Mulheres atraentes detestam mulheres atraentes


MEXO EM meus livros e encontro Casa de Encontros, do bom escritor inglês Martin Amis. Meio reacionário, mas um cara inteligente e provocador que vale a pena conhecer. É passado na Rússia sob a ditadura bolchevista, que sob Lênin prometeu o céu aos russos e com Stálin e sucessores entregou o inferno. A trama é um triângulo amoroso: o narrador e seu irmão disputam uma mulher sexualmente ousada, à frente de seu tempo. Um trecho me chama a atenção. O narrador diz para sua filha, uma mulher bonita: “Estou prestes a descrever uma jovem extraordinariamente atraente, e a experiência me diz que você não vai gostar, porque é isso o que você também é. E na minha experiência uma mulher atraente não quer nem ouvir falar de outra mulher atraente”.

Amis está certíssimo, como diria o superlativo agregado José Dias. No mundo ideal da mulher atraente, todas as outras seriam parecidas com a Susan Boyle.  A mulher atraente prefere ouvir um programa de rádio de uma hora sobre  futebol comandado pelo Juca Kfouri a suportar uma referência de segundos a uma rival na beleza.  Vibra mais com a desgraça de uma competidora do que com seus próprios triunfos. Examina com a severidade de um aiatolá a outra e enxerga nela instantaneamente todos os defeitos reais ou imaginários, do penteado ao esmalte, passando pelo sotaque e pelo prato que pede ou deixa absurdamente de pedir num restaurante. Condena com ênfase a igual mesmo sabendo-a inocente.

A mulher atraente é, com suas semelhantes, cruel como um cossaco russo e dura como um cigano búlgaro. Mais que frontal, ou rivotril, ou lexotan, ou mesmo a companhia promissora de um homem interessante, o que acalma a mulher a mulher atraente é a visão idílica, majestosa, incomparável de uma mulher-bomba, uma terrorista da estética e dos cuidados mais elementares com o corpo e os trajes. O ódio vai aumentando à medida que o tempo vai passando e a mulher atraente vai deixando de ser atraente, como vimos na entrevista que uma veterana jornalista inglesa fez com Belle de Jour, a abnegada e bem torneada cientista que teve que cobrar 300 libras por hora no sexo para poder pagar o doutorado com que tanto sonhara. Mas disso já falamos e discutimos em outro post.

É para protegê-la das demais mulheres atraentes em sua fúria assassina que a natureza fez que surgíssemos nós, os homens solidários e prestativos, cavalheirescos e gentis. Há uma sabedoria na natureza que me comove e me emociona em alguns de seus capítulos inspiradores. Ter-nos trazido ao mundo para defender a mulher atraente, vítima da psiquê fascinantemente agressiva das pessoas de seu próprio gênero, é um deles. Me faz pensar que há algum sentido na vida, ou pelo menos pode haver.

59 Respostas to “Mulheres atraentes detestam mulheres atraentes”

  1. Nevermind Says:

    Escrevo por impulso e já vou logo dizendo que, por alguma conexão desviada, sua conclusão me remeteu ao velho ditado ídiche de que “o pai existe para proteger os filhos contra suas mães” – o que me parece especialmente verdadeiro no que diz respeito às filhas, objetos da maior rivalidade que pode haver entre duas fêmeas. Quem sabe esses atavismos, possivelmente execráveis para feministas e histéricas, sejam mesmo um referencial básico da nossa “civilidade”….

    Aliás, elas não costumam dizer que se vestem não para os seus homens, mas para outras mulheres?

    • Fabio Hernandez Says:

      boa, never. minha conclusão depois me remeteu, por estranhos circuitos, ao final de beleza americana. imagens do que poderia ter sido e não foi, um texto de comover açougueiro de subúrbio e então because, só vozes, sem instrumentos. lista curta dos melhores finais do cinema.

  2. Nicky-san Says:

    Uma mulher que jogas todas as fichas no “eu sou atraente!” é uma burra.

    Devo admitir que sim, eu prefiro 2 horas de conversa sobre as escalação do Palmeiras ( e sou corintiana roxa) a suportar uma referência de segundos a uma rival na beleza.

    Go on e digam “Você é novinha…”, “Normal pra sua idade…”, ou ainda “Hahaha… Você tem tanto a aprender…”, mas não é o espelho que insiste em usar vocativos do tipo “delícia” em vez de “linda”, ou “pequena”.

    Quando um cara “…solidário e prestativo, cavalheiresco e gentil” aparece, é difícil dar seu devido valor. Sortudos os que insistem, pois descobrem uma alma delicada e sensível por detrás de uma femme fatale (no double intendre, pliz!)

    Ou não, sei lá 😛
    O destino é cheio de pregar peças…

  3. Anarcoplayba Says:

    Não só mulheres. Alguns homens também odeiam concorrência.

    Tempos atrás, fomos todos jantar na casa de uma amiga, que apresentou o novo namorado, um lutador de muay thay. Segundo ela me confessou depois, ele “não foi com a minha cara”.

    A resposta dela para ele foi: “Você sabe que você não foi com a cara dele porque ele é o único naquele jantar que é maior que vc, né?”

    Cai o pano.

    • Fabio Hernandez Says:

      ok, maior, anarco, mas forte o bastante para aguentar o lutador sanguinário com suas voadoras?

      • Anarcoplayba Says:

        Sinceramente? Provavelmente mais forte que o lutador sanguinário com suas voadoras. Ele lutava muay thay. Eu sou instrutor de duas artes marciais e praticante de mais umas quatro.

      • Fabio Hernandez Says:

        que artes marciais vc ensina, anarco? e quais vc pratica?
        como se controla pra não aplicar tantos golpes em homens que teoricamente mereceriam?

      • Anarcoplayba Says:

        Sou instrutor de Sotai (defesa pessoal que envolve combate com facas, bastões e desarmado) e hapkido (arte marcial coreana que envolve socos, chutes, torções arremessos e luta de solo).

        Esse ano eu estou bem parado (viajando muito a trabalho), além de ter rompido com minha federação de hapkido (incompatibilidade de gênios com meu ex-professor).

        Praticar eu pratiquei karatê, taekwondo, jiujitsu, arnis (arte marcial tribal filipina), kumdô (esgrima coreana) e judô.

        Como me controlo? Fácil: em primeiro lugar, é difícil sair briga pq eu acabo intimidando um pouco (1,95 m e 98kg). E sim, eu so uma pessoa muito feliz por ser grande: me evitou muito problema.

        Em segundo lugar, por sorte eu acabo conseguindo separar bem as coisas: tem cara que n quer brigar, quer impressionar a namorada, quer pagar pau, quer chamar a atenção, etc, etc… Isso não é motivo pra brigar.

        Terceiro: Eu não treino pra isso. Não é esse o meu objetivo. Eu não treino pra bater em alguém que nunca treinou e não sabe se defender. Isso é ridículo.

        (pausa cômica de efeito dramático)

        Eu treino pra encher de porrada nego que é BOM! Eu treino pra entrar numa garagem com um bando de cara muito mais forte que eu pra lutar. Eu não quero bater, eu quero ter uma boa luta.

      • Nevermind Says:

        Anarco, meu amigo.

        Bem que a gente poderia lutar um dia desses. Não sou tão versado em artes marciais, mas pelo menos estamos num patamar físico semelhante (sou 10 cm mais baixo e tenho 5 kg de massa a mais, gordura a 18%). Depois a gente sairia para tomar uns spirits e caçar.

        Estão vendo, garotas: competição entre homens definitivamente é coisa bem diversa…

      • Anarcoplayba Says:

        Feito!

        Por sinal, uma vez eu tinha visto uma dica de regime para homens: Encontre um amigo e desafie-o para perder peso.

        A vantagem da competição entre amigos, entre pessoas que estão preocupadas com o desafio, não com o prêmio, é que é uma situação ganha-ganha: os dois saem melhores que entraram.

      • Nevermind Says:

        Execelente então!

        Acabo de ver seus pios e descobri que você considera tudo acima de Guarulhos uma grande Bahia. Isso bateu no meu orgulho de nordestino, de modo que eu tenho quase certeza de que vou levar porrada, mas pelo menos um olho roxo eu vou te deixar de recordação, pelo desaforo. Nada, porém, interfere nos spirits e a caça.

        Estão vendo, meninas: isso, sim, é civilização! O resto é toillete.

      • Anarcoplayba Says:

        N se ofenda, caro Nevermind: foi meu orgulho Paulista falando… mesmo orgulho que deu origem a isso:

        http://anarcoblog.wordpress.com/2009/09/08/a-little-less-blog-posting-a-little-more-ranting-please/

        E a isso:

        http://anarcoblog.wordpress.com/2009/11/10/eu-te-amo/

        Posso até reconhecer as belezas de outras paragens… mas São Paulo é minha namoradinha.

      • Nevermind Says:

        Que ofender o quê, rapaz! A gente troca uns murros e fica tudo resolvido… Mas eu entendo seu orgulho, entendo mesmo – até eu me orgulho de São Paulo.

      • Karina Says:

        huahuahuahuahuahuahau (gargalhada de chat pra honrar)

        Isso é que é civilização MESMO, Nevermind!! Vejam a diferença: os homens se amam e se batem; as mulheres se odeiam e se beijam.
        Vai entender!

        Anarcótico, tb te vi!!! LOL mas sou uma dinossaura e n tenho twitter; logo, cacei outros meios. Curiosidade vã. Dos frequentadores assíduos aqui, bem… só n “conheço” a Petit, o Nevermind (novato, mas já assíduo), a Re e… deve ter mais alguém, n sei.

      • Petit Poupée Says:

        Curiosidade va???? ahuahuahuahua( tc sem til rss) Frenquenta muitos chats Karina? quais? Só pra saber…
        Tens um belo sorriso!

      • Karina Says:

        Petit, de bate-papo só uso msn, e olhe lá. N frequento chats, não.
        Agora, please, uma pulga pousou aqui na orelha: sorriso? desculpe, n sei se a frase se referia a mim, supus… então, que sorriso?!

        (droga. a msg foi parar lá em cima, vou mandar de novo tentando que ela fique quieta aqui embaixo)

      • Petit Poupée Says:

        isso aqui tá o paraíso… uhaahuaua

      • Uila Gabriela Says:

        Ui…quase me assustei com vc agora, querido Anarco =)

      • Karina Says:

        kkkkkkkkkkkkkkkk

        não deu agora, Fabio Hernandez.

    • Nicky-san Says:

      Well, foram palavras DELA, não dele…
      E se fosse você, Anarco?

      Teria encanado com o amigo da Sra. Anarco só porque ele era maior que você?

      • Anarcoplayba Says:

        Claro que não.

        Agora, se ele fosse maior, mas bonito, mais inteligente e mais interessante que eu, eu me morderia de ciúmes.

        Mas ela não perceberia nada: afinal, eu sou bom em várias coisas ruins. Uma delas é mentir.

  4. Mariana Says:

    A mulher, na essência, detesta o mesmo sexo. Não importa quão boa a outra seja, ela sempre arranjará um jeito de achar um defeito, um deslize, um desconcerto. Nós, ao contrário das fêmeas na natureza, precisamos ser as melhores, as mais vistosas e belas. Aos homens, cabe concordar para não entrar em uma discussão infantil ou acatar a opinião e considerar como verdadeira, pois alguns exemplares de homens acreditam que somente nós entendemos nós mesmas.

  5. Karina Says:

    A Men`s Health uma vez apontou 6 características femininas que os homens devem considerar na análise da mulher. No quesito confiança…

    O teste: tire-a do foco. Leve-a para a festa de um amigo seu e observe como ela se enturma. A garota procura por atenção masculina? Pode ser necessário para sua auto-estima. Escapa das mulheres? Mau sinal. Conversar com outras mulheres mostraria segurança. “Veja como ela sorri, se é simpática sem querer cativar todo homem que aparece, se é naturalmente delicada e gentil. Uma mulher segura não precisa provar seu poder de sedução a todo minuto”, avalia Mirian Goldenberg.

    Faz ou n faz sentido? Pois é.

    Essa competitividade é um ó! Acontece com homens tb, mas na mulher é muito mais exacerbado. Ou pelo menos as mulheres n se preocupam em ser discretas e demonstram mais, pode ser isso.

    • Anarcoplayba Says:

      Para os homens, cara nêmesis, competição é contraproducente.

      1) Demonstra insegurança.
      2) Tira o foco da mulher.

      Um homem não tem que vencer os outros homens, tem que vencer a mulher.

      • Karina Says:

        Estimado Nêmesis grandalhão, e daí? Se quiser trocar 6 por meia dúzia, é só substituir “homens” por “mulheres” na sua frase. Esses 2 pontos n valem para a mulher tb? São verdadeiros, mas n explicam. A questao é: pq para os homens vencer outros homens fica em segundo plano, ao passo que para as mulheres estar acima das demais parece se destacar em relevo com letras neón?!

        Quando a competitividade se manifesta a ponto de ser perceptível no homem é pq ele é pra lá de vaidoso. Essa vaidade masculina, aliás, me dá nos nervos. Mas n acho que, intimamente, nos homens n haja tb, com certa frequência, esse despeito diante de outro cara mais… hum… destacado.
        Agora… Se aparecerem mais uns 10 aqui confirmando sua defesa, ok, eu me rendo sem mais delongas.

  6. Anarcoplayba Says:

    Cara Nêmesis, eu acredito que haja uma diferença estrutural: ACHO que homens se importam menos com essa competição que mulheres.

    Me responda a essa situação hipotética: se você estivesse numa festa com o Sr. Nêmesis e ele se sentisse incomodado com um cara mais destacado e começasse a “confrontá-lo” para vencê-lo, quais as chances de você achar os dois infantis? Grandes, não?

    Do meu lado, se minha Sra. Anarco fizesse algo do gênero, eu ia achar bonitinho.

    Homens são deveras vaidosos, admito. Deve ser algum sistema evolutivo vestigial. Tipo um apêndice, que é útil, mas de vez em quando, causa mais estrago que bem.

    E sim, esse despeito existe. No entanto, os homens costumam (n posso falar das mulheres nesse aspecto) trabalhar um sistema de competição diverso das mulheres: uma mulher atraente vai colocar defeitos em outra mulher atraente. No caso do homem, ele tende a atacar onde o outro é fraco: ele é bonito? Eu sou inteligente. Ele é inteligente? Eu sou rico. Ele é rico? Eu sou carinhoso. Ele é carinhoso? Eu sou bom de cama. Ele é bom de cama? Eu sou confiável. Etc, etc, etc…

    O problema é quando você tem só uma qualidade e aparece alguém que te vence no seu jogo. Isso quebra as pernas de qualquer homem.

  7. Karina Says:

    Ahhhhhhh, sim…. Então vc concorda que nos homens tb acontece. Concorda que existe a vaidade, mas com menos intensidade, de modo que n costuma se manifestar por meio de disputas acirradas e ostensivas como no caso feminino (generalizando sempre, pq acredito MESMO que haja boas exceções. Sempre acredito nas exceções). Enfim, concorda.
    Diluiu-se o conflito agora. Consenso.

    Respondendo à situação hipotética: óbvio que vou achar ridículo. Mas já tinha dado a dica qd disse que me dá nos nervos a vaidade masculina.

    Isso me fez lembrar uma cena de “500 Dias com Ela”. Alguém aqui viu? Vc viu, Anarco? Assistam, é muito bacaninha.
    Pois bem, vamos à cena: o rapaz é louco pela mocinha. Ela, do tipo independente durona; ele, do tipo bobo apaixonado. Estão em um bar, ele ao lado dela, e vem um sujeito babaca lançando uma cantada esdrúxula qq pra cima dela, que, direta porém educada, dispensa a cantada e o cara. O apaixonado está na dele, quietinho. Daí o sujeito inconveniente, no alto de sua arrogância, começa a provocar a menina e o “namoradinho”, fazendo pouco caso dele. Provocação vai, provocação vem, a plateia já está pensando: esse apaixonado é um trouxa mesmo. Até que… a catarse: ele lança um golpe à la Anarcomarcial na cara do indivíduo. Que revida, claro, mas o importante é que a honra foi preservada. Certo? Errado! A mocinha fica p… pq o apaixonado fez aquele papelão.
    Pois é. É mais ou menos por aí. Mas confesso que sua situação hipotética é bem mais fácil de responder do que se eu me colocar na situação da mocinha do filme.

    • Anarcoplayba Says:

      Já vi sim, Karina… e achei bem meia-boca.

      Mas é aquela história: eu vou ao cinema ver comédias românticas com vocês… mas não levo vocês para ver os meus filmes toscos. 😉

      Quanto à essa cena em específico, nêmesis minha, gostaria de discordar de você:

      1) Não foi um soco Anarcomarcial porque eu nunca dou o primeiro golpe. Muito menos de surpresa: sou orgulhoso demais pra passar por covarde.

      2) Eu acho que o cara agiu certo pelos motivos errados.

      O babaca deu em cima da namorada dele. Ok, acontece. É normal. Ele tentou a sorte, e deu azar. Quantas vezes isso não acontece por aí? Comigo aconteceu várias, eu deixei a menina falando com o cara até ela me pedir pra intervir. Por que isso? Simples:

      a) Não demonstrar insegurança.
      b) Saber como ELA se comporta. Se ela desse trela, eu viraria minhas costas calmamente e iria embora. Afinal, que tipo de namorada dá mole pra um cara na frente do namorado?

      E mesmo assim, quando ela dava aquele olhar de “me ajuda”, eu ia lá e conversava com o cara de boa, explicava que ela estava comigo e tal.

      Sempre foi tranquilo.

      Agora, o problema naquela cena foi o babaca desrespeitar o mocinho. Foi ele falar “mas você está com ELE” e rir. Ah, minha nêmesis… isso não rola MESMO.

      Foi lá, tentou a sorte, não sabia, mas a menina estava acompanhada? NORMAL. Acontece. É o famoso acidente. Desafiou o cara que tá com a mina? Aí deixou de ser uma coisa “homem quer mulher” e virou “homem desafia homem”.

      E, nesses casos, ela pode ficar emputecida à vontade: Não tem a ver com ela, é entre o cara e eu.

      • Karina Says:

        putz, rindo sozinha aqui. Rindo pq eu ia, sei lá, fazer mais algumas considerações, mas tá legal, desisti depois da risada solo. N estou rindo de vc, claro, é da temática da discussão.

        E só falou que é meia-boca pra ser do contra e fazer valer a nemesice, pq o filme é bom, sim!!! Pode n gostar do estilo (que pra mim tb n chega a ser comédia romântica), mas, para o que se propõe, é muito legal. E tenho dito.

        ps: Fabio Hernandez n se importa com o blog-fórum, mas receio que daqui a pouco vire chat. LOL

      • Fabio Hernandez Says:

        tô lendo agora as discussões e me instruindo, Karina.
        não imaginei que aquele post ia gerar um debate tão rico. foi dar até num filme, que pensei em ver e perdi, mas vou tentar ver.
        comédia romântica, que não significa filme vazio, para mim tem dois incomparáveis, annie hall e harry&sally.

      • Fabio Hernandez Says:

        bom ponto, anarco. vc me convenceu a ver o filme ao descrever a cena da briga.

    • Rafael Says:

      Eu vi, Ka, e achei bem bacaninha também.

      Mas, hipoteticamente, se o cara estivesse confiante quanto aos sentimentos da moça e à relação, não teria dado soco nenhum, né?

      • Karina Says:

        Rafael, meu grande apoiadorl! =p

        Sim, sim. Mas essa é a objeção óbvia. A questão começa a merecer outro olhar justamente qd o sujeito desvia o foco dela e passa a atacar o rapazinho.
        Mas, olhe, qd assisti eu juro que fiquei na dúvida quanto ao que ela esperava mesmo que ele fizesse. Pq aquela segurança e indiferença toda dela poderiam ser jogo de cena. Deu no que deu rs

      • Fabio Hernandez Says:

        bem bacaninha tb é uma contradição, não um elogio.

      • Rafael Says:

        heh, é vero, mas usamos aqui como elogio, FH.

        Eu achei ótimo, na verdade, por me enxergar na fita. Mas em condições normais de pressão e temperatura é um filme bacana, apenas.

      • Karina Says:

        poxa, Rafael, babaca?!!! agora jogo a toalha rsrs

        do meu lado, Fabio Hernandez, disse bacaninha pq é o único elogio que me inspira, pelo próprio espírito do filme. É leve, divertido, nenhuma obra-prima, nada além de uma forma diferente de falar de amor. Por isso digo que n considerei uma comédia romântica, o formato é outro. A melhor definição que li é que se trata de um… pop romântico rsrs entenda como quiser, mas caiu como uma luva. Assista e depois nos diga.

      • Fabio Hernandez Says:

        bacana, ele falou, não babaca …

      • Karina Says:

        (ai, de novo a msg saiu no lugar errado!!)
        repetindo…

        kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk é verdade!!!!!! gente, estou seriamente disléxica!!!
        sorry, Rafael.

  8. Alice Barros Says:

    Concordo geral com o texto e a discussão. Competição entre mulheres, ou entre homens acontece sempre! Não tem como negar. Acho que as mulheres ficam na comparação física, naquela de provar quem é mais sedutora e interessante, enquanto os homens, como bem disse o Anarco, vai em somar qualidades… Ou diminuir defeitos!
    Enfim, o que mais gosto na competição entre homens é que eles se tornam (temporariamente e diante do opositor) o cara-mais-que-perfeito!
    E as mulheres, fazem o máximo para detonar a outra e ainda posam de vítima. Nós mulheres somos complicadas, eu sei. Mas, se não fosse assim, não teria a menor graça!
    =D

  9. t.s Says:

    Concordo plenamente. É é muito pior quando a outra mulher atraente é desencanada. Aí ferrou, haja crítica. Se você é naturalmente bonita, sem esforço e não gosta de falar de lipoaspiração, sai de baixo.
    Aí até os homens enchem o saco. Porque se nascer bonita e não andar vestida, penteada, maquiada e torneada como uma deusa é um crime contra a humanidade.

    Penso diferente, acho as mulheres lindas, das mais naturais que têm algum detalhe interessante até as poposudas desvairadas. Apesar do excesso me incomodar um pouco. E sou mulher…vejo os namorados enjoarem das minhas amigas ou até conhecidas e digo, mas como? ela é linda…

    No fundo, acho que as pessoas estão ficando muito exigentes..todas…com um plus de crueldade para as mulheres atraentes, sim.

    • Anarcoplayba Says:

      A verdade, t.s, é que beleza é um tremendo cartão de visitas. Mas depois que você já está lá, precisa de algo a mais.

      Ou usando uma frase do weirdquotes.com: “Beauty will take you to the bedroom. Brains will take you to the boardroom.”

      P.s.: eu não escreveria um comment só pra isso, mas, Karina, minha nêmesis, eu “nunca” acharia que vc está rindo de mim… Afinal, não é como se nós estivéssemos defendendo posturas diametralmente opostas… 😉

    • Fabio Hernandez Says:

      puxa, ts, a sua amiga que levou bota pode ser linda, mas por que sua perplexidade com a bota? ela pode ser ruim na cama, e aí toda a beleza para que serve? ou pode ser vazia, inculta, and then again …

  10. Petit Poupée Says:

    …me lembrei de uma piada! ” se vc fora chata, suas amigas perdoam. Se vc for egoísta, suas amigas perdoam. Se vc for brava, suas amigas, perdoam. Agora, se vc for linda e magra, entao vc está ferrada!” rss

    O livro As Meninas de Lygia F Telles aborda essa temática da amizade feminina… tao complexa muitas vzs, mas creio possível. Ocorre q somos capazes de nos amarmos criticando (de forma até mordaz). Pode parecer estranho isso ao homem, acostumado ao momento e aos benefícios q o relacionamento pode causar. Mulher adora contrastes!
    Acho q a gd desvantagem é a merda da competiçao. Primeiro foi a bonequinha mais fofa, depois o vestido mais fashion, e depois o homem mais gostoso ou melhor na cama

  11. Petit Poupée Says:

    … acho q nós temos um jeito todo especial de compreender as outras, o fato é q as diferenças vao sempre nos completar. A maldita competiçao atrapalha um pouco mas nao descarta… até porque uma mulher sabe muito bem q armas usar e quais as adversárias estao usando rss

    Agora, sou capaz de aguentar numa boa uma outra se achando do meu lado. Difííííicil é aguentar Juca Kfouri por uma hora.. ah isso nao né Fábio!

  12. Petit Poupée Says:

    Para Anarco

    Vc bem podia colocar uma fotinha e matar nossa curiosidade né, s a c a n a g e m a gente nao ter o ar de sua graça…

    • Anarcoplayba Says:

      hahahah… tá virando chat mesmo… já estamos perguntando de fotos.. 🙂

      Não tenho o menor problema em mandar fotos, srta. Mas não aqui.

    • Petit Poupée Says:

      Epa,” estamos” cara pálida? Todas pensaram, só eu perguntei huahauhau Já t vi rss no Twitter huahuah Gatíssimo!

  13. Petit Poupée Says:

    Harry & Sally daria pano pra manga…

  14. Rafael Says:

    Isso, Ka, é Clube da Luta.

    Outro filme que quem não viu precisa ver, aliás.

  15. Margareth Says:

    Fabio, aí vai uma comédia romântica para você ver (se é que ainda não viu) e dar seu parecer: Ele Não Está Tâo A Fim de Você.

    • Fabio Hernandez Says:

      Obrigado, Maggie! Não vi e vou ver se acho.

    • Nicky-san Says:

      Não vi a edição brasileira, mas o livro é fantástico!
      A gente lê, ri alto enquanto pensa “PQP, isso já aconteceu comigo!!!!!”

      Fabinho, homem das letras, acho que iria gostar.

      “He’s just not that into you”

    • Nicky-san Says:

      Hey, master!
      Estava quase indo dormir, rs.

      “Ele não está tão a fim de você” virou filme, mas foi baseado num best seller… http://www.amazon.com/Hes-Just-That-Into-Understanding/dp/068987474X

      Como disse, não sei como traduziram, mas sei que o estilo dos autores é divertido, gostoso de ler e diz as verdades fundamentais que as mulheres deveriam nascer sabendo!
      Algo à la “Manual da bota”, mas em várias situações.

      Recomendo altamente, sr. homem sincero =)

      Agora sim,
      boa noite ~

      • Fabio Hernandez Says:

        ah, san, agora sim entendi. vou ver se encontro, merci. beijo

  16. Karina Says:

    Petit, de bate-papo só uso msn, e olhe lá. N frequento chats, não.
    Agora, please, uma pulga pousou aqui na orelha: sorriso? desculpe, n sei se a frase se referia a mim, supus… então, que sorriso?!

  17. Karina Says:

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk é verdade!!!!!! gente, estou seriamente disléxica!!!
    sorry, Rafael.

  18. Rafael Says:

    A minha tb saiu em lugar errado…!:

    Isso, Ka, é Clube da Luta.

    Outro filme que quem não viu precisa ver, aliás.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: