Ainda que você não escreva nada que preste sobre mim


Pedro estava meio filosófico. “Uma relação amorosa encontra, cedo ou tarde, uma encruzilhada. Um caminho leva à felicidade, e o outro ao tormento”, disse ele. “É só naquele instante que é possível para o casal escolher um dos caminhos.”
Cris riu. Ela acabara de fazer ginástica no clube. Queria voltar a fazer balé. Marcara um teste numa companhia de dança, mas tinha que comprar sapatilhas. Fora primeira bailarina muitas vezes, mas fazia tempo que não dançava. “Você parece adepto da filosofia dadá”, ela disse. Eu um dadaísta?, Pedro pensou. Lol. Que queria ela dizer com isso?
“O caminho feliz é aquele em que um eleva outro”, disse Pedro. “O todo é maior que as duas partes. O caminho infeliz é aquele em que um joga o outro para baixo. O mais comum é o caminho infeliz. Cada um se compraz em fazer mal para o outro. Pense os casais que você conhece. Qual optou pelo caminho feliz?”
Cris fez uma estrela. Nostalgia do balé. Pareceu pensar um pouco nos casais conhecidos para ver se concordava com a tese de Pedro. Mas depois mudou de assunto.
“Pedro. Por que eu pareço tão frívola nas coisas que você escreve? Eu não me reconheço nas coisas que você escreve. Dizer que eu ponho as mãos na cintura quando fico brava.”
Ele ia perguntar se era uma queixa, mas economizou tempo. Sim. Era uma queixa. Escrever é se expor. O escritor raramente agrada alguém sobre quem escreve, ainda que a intenção seja esta. Para quem escreve, desagradar é muito mais fácil que agradar. É a maldição, o anátema do escritor.
Pedro traçou mentalmente o perfil de Cris. Bonita. Inteligente. Quente. Cheirosa quando suava. Engraçada como uma comediante em certas ocasiões. Interessada em variadas coisas. Cinema, gastronomia, moda, arte. Gostava de Klimt. Pintava também. Morara alguns anos em Londres, e vendera um quadro por uma quantia expressiva. Cris tinha uma tela em banco em sua sala para ser preenchida num momento de inspiração. Cris tinha tantas coisas que a faziam única. Mesmo assim quando Pedro escrevia sobre Cris o resultado era decepcionante para ela.
“Pedro.”
“Cris.”
“Essas história dos dois caminhos. O feliz e o infeliz. Nós dois. Na sua opinião. Qual deles nós escolhemos?”
“A vida inteira eu julguei ter escolhido caminhos felizes. Mas a realidade mostrou que todos eles foram infelizes. Mas agora. Agora tenho a impressão de que finamente acertei. Acho que o nosso é o caminho feliz. Aquele em que um ergue o outro. “
“Pedro”, disse Cris. “Pois eu. Eu tenho certeza. Sabe aquela história do felizes para sempre? É a nossa história. Eu também já fiz todas as escolhas erradas que tinha para fazer. Você me ergue, mesmo que não consiga escrever nada que preste sobre mim.”
Riram e beijaram-se, e naquele momento nem Schopenhauer com seu pessimismo avassalador, expresso na frase segundo a qual nada existe de pior do que nascer, seria capaz de prever para os dois nada menos do que uma jornada plena de felicidade.

10 Respostas to “Ainda que você não escreva nada que preste sobre mim”

  1. Sergio Murilo Reis Says:

    O mais importante de tudo é conseguir o objetivo, que é o caminho.Para a felicidade e o sucesso das pessoas,mesmo que não agrade.Embora o sucesso de muitos atrapalham outros,mas nada melhor do que sinceridade e o respeito.

  2. nena Says:

    bem, agora acho que ela vai gostar do que escreveu…
    ainda assim, vou deixar minha modesta opinião: é sempre uma honra que um escritor escreva sobre alguém. só isso significa sua importância, significa que faz parte da sua vida.
    quem dera…

  3. :) Says:

    “Eu também já fiz todas as escolhas erradas que tinha para fazer”
    ahhh é isso!!! tô nessa fase de fazer escolhas erradas então… e eu achando q meu cupido além de burro era louco, rs!!!
    tô querendo acertar, q isso passe logo.

  4. Anónimo Says:

    Conheci agora o seu site, muito legal a forma como vc escreve sobre relacionamentos, os conselhos do seu tio são bem sábios, seria bom se tantos homens tivessem tios assim e mais, seguissem seus conselhos. ;D
    Até mais.

  5. Fabiola Melo Says:

    Conheci agora o seu site, muito legal a forma como vc escreve sobre relacionamentos, os conselhos do seu tio são bem sábios, seria bom se tantos homens tivessem tios assim e mais, seguissem seus conselhos.

  6. Madame Rosmerta Says:

    Ai… que coisa linda! Dá até vontade de chorar… era somente isso que eu queria que acontecesse comigo!

  7. Srta. Rosa Says:

    Hahaha, Deus lhe ouça. “Eu também já fiz todas as escolhas erradas que tinha para fazer.”, assino embaixo. Espero que a gente venha com uma quota finita desse treco.

  8. Julia Says:

    Adorei a frase sobre fazer todas as escolhas erradas, mas são os erros que nos levam para o acerto. Certeza!
    beijos, Fabio.

  9. Esther Mara Says:

    Uau!
    Lindo! Certeza de que ela adorou…

  10. O Homem Sincero « Raised by Birds Says:

    […] Hoje vou postar um texto de Fabio Hernandez, o dono do blog O Homem Sincero.: […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: