Archive for Maio, 2007

Roma e o sexo

04/05/2007

Vi a primeira temporada de Roma. Os romanos sofisticados, os patrícios, conheciam a arte de amar. Júlio César, por exemplo. Grande guerreiro, grande amante. Mas noto que os produtores criaram um caso lésbico artificial para ganhar audiência masculina. Um caso lésbico entre duas mulheres heterossexuais, aliás. Uma madura e outra jovenzinha. Ambas patríciais. Me pergunto aqui, sem resposta, por que é tão forte entre os homens a imagem de duas mulheres se agarrando.

O amor no Second Life

04/05/2007

O sexo virtual é melhor que o sexo real? Menos arriscado é, com certeza. Mas melhor? Li em algum lugar o relato de uma mulher que fez sexo pela primeira vez no Second Life. ”timo relato, aliás. Estou numa temporada em que as dúvidas são muito maiores que as certezas. Sexo virtual: aos conhecedores de nossa comunidade peço que se manifestem sobre suas eventuais vantagens sobre o sexo real. E está aberto o debate.

Às odiosas preliminares

01/05/2007

Vamos direto ao ponto: acho as preliminares uma conquista feminina e uma derrota masculina. Porque são enfadonhas, porque atrasam nosso prazer, porque nos põem em posição subalterna. Naqueles dez, quinze, vinte minutos intermináveis de contorcionismo de corpos, dedos e línguas, nós, homens, estamos escravizados pela idéa de agradá-las. Nós nos colocamos num segundo ou terceiro plano diante delas durante as preliminares. Não é justo. É mentamente extenunante. Você pode estar com a língua onde você imagina mesmo, mas a sua cabeça está tomada pela dúvida sobre se ela está gostando ou não, se ela está chegando ao êxtase ou não. E é claro que pagamos um preço pela exaustão psicológica. Um preço, não raro, físico: depois de dar a ela prazer, não obtemos nossa cota, por falência de força. E então me digam se fomos ou não derrotados pela elevação das preliminares à condiação de tarefa obrigatória dos machos.
Na comédia sexual que vivemos hoje só existe um trecho ainda mais entediante que as preliminares: as conversas depois do sexo. Uma vez escrevi sobre o fenômeno do tédio pós-coito. A verdade é que depois de gozar queremos paz, sossego, silêncio. Mas muitas mulheres entendem que não existe melhor momento para “discutir a relação”. É uma extensa lista na qual cabem desde idas a danceterias em número consideravelmente menor do que elas gostariam até respostas à sogra que elas julgam atravessadas.

Só há amizade entre homens

01/05/2007

Por mais que se diga e se finja que não, um homem só é genuinamente amigo de outro homem. O pequeno grande código da amizade não mistura homens e mulheres. Imagine dois amigos num bar, falando de futebol. A descrição da série de dribles é bruscamente interrompida quando uma mulher gostosa passa diante dos dois amigos. Ambos olham para ela, depois um para o outro, e então vem um sorriso que diz e resume tudo. E enfim se retoma a conversa paralisada: isso é o retrato da amizade entre dois caras. É impossível reproduzir essa situação quando se trata de um homem e uma mulher. Logo, não há chance de amizade.