O sapato tricolor


Todos os casamentos são difíceis, mas alguns são mais difíceis que os outros. Foi o caso do casamento de Cris. A sogra invadia, um clássico. Casamentos em que sogras mandam mais que a mulher ou o marido são cadáveres. Cris tinha em seu quarto uma foto em pose provocadora tirada por uma amiga fotógrafa, e a sogra reprovava abertamente aquela imagem. Pernas abertas, um cigarro no canto da boca, um ar de quem bebeu toda a noite anterior e não teve tempo para dormir. Não cabe aqui dizer que era uma das fotos mais inocentes entre as feitas pela amiga de Cris. A irmã do marido de Cris também dava mais palpites do que o necessário, e ele gostava de ouvi-la. Cunhadas devem falar o mínimo, eis uma frase que, se aplicada nos lares, salvaria muitos casamentos.

Cris se deu conta de que seu casamento com Frusciante estava liquidado quando se esqueceu da data. Que era a senha de seu cartão bancário. Teve que pegar a aliança, que logo depois atiraria triunfante ao mar, para ver o dia em que, lindamente diáfana em seu vestido quase transparente sem sutiã e abarrotada de esperanças, dissera sim a Frusciante. O dia quatro de março estava gravado da aliança. Um amigo gay estava presente na cerimônia do arremesso da aliança à imensidão azul. “Volta para o mar, oferenda”, gritou o amigo. No álbum de fotos os dois pareciam felizes para sempre. Foi um casamento moderno, de gente descolada, mas não faltou a foto em que um bebe champanha no copo do outro. Não foi uma noite de núpcias incrível. Cris capotou de tanto beber no casamento, em que segundo amigos parecia estar “em transe”, e Frusciante não lidou muito melhor com a bebida que tomara.

Casamento que começa em ressaca e não em orgasmo também é cadáver.

A tolerância diminui na mesma proporção em que o amor diminui, escreveu um especialista oriental na arte do amor, Vatsayanna. Na etapa final de seu casamento Cris estava extremamente impaciente com Frusciante. Não suportava quase nada dele, a começar pelo sapato tricolor que ele afirmava ser de uma marca chique e cara. “Era sapato de palhaço”, na avaliação de Cris. Uma avaliação cruel como um cossaco russo, para usar uma frase de Tio Fabio, falecido homem sábio do interior. Deus o tenha.

Cris pensou um dia que, se não podia se livrar no momento do marido, no sapato tricolor podia dar um jeito. “Ninguém era obrigado a aguentar a visão daquele sapato de palhaço”, diria ela depois do episódio. Cris jogou um pé no lixo. Quando Frusciante um dia quis calçar seu sapato tricolor, encontrou apenas um pé. Procurou o outro inutilmente.
“Você viu, Tina?”
“Você deve ter esquecido na sua irmã”, disse ela, certa de que prestara um serviço à beleza do planeta ao jogar no lixo um pé do sapato de palhaço.

A verdade só foi revelada nas conversas finais do casal, meses depois. Essas conversas, clássicas nos casamentos destruídos, são uma penosa prestação de contas em que cada um sai ainda com mais raiva do outro, se é possível. Poderia haver um atalho silencioso rumo à separação.

“Tem uma coisa que eu preciso te dizer”, disse Cris.
“Hmmm”, respondeu Frusciante.
“O sapato. Aquele. De palhaço. Eu joguei fora o pé que você não encontrou.”

“Você é doente”, disse ele.
“A pior doença é o mau gosto”, disse ela.

Feita a revelação, e encerrado pouco depois o casamento, Cris prometeu a si própria jamais voltar a ter um relacionamento com qualquer homem que possuísse sapato tricolor.

9 Respostas to “O sapato tricolor”

  1. Deise Says:

    adorei, sensível e reflexivo, mas tenho medo de passar por isso. bjs

  2. Anónimo Says:

    Excelente texto!
    Incrivel como as pequenas coisas se tornam grandes qdo nao existe mais paciencia… O tal sapato que poderia ser visto como algo engracado no inicio qdo havia ainda paixão se transformou em algo intoleravel assim como o relacionamento.

  3. Anónimo Says:

    acho q quando acaba o RESPEITO, acaba tudo!
    pode faltar tudo numa relação: amor, tesão, confiança, carinho, amizade, sexo, admiração, mas RESPEITO é fundamental.
    nenhuma relação, seja de amizade ou casamento, sobrevive sem os envolvidos praticarem o respeito. Digo sem respeitarem o q é ridículo no outro, o limite do outro, a família do outro, o espaço do outro, as caretices ou bizarrices do outro…

  4. Anónimo Says:

    LEI QUE É LEI, REGRA… “IGUAL” MESMO ASSIM, NÃO É IGUAL.

  5. Srta. Rosa Says:

    Bom, confesso que o Frusciante me desconcentrou. :S

  6. Anónimo Says:

    Tive um namorado com um sapato desses.
    Era muuuuuuuuuuuito apaixonada por ele.
    Ainda bem que não casei com ele…. porque ele não quis, kkkkkkkkk
    Depois dizem que sorte e destino não existe.

  7. marcelo Says:

    cadáver é foda…

  8. rodrigo Says:

    CaroFabio…..não acredito mais no casamento.

  9. Anónimo Says:

    É realmente qndO o relacionamento se desgasta,a uma certa insatisfação qnto a tudo q por mais q antes tenha sido tolerado hj devido ao desgaste da relação já não é bem aceito ao meio,ou pior entre o casal
    E acba sendo um estorvo e motivo futil p uma separação.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: