Maldição eterna


“Alô?”

“Oi. Sou eu.”

Só pessoas que têm ou recentemente tiveram uma relação especial com a gente podem se apresentar dessa forma. Sem dizer o nome. Demora um bom tempo até que a gente esqueça o som de determinadas vozes. Por isso, declinar o nome, pelo menos por um período, é perda de tempo.

“Oi, Nadja. Tudo bem?”

Era ela. Nadja, meu amor perdido. Eu sempre quis falar coisas inteligentes para Nadja, bem diferentes de um simples “tudo bem?”. Sempre quis impressioná-la com falas cinematográficas. Hoje vejo como isso foi ruim para o nosso romance. Eu deveria ter acreditado que ela pudesse gostar de mim como eu sou mesmo, com minhas frases banais e gramaticalmente manquitolas. Uma relação em que você se sinta na obrigação de parecer melhor do que é não pode ter um futuro muito brilhante.

“Fabio, eu queria escrever um texto sobre a minha verdade. A minha versão sobre o fim do nosso romance. Você já apresentou, nos seus textos, a sua verdade. Não acho muito justo. Aliás, não acho nada justo.” (Ela frisou o “nada” esticando deliciosamente a primeira sílaba. É uma das pequenas coisas que mais me trazem saudade. Me ocorre o seguinte pensamento: a saudade das pequenas coisas dói ainda mais que a saudade das grandes coisas.)

“O que você está querendo é inusual, Nadja. Posso adiantar que…”

“Não me adiante nada, Fabio.”

Nadja jamais tivera muita paciência com embromações. Daí o corte abrupto de minha frase. Num momento isso me encantou. Depois confesso que senti falta, em Nadja, de uma dose um pouco maior de paciência. Pelo menos comigo. É curioso, nas relações, como muitas coisas que vemos no começo como virtudes no outro ou na outra se transformam depois, aos nossos olhos, em defeitos. O tempo é cruel como um velho cossaco russo.

“Eu quero expor o meu lado. Fabio, você sempre foi imaturo. Extremamente imaturo. Você gosta do amor impossível. Você gosta da fantasia, não da realidade. Você não deu certo comigo por mais que eu amasse você. Você não deu certo com a Constância por mais que ela amasse você. Será que você percebe que não dá certo com ninguém? Quando será que você vai crescer, Fabio? É isso que eu quero escrever no artigo. Você é um embuste, Fabio. Alô, você está aí?”

Ela queria uma prova de que seu golpes verbais estavam doendo. E eu dei, talvez por uma espécie de gentileza póstuma.

“Sim. Pode ir em frente, Nadja.” (Recentemente li numa revista americana que a melhor coisa que você pode fazer quando se vê numa conversa destruidora com sua namorada é encerrar essa conversa enquanto os danos não são tão grandes assim. Infelizmente, em relação a Nadja, só li depois de um número considerável de conversas pesadas.)

“Você me atirou para fora de sua vida com esse comportamento infantil, Fabio. E me atirou para os braços de outro homem. Bem melhor, aliás, que você, Fabio. Principalmente naquilo.”

Naquilo? Um dos maiores temores de um homem é que seu sucessor seja melhor que ele naquilo. O ideal seria que nossos sucessores fizessem tudo – cantar, escrever poesias, ganhar dinheiro, eventualmente até dar uns beijos -, menos aquilo.

“Fabio. Eu… eu…”

Passou pela minha cabeça a possibilidade de que ela completasse a frase assim: “… amo você”.

“… eu odeio você. Quero que você se ferre.”

Nadja me odeia e eu aceito que seja assim. O grande amor só é grande amor se terminar em maldição eterna.

35 Respostas to “Maldição eterna”

  1. Anónimo Says:

    Vocês se amam!

  2. Uila Gabriela Says:

    Cara, adoro seus textos, eles são auto destrutivos, mas com um humor incrível, e o melhor de tudo, adoravelmente verdadeiros, parabéns pelo talento. 😉

  3. bic azul Says:

    “O grande amor só é grande amor se terminar em maldição eterna.”

    Algo tão grande como um amor não pode se tornar algo pequeno de uma hora pra outra. Tua frase é triste, bela e verdadeira.

    Parabéns pelo excelente texto.

  4. Thahy Says:

    só espero que você não morra de bronquite num lugar bucólico citando bocage 😉

    [adoro o q vc escreve.]

  5. Anónimo Says:

    Se isso é considerado amor, não quero conhecer o odio…Fabio, voce não conhece o amor!

  6. Anónimo Says:

    Se ela t ligou, é pq ele não é melhor naquilo q vc.. ela tá qrendo..

  7. Anónimo Says:

    Se ela t ligou, é pq ele não é melhor naquilo q vc.. ela tá qrendo..

  8. Anónimo Says:

    Nossaaa tudo q a Nadja acha de vc, eu acho de um certo Flávio (o motivo do fim foi o mesmo)… por isso, posso garantir q ódio e amor andam de mãos dadas, se ela não gostasse de vc, certamente seria indiferença e não ódio.
    P.s.: Flávio, eu te amo e te odeio, mas cresça! tua infantilidade tá acabando com “nós”.
    Fabio, desculpa por usar teu espaço.

  9. rina Says:

    Ela riria deste texto, inclusive das suas invencionices: a Nadja que conheço, jamais faria a indelicadeza de comparar um homem a outro. A não ser numa pista de dança. E nós sabemos que nela, você é quase bom. Como o risoto daquela noite.

  10. Anónimo Says:

    Tbm Acho o mesmu!!!!!!

  11. Anónimo Says:

    Tbm Acho o mesmu!!!!!!

  12. Sabrina Jung Says:

    Po Fabio! Este texto e velho! Ja li ele faz um tempo, mas nao lembro aonde!

  13. Sabrina Jung Says:

    Po Fabio! Este texto e velho! Ja li ele faz um tempo, mas nao lembro aonde!

  14. Anônima Says:

    Belíssimo texto! Parabéns!!!!

  15. rachel Says:

    “Demora um bom tempo até que a gente esqueça o som de determinadas vozes”, é… mas o melhor é quando o ex-já-fantasminha ressucita, você percebe que não reconhece nem o telefone!!!! rsrsrs. É uma grande sensação de ‘ôba, passou’.
    .
    concordo quanto às qualidades que viram defeitos. concordo também que nenhum relacionamento emq eu a gente se ache na obrigação de ser melhor do que se é tem futuro. Ninguém aguenta o peso de ser um embuste pra sempre.
    .
    Tô cada vez mais sua fã.

    beijoca,

  16. Anónimo Says:

    Adorei esse texto .

    Parabéns…..

  17. Anónimo Says:

    que bobagem, grandes amores terminam tb em grandes amizades, e não em ódio. os que terminam em ódio é porque foram muito mal vividos, e com certeza porque um (ou os dois) pisou na bola feio com o outro. é bem provável que a nadja tenha razão…

  18. Anónimo Says:

    estou com o “espírito” desse texto nessa manha…e sabi q teria algo a ver com esse sentimento.infelizmente sonhar com amor impossivel da mais vontade de realizar q os amores normais…é é complicado se amar normalmente sendo uma pessoa diferente dos tipos costumeiros…

    amor é ssempre amor..sendo possivel ou naum.isso é fato.

  19. Márcia Dantas Says:

    Nossa….como amar e saber que dentro de si o amor pode ser misturar com qualquer coisa, e virar o que vc não quer sentir ? Isso é a pior dor e a maior delícia nesse sentimento…vc descobrir o que ele virou em vc e no outro, sem que vcs dois mexessem nele, assim, de verdade.
    Amei, e vou sempre te ler agora!

    parabéns!

  20. Nicole Says:

    Pude perceber que Nadja ainda ama você. Ela é completamente apaixonada que transforma esse sentimento em vontade de destruir, usando pontos que ela já conhece que são fracos em você. Fazer tudo isso por telefone é uma crueldade, e com certeza sabendo que você ouve até o final… é perfeito!
    Nada melhor do que um bom desaforo pra esconder o amor.
    😀

  21. Anónimo Says:

    Noussaaa vc está de parabéns mtuu bom esse seu texto amei!!!! e outra ela odeia é o fato de não conseguir te esquecer msmo estando com o outro melhor “naquilo” ….

  22. Ana Says:

    Onde existe ódio existe amor, pois se não existisse nada, ela simplesmente seria indiferente…

  23. PequenAprendiz Says:

    Mestre, dá pra atualizar?
    Lol
    Bx!

  24. maga Says:

    Tem um porém aí:se a Nadja quisesse ficar com você, teria ficado. Não enrolaria. Duvido que vc tenha dado o fora nela. E você, ainda a ama? Por que ela não quis mais você? conte a verdade que a nadja pleiteia, não esconda nada.

  25. maga Says:

    Tem um porém aí:se a Nadja quisesse ficar com você, teria ficado. Não enrolaria. Duvido que vc tenha dado o fora nela. E você, ainda a ama? Por que ela não quis mais você? conte a verdade que a nadja pleiteia, não esconda nada.

  26. Anónimo Says:

    Por que será que as maiores discussões pessoais são relacionadas aos relacionamentos amorosos?!

    Seu blog é muito bom nesse aspecto. Mas fico pensando. Por que não damos o devido valor aos outros campos da nossa vida. Amores só viram odio momentaneamente. Naquele momento logo após a separação.

    Depois de um tempo viram saudade. E, as vezes, acredito eu que poucas vezes, se tornam amizades.

    Mas o que me interessa de verdade são os amores neuroticos do texto abaixo. Nunca achei que uma pessoa saida de um relacionamento “normal”. Entre num relacionamento neurotico. Mas acontece, e acente exatamente pelo “normal” não ter dado certo.

    Pensasse que o neurotico será ao menos mais prazeroso que o amor perdido…

  27. Simone Says:

    Já tive a minha “maldição” desta encarnação! Risos… Ou melhor penso que já tive…
    Gostei muito de seu texto.

  28. Monique Says:

    Acho que maldição mesmo é viver a vida assim… fugindo do amor… Que vida de solidão… Pobre coitado…

  29. Monique Says:

    Acho que maldição mesmo é viver a vida assim… fugindo do amor… Que vida de solidão… Pobre coitado…

  30. Camilla Says:

    qual é o blog dela? sei lá fiquei curiosa, ouço a sua versão dos fatos, que não deixe de ser a sua verdade, mas queria ouvir a versão dela (sei que é um pedido abusado). Me explico, não quero justificar ninguem, nem tomar açgum lado, isso é impossível e eimprovável, qeuro apenas ouvir uma outra voz, porque, epla conversa que você retratou, até a necessidade de dizer que te odeia é uma forma de amor…
    estou me embaralhando agora…

  31. Iris Says:

    Essa Nadja que deixou você na mão no seu melhor momento em busca de algo melhor meu caro,deu com os burros n’água.Achou com certeza coisa bem pior (diga-se homem,relação, tezão ,etc) e descobriu que você era tudo que ela queria,daí…..

  32. Anónimo Says:

    Fábio,
    É com saudade na alma que a gente avança na estrada…o resto é excesso de bagagem..
    Nunca esqueça que quem ama libera….quem tem medo aprisiona.
    Sou sua fã incondicional…agradeço por você permitir de uma forma involuntária eu me veja em você.
    Beijos

  33. Anónimo Says:

    Fábio,
    É com saudade na alma que a gente avança na estrada…o resto é excesso de bagagem..
    Nunca esqueça que quem ama libera….quem tem medo aprisiona.
    Sou sua fã incondicional…agradeço por você permitir de uma forma involuntária eu me veja em você.
    Beijos

  34. guigo Says:

    Caro fabio…..uma mulher que fala que o outro é melhor naquilo que vc……é porque ela não valia a pena. Na minha opnião vc deu sorte. Ainda não percebeu ?

  35. Meelina Says:

    Só um comentário mesmo.ADOREI TEU TEXTO.
    Nunca acompanhei nenhum texto teu, mas ri muito ao ler esse da Madição, nem sempre é necessário ligar pra alguém pra dizer que se odeia, a não ser que esta pessoa ainda seja muito importante em nossas vidas ou muito presente em nossos pensamentos…Acho que a Nadja pensa em ti muitas vezes ao dia…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: