Existe um limite de decibéis para o berro amoroso?


O QUANTO É ACEITÁVEL gritar no sexo? Nestes dias, o assunto foi debatido, com a maior seriedade, numa cidadezinha inglesa.  Uma senhora meio gorducha, de franja e cabelo curto, tez rosada, uma espécie de Susan Boyle depois de uma plástica generalizada e uma sessão de beleza completa, entre os 40 e tantos e 50 e poucos, estava diante de um juiz. A acusação: gritar de forma “desumana” e continuada, segundo uma vizinha, no sexo noturno com o marido que parece caixa de banco. Essa vizinha alegou que perdeu a hora de levar o filhinho à escola por não ter conseguido dormir com o barulho da mulher do lado.  Os berros amorosos da gorducha apaixonada chegaram a 47 decibéis. Não sei se torcedor de arquibancada alcança essa marca ao se dirigir ao juiz, e nem se Cauby resvala nela nos seus instantes de arroubo.

Mas a senhora da pacata cidadezinha, sob a ação de seu marido, pode passar o que seria talvez uma marca digna do Guiness, os 50 decibéis do orgasmo. Isso se não passar uma pequena temporada no silêncio trancafiado de uma cadeia. Algumas pessoas se excitam ao ouvir gemidos sexuais alheios, os voyeurs auditivos. Outras se aborrecem, em parte porque o sossego se vai, em parte por inveja. E algumas, como a vizinha inglesa, simplesmente não dormem e vão à justiça na tentativa de calar a gritaria multidecibéis do êxtase da gorducha madura e altamente sensível ao apelo dos instintos básicos.

Há uma etiqueta do som do amor?

Desconfio que muita gente exagera deliberadamente nos gemidos. Uma das melhores cenas do cinema é uma em que Meg Ryan,  no filme Harry & Sally, simula, sentada comportadamente numa mesa de lanchonete, um orgasmo, sob olhares admirados e constrangidos das pessoas ao redor. Meg Ryan estava no seu apogeu de mulher inocente, olhos claros  e arregalados de Natasha, uma aura que depois lhe seria roubada quando ela foi — por que certas expressões que a gente abomina em seres repulsivos como o Cafa Homem nos aparecem com tanta frequência? — finalizada por Russel Crowe.  Vale a pena ver ou rever: watch?v=F-bsf2x-aeE

De volta. Há um código? Qual seria, se existe, pelo lado feminino: o que elas querem ouvir e o que não querem e em que tom? E pelo lado dos homens, que têm ficado estranhamente calados nos debates, como se nada tivessem a dizer ou como se, preguiçosamente, entendessem que cabe a mim representá-los.  O homem mais presente nos debates, paradoxalmente, é o mais cafajeste de nós, O Cafa Homem, e isso pode distorcer nossa imagem.

Antes que eu dê ponto final neste texto para que vocês falem, uma última pergunta: o que vocês, se estivessem na cadeira do juiz, diriam para a mulher dos quase 50 decibéis de prazer?

Etiquetas: , ,

19 Respostas to “Existe um limite de decibéis para o berro amoroso?”

  1. Nicky-san Says:

    LOL!!!!!!!
    A cena é fantástica!
    Pra ficar perfeito, faltou um “Aaawwww, DON’T STOP!” no meio.
    O melhor foi a senhorinha no final “I’ll have what she’s having…”

    Mas voltando ao post.
    Vou contar uma historinha:
    No meu condomínio, uma das minhas amigas tem uma vizinha escandalosa.
    Ela mora no último andar (3º, é um prédio antiguinho).

    Sempre que a gente fica conversando no estacionamento até de madrugada, dá pra ouvir a moça.
    Das primeiras vezes, os comentários eram do tipo
    “Meu, ela tá fingindo, com certeza!”
    Depois de um tempo – alguns meses, actually – a gente achava bizarro ela gritar e gemer tanto…

    Chegamos à conclusão que moços com cara de caixa de banco devem mandar muuuito bem…
    Frase da minha amiga que é TOP#1 finalizadora: “Desencana, gente. Claro que mulher finge, mas é impossível fingir TANTO e por TANTO tempo. O cara é bom mesmo…”

    oO

    Acho que a etiqueta é: enjoy the vibe.
    Mas enjoy de verdade!
    50 decibéis é absurdamente ridículo; se ela estivesse realmente aproveitando, não ia ter fôlego pra gritar tão alto.

    Como juíza, eu condenaria a moça por ser mentirosa, rs.

    M

  2. SP Says:

    Adorei. Assino em baixo: enjoy the vibe.

    Não existe limite. Pura inveja de quem não tem em casa.
    Condenar quem?….o fofoqueiro,rsrsrs.

    Cada um deveria observar a si mesmo, olhar para dentro.
    Que ser humano é esse que só critica?

    SP

  3. Eduardo Barros Says:

    q continue a gritar

  4. Karina Says:

    O quanto é aceitável ou o quanto é verdadeiro???

    Sendo verdadeiro, tudo é aceitável. O que n significa que seja suportável rsrsrs Nem a dois, que dirá a três, quatro, cinco… ou tantos quantos forem os vizinhos incomodados.
    Eu me perturbaria, sim. Há lugar para tudo. Se a pessoa não vai se divertir nas áreas públicas do prédio, pq acha que pode obrigar os outros a aturar seus gritos? Para mim, é a mesma coisa em graus diferentes. Que vão para um motel, onde pode tudo e mais um pouco, sem ninguém pra perturbar.

    Eu, particularmente, desconfio de quem exagera, parece um mis en scène ridículo. É claro que à medida que a situação se repete vc vai vendo que é só a maneira de a pessoa extravazar mesmo. Mas, mas, mas…. não gosto. É legal acontecer qd o sexo está pra lá do limite do civilizado, mas n sempre. Definitivamente.

  5. Karina Says:

    obs: sexo civilizado n significa xoxo, sem-graça. Por favor.

  6. Fran Says:

    Puxa vida, mas é complicado também. Entendo essa vizinha, já acordei várias vezes de noite com os gritos amorosos da minha vizinha do andar de baixo. Pior, era no finzinho da noite, quando o nosso soninho é o melhor. Andava ensaiando como dizer pra ela colocar um isolante acústico no quarto ou algo do tipo, até que o tal namoro terminou e com o novo até agora eu nunca acordei. Que jeito de saber da vida dos outros…

    • Fabio Hernandez Says:

      Fran: será que vc não deveria ter tido uma conversa franca com sua vizinha em vez de armazenar ressentimento na calada da noite, insone e se revirando em vão em busca do sono perdido? O que deteve seus lábios quando vc poderia expor a sua vizinha indiscreta os danos que ela, ao se entregar desvairadamente, estava provocando em seu sono? Foi a timidez, foi o receio de que ela pudesse achar vc “careta”, “atrasada”, foi esperança de que um dia cessasse o ruído infernal do êxtase mirabolante da vizinha cara de pau?

      Uma curiosidade: ela era parecida com a senhora inglesa? Há um episódio em Sexy and The City em que a Samantha ouve berros amorosos no apto vizinho e, enraivecida e tentada ao mesmo tempo, passa um bilhete ao casal se oferecendo, sutilmente, para se juntar a eles. Ao vê-los, ela desiste porque o casal, que ela encontrava pela primeira vez, parecia saído do Museu de Horrores de Nova York.

      Alguém viu?
      Alguém viu esse episódio?

      • Nicky-san Says:

        Eu vi!!!!!!

        Achei fantástica a cara da Sam quando ela vê quem são os vizinhos, rs.
        E ela fica super empolgada com a idéia, no começo.

        Mas se não me engano, não são os berros que ela ouve, é o ‘nhec nhec’ da cama, isn’t it?

      • Fabio Hernandez Says:

        é verdade, nicky-san, é o rangido da cama, não os gritos. grato pela correção, bjs

      • Fran Says:

        É verdade Fábio, por que eu não falei com ela? Acho que foi principalmente timidez. Eu podia imaginá-la ficando vermelha da cabeça aos pés, e aí perdia (mais uma vez) a coragem. Olhando agora, parece até bobeira! Quando tudo terminou, senti alívio sim, mas engraçado, bateu uma decepção também…pela oportunidade perdida de ter dito o que pensava, talvez?

        Uma distinta senhora, sempre de saias compridas, voz baixa, sorriso bonito. Viúva, acho. Super educada. Não cabia no museu de horrores da Samantha. No fundo eu gostava dela, e ficava imaginando o que estaria passando em sua cabeça com o novo namorado. Sentiria falta das memoráveis noites com o antigo? Será que ela sabia de como fazia a terra tremer? Tantas perguntas sem resposta…

      • Fabio Hernandez Says:

        Uma história realmente interessante. Pelo visto, ela não tinha o perfil da berradora que a gente tem na mente. Engraçado: ela não ficava vermelha, sem graça, nada? E o namorado que a fazia gritar, vc chegou a vê-lo? Que impressão teve, se sim? Correspondeu à imagem que vc tinha na cabeça?

  7. Tetê Says:

    Já tive uma vizinha escandalosa também e me furtei em pedi-la para tomar alguma providência pela simples vergonha de expor a ela que sua vida sexual não era mistério no apartamento do andar de baixo, que é o meu.
    No dia em que acordei morta de cansada por ter ficado acordada até alta madrugada escutando aqueles urros e a cama rangendo, eu jurei que falaria com ela. Mas, sabe como é, o dia vai passando e você vai pensando que algumas vezes já se excedeu com seu namorado e que no dia seguinte ficou até mesmo com vergonha dele, que compartilhou aqueles momentos com você…Imagina a vergonha que você sentiria da vizinha que acompanhou sua privacidade sem querer???
    Assim, para me poupar de sentir a chamada “vergonha alheia”, resolvi deixar para lá e, para minha felicidade, não demorou muito ela se mudou!!

    • Fabio Hernandez Says:

      Interessante, Tetê.
      A moral da história, me parece, é que os gritos dos outros incomodam nossos ouvidos mas os nossos próprios não.
      Vc parece ter visto isso, pelo que entendi.

      Sabe o que me chamou a atenção? Essa história de “vergonha no dia seguinte” … Não sabia que as mulheres sentiam isso, e acho que muitos outros leitores daqui também.

  8. Mariana Says:

    Gente, sexo precisa de gemido. Homem tem que ofegar em nossos ouvidos, sussurrar o gozo, penetrar em todas as nossas entranhas! Sexo em silêncio, só para os surdos..por favor!

  9. Livia Says:

    Pelo amor de Deus….tem um bando de puritanos e que devem adorar a expressão “politicamente correto”. Pq se envergonhar com algo tão natural no ser humano…fazer sexo…como se ninguém fizesse….me poupem!

    Por isso gosto da frase da Clarice Lispector que diz:

    Hoje amanheci em cólera. Não, esse mundo não me agrada. Ou as pessoas estão mortas e não sabem , ou vivem em charlatanismo”.

    Viva as senhoras gorduchinhas que gritam sem máscaras….Abaixo os charlatões mascarados….

  10. Os principais assuntos do dia | BlogMau Says:

    […] Existe um limite de decibéis para o berro amoroso? O QUANTO É ACEITÁVEL gritar no sexo? Nestes dias, o assunto foi debatido, com a maior seriedade, numa cidadezinha […] […]

  11. simplemente haga clic en la pagina hasta que viene Says:

    Me parece el diseno grafico de esta pagina web esta muy bien hecho.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: