem vindo Willian…vc ja viu que aqui todo mundo recebe todo mundo né?
      E eu tb concordo com vc viu moço.
      O sexo nem tem toda aintimidade do beijo..
      Agora , eu pergunto : e nessa baladas em que todo mundo beija todo mundo…Há alguma intimidade?
      Dizem que as meninas estão indo já sem calcinhas para as baladas.
      Estariam disepnsando os beijos?

    • Nina Says:

      Ooohh… da mesma forma que nem todo beijo é reticente… nem todo sexo é superficial…

      Acredito sim que é possível tanta intimidade/cumplicidade no sexo como no beijo reticiente que o iniciara.

      Nessas baladeenhas perde-se as reticências… a arte do flerte fica banal, as vezes desnecessária.

      Pior que discovery channel (quando apresenta as danças de acasalamento, etc)

      • Petite Poupée Says:

        Nina e Gueixa, se a gente pensar o beijo como comunicação ele pode assumir vários significados…um beijo pode tanto significar “eu te amo” como também “gostei de você e quero ser seu amigo”. Penso q bom beijador é aquele que conhece bem esses nuances e usa diferentes beijos nas mais variadas situações…
        Sei lá, acho q essa geração q faz do beijo uma brincadeira quer na balada, quer na micareta, quer no carnaval, talvez tenha desacralizado o beijo romântico…é apenas uma forma de olhar e curtir o momento sem muita encucação…

      • Petite Poupée Says:

        Quem já ganhou ou já deu um beijo à vácuo aí?

  23. Robson Says:

    Fica cada vez mais difícil crer em Deus num mundo onde coexistem homens capazes de fazer isso:

    http://filhotedepombo.blogspot.com/2009/11/brutalidade-e-covardia.html

    Nietzche estava certo!

    • Karina Says:

      ai, Robson, nem vou entrar =///

    • Nina Says:

      Esse deus que vc nega é o deus cristão, que nos ensinaram. Esse é o deus mais fácil de ser derrubado.

      Aliás, ele é psicótico, narcisista e anti-social. \o/

      • Robson Says:

        Apoiada, Nina!
        Me lembrei de um trecho de uma música, Renato Russo:

        “(…) quem me dera ao menos uma vez, entender como UM SÓ DEUS ao mesmo tempo É TRÊS, e esse mesmo deus foi morto por vocês…” (sic)

  24. Gueixa Says:

    Ta bom ta bom ta bom…
    Nem quero entrar nessa discussão sobre religião e Deus…
    Mas quero declarar que sexo é sexo e amor é amor…
    E que eu acho que é possivel sexo sem amor…Não sem sentimento viu Anarco? Com tesão puro…e é muito bom e gratificante…
    Aliás…na hora do tesão mesmo, nem nos lembramos do “amor”….Ou estarei enganada?

  25. Petite Poupée Says:

    Apoiada Gueixa!

  26. Petite Poupée Says:

    Meninas, vamos selar essas dicussões com muitos beijos no Anarco , no Robson, no Fillipo, no Rafael e no Fábio? Aliás…cadê ele? bateu saudade…

  27. Gueixa Says:

    Fábio kd vc?????

  28. Nina Says:

    Pois é Ka, como eu disse anteriormente…………..quero ver toda essa discussão aí no O’Malleys! rsrsrs

  29. Nicky Says:

    Fabio, cadê você?

    (Os meninos que forem ao O’Malley’s ganharão os beijos ao vivo… Pensem! uma ruiva, uma morena (morena, né, Ka?) e uma Gueixa! Pra gente identificar vocês, é só usar uma bermuda de surfista bem cheguei, aí não tem erro ;D combinado?)

  30. Jorge Gustavo Says:

    Caraca!!! Fico um dia sem acessar e já há 114 comentários…assim, não dá!!!

    Em que pé está a discussão?

    Beijos!

    • Karina Says:

      kkkkkkkkkkkkk faltou acrescentar o Willian(novato) e vc, Jorge, na lista dos agraciados pelas beijoqueiras do O’Malley’s – nas quais n me incluo, visto que minha missão SP-20 foi abortada.

      Então, ó… a discussão está no pé dos beijos. Ou dos beijos nos pés. Ou… sei lá.

      • Nina Says:

        😦

        Imperdoável Ka.

        😦

      • Nicky Says:

        Cuidado com assessores de imprensa…
        Ouvi dizer que são (principalmente as escorpianas) terrivelmente sentimentais e vingativos.

        hunf

      • Karina Says:

        mimimi

        estou apostando no O’Malley’s II – a volta dos que não foram.

    • Gueixa Says:

      Vc ainda pode ir ao O’Malleys….

  31. Nicky Says:

    Beijos nos pés, só se for nos pés das meninas! Eerrrr!

    (Ka, a bermuda é o teste pra saber se os meninos querem os beijos mesmo. Bermuda é uó! rs)

  32. Nicky Says:

    Aproveitem o momento “falando de Darwin” pra entrar no meu blog 😉
    http://wp.me/pIUOZ-57 “Charles e a Educação”

    hihihi ~

  33. Gueixa Says:

    Gente kd o Fabio?

  34. Nicky Says:

    159 (CENTO E CINQUENTA E NOVE) comentários e nada de Fabio Hernandez…

    tsc tsc tsc.

    Now THAT’S how you neglect us.
    hunf
    *bico

  35. Uila Gabriela Says:

    O beijo é entrega não é? Vale á pena chamá-lo por esse determinado nome qdo se tem vontade, tesão, desejo. Quando a prática consegue fazer com que visitemos as nuvens…
    E isso implica pegada e química 😉

  36. uberVU - social comments Says:

    Social comments and analytics for this post…

    This post was mentioned on Twitter by ohomemsincero: O beijo versus o sexo http://bit.ly/cYsQx4

  37. Cleca Says:

    O beijo é a revelação verdadeira dos sentimentos, das intenções e posturas. As diversas formas de manifestação é da sentimentalidade e autenticidade dos desejos e pensamentos. Sendo assim é transparente naquilo que se propõe.
    Já o sexo é o instinto, o mecanismo do corpo revelando o desejo do prazer carnal. É a prática, o ato em si se concretizando nas diversas formas e vontades do querer.
    Agora, sexo com beijos ardentes tornam plenos os encontros amorosos e incomparáveis!!!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: