Quem disse que você não pode ser feliz sozinho?


UMA BREVE  discussão ‘filosófica’.
Somos todos atormentados pela idéia da solidão, não somos?
Certo.
Almoçar sozinho, ir ao cinema sozinho, viajar sozinho: estes são alguns dos nossos pesadelos de todos os dias.
A solidão é um anátema, um estigma, quase uma marca cravada na carne do solitário.
Mas.
Mas por quê?
Bem, uma das razões é que a solidão é tratada a pontapés em todos os filmes, em todas as novelas e em todas as conversas que vemos e travamos.
Ninguém basta a si próprio. Essa a mensagem contínua que recebemos.
Faz sentido?
Não, não faz. Isso nos leva a depender sempre dos outros para sermos felizes.
Cícero disse o seguinte: “Quem depende apenas de si mesmo e em si mesmo coloca tudo tem todas as condições de ser feliz.”
Muito tempo depois, Dostoievski escreveu que ficar sozinho é uma “necessidade natural, como dormir e comer”.
Schoppenhauer disse que as pessoas não suportam a solidão porque não suportam a si mesmas.
Os chineses ricos, no final da vida, costumavam abandonar toda a riqueza e conforto para, numa vida solitária e remota, terem a chance de meditar e refletir.
Uma única vez vi, num filme, uma mensagem sábia sobre o tema.
Foi em Beleza Americana.
A menina adolescente presencia uma briga horrível entre os pais num jantar. Fica chocada e vai para o seu quarto, onde a mãe depois aparece e diz: “Hoje você aprendeu a maior das lições. Conte apenas com você mesma.”
Platão não teria dito uma frase melhor.

183 Respostas to “Quem disse que você não pode ser feliz sozinho?”

  1. Rodrigo Garcia Says:

    Como sempre um ótimo post.

    Acaso a pessoa não consiga ser feliz sozinha tudo o que conseguirá fazer será levar sua infelicidade aos outros. Imagine um relacionamento onde o outro também não possui essa “habilidade”. Serão dois infelizes, cada um levando sua infelicidade ao outro. Existem pessoas que esperam ser felizes num relacionamento ou quando estiverem casadas. Não me parece um bom plano.

    Um abraço.

    • eva beserra Says:

      Deprimente uma relação onde um depende unica e exclusivamente do outro para ser feliz! Sem vida própria, sem perspectiva pessoal… enfim não me imagino numa relação assim… já vivi e já aprendi!

    • Deby Says:

      gostei muito de sua colocação.

    • inalva Says:

      Sempre, existiu maridos ruins e mulheres tambem, esta conformaçao ja e tao pouca consumada, todo mundo se conforma e porque deus fez mulher, nao deveria, ficar sem namorar, sem se pegar 10-15 anos ou mais e castigo, ninguem e santo, santo nasceu santo e ainda precisa ser canonizado e ser sacrificado, ficar se conformando com tudo, sera que que , quem nao conhceu homem nenhum , nao pode mais conhcer? isto e pior do qualquer remedio que faz mal , os homens de carater tem quer ter suas escolhas, o que faz a mulher mal com o homem e a situaçao financeira, a doença, a falta de respeito, enfim a pobreza e pior, ninguem pode se completar sem nada para complementar o amor, tudo acaba, logo vem filhos e dai, a segurança, e a independencia e fator, esta certo que existe pessoas fracas ricas ou pobres mais saber findar a coisa errada, e bom e reconstruir, novamente. Tem horas que penso que ninguem pode ficar em soliodao o tempo todo, tem pessoas que sofrem por nao ter ninguem, e as amigas e a propria sociedade contribui, para sobrar e ficar com outras , tem que saber, ate as mais velhas como dizem , prazer e vontades todo mundo tem.ha, muito comentario a respeito, nao precisamos nos deixar levar, mesmo.

  2. Renan de Dijon Says:

    Seguir, enfim, a onda do “solteiro sim, sozinho nunca”. Isso evitaria muitos crimes passionais.
    :)

    Atrás de uma grande solidão sempre tem um grande problema escondido. Ninguém opta pelo exílio por questão de gosto.

    • inalva Says:

      As vezes escrevemos e as letras correm, e a palavra sai escrita faltando, ou mesmo errado. e so. Todos tem vontades, prazeres etc, ninguem e feito de ferro, somos todos filhos de deus.

  3. Grace Olsson Says:

    Olha, eu acho que EU ERA MAIS FELIZ QUANDO VIVIA SOZINHA.QUANDO EU CONTAVA APENAS COMIGO MESMA.E nao falo de forma egoista, nao. Acho que eu ME CENTRO MAIS QUANDO SEI QUE DEPENDO APENAS DE MIM.
    Pode parecer piracao, mas, quando eu passei a achar que poderia cotnar com os outros, sofri desilusoes raras. E, hoje, acredite: VENHO LUTANDO SEVERAMENTE PARA VOLTAR A CONTRA APENAS COMIGO MESMA.

  4. Flávio Croffi Says:

    Isso é relativo. Na verdade, esse relato e discurso de que sozinho é bláblá melhor, e não sei o quê, é papo de auto-ajuda. Sim, curti demais o texto e está bem escrito. Só que minha opinião é que no final das contas, ninguém quer ficar sozinho e mais… todos dependem do outro e dos outros. O ser humano nasceu para ser coletivo. Para expor, trocar ideias. Prova disso é o seu próprio blog. Se você estivesse sozinho, ninguém leria suas palavras, ninguém responderia seus pensamentos.

    Precisamos de aprovação e de desaprovação. Precisamos de experiências alheias. Estar sozinho é um campo aberto para você criar pensamentos não consistentes. Pensamentos com apenas uma óptica. O outro, seja qualquer um que for, é necessário para passar outra visão, e assim, fortificar o seu tipo de caminho. Porque afinal, ele, ela, eles ou elas, viveram outra vida. E outras vidas acrescentam em uma só.

    Estar com você mesmo, algumas vezes é necessário sim. Mas estar sozinho, no sentido profundo da palavra, é uma maldição intensa. É horrível para a alma, para o espírito e consequentemente para o bom curso de seus pensamentos e sua vida.

    • Nina Says:

      O importante aqui é o bom senso, e talvez não colocar no outro a responsabilidade da sua vida. Bem como saber ser feliz nos momentos em que está sozinho.
      Compartilhar é saudável e saboroso. Somos animais sociais, concordo. Mas, quanto a frase: “Estar sozinho é um campo aberto para você criar pensamentos não consistentes”, tenho uma leve discordância. É possível sim chegar a pensamentos não consistentes e justamente procurar apenas por pessoas que pensem tão inconsistentemente quanto você. Geralmente as pessoas procuram quem concorde com elas, e suportam com dificuldade reprovações e debates. Da mesma forma que é possível manter ricos diálogos internos, saboreando um bom chá na sua sala de estar.
      Qualquer excesso em qualquer lado dessa mesma moeda é perigoso. Mas acho que o foco do post está na questão social que vende a idéia de que ficar sozinho é algo ruim, triste, deplorável, looser, enfim, tudo de ruim. A felicidade está necessariamente nos grupos, eis o eixo central da publicidade, eis o que talvez devemos questionar e perguntar: pq?

    • eva beserra Says:

      amei!!! quer casar comigo??/ kk

      • NAYARA Says:

        LEIA SOZINHO porque no passado eu também não acreditava que ia dar
        certo, mas… funciona mesmo!!! Entrei neste site e fiz esta prece. Fiz
        para ver se ia dar certo e deu, assim que acabei meu amor ligou. A
        pessoa que eu copiei também não acreditava mas para ela também
        funcionou! AGORA VEREMOS… Diga para você mesmo o nome do único rapaz ou
        moça com quem você gostaria de estar (três vezes)(W,L,P)… Pense em algo
        que queira realizar na próxima semana e repita para você mesmo (seis
        vezes). Se você tem um desejo, repita-o para você mesmo (Venha cá ANJO
        DE LUZ eu te INVOCO para que Desenterre (W,L,P) de onde estiver ou com
        quem estiver e faça ela ME telefonar ainda hoje, Apaixonada e
        Arrependida, desenterre tudo que esta impedindo que(W,L,P) venha para MIM
        (W,L,P), afaste todas aquelas que tem contribuído para o nosso afastamento e
        que ela não pense mais nas outros… mas somente em MIM. Que elA ME
        telefone e ME AME. Agradeço por este seu misterioso poder que sempre dá
        certo. Amém…). Publique esta simpatia por três vezesSó mesmo esta

    • kelly Says:

      concordo plenamente com o colega Flavio Croffi…

    • Márcia Says:

      Aplausos, concordo realmente é esse o caminho, a razão do “ser” existir só é validada se existe o outro, afinal as pessoas a nossa volta não podem ser vistas como meros objetos, somo interacionistas o tempo todo.

    • Cinthia Veloso Says:

      Arrasou!!!

  5. anne Says:

    duas utopias numa mesma frase: feliz e sozinho. olha, algum tipo de dependência a gente sempre tem. quem consegue ter filhos sozinho, por exemplo? um tema bom para um post, para filosofar, para constar em histórias, mas não para se viver. passar momentos sozinho, isso sim! mas vc mesmo, quando está sozinho, não escreve para ter a companhia virtual nos comentários? ou lê para ter a companhia de personagens? como vê, a solidão é utopia. e contar apenas conosco, para qquer coisa é algo naturalmente impossível. desculpe-me pela opinião totalmente contrária.

    • Nina Says:

      Não seria igualmente utópico acreditar que nós precisamos totalmente dos outros para qualquer tipo de sentimento positivo? Quantos não se sentem completamente sós no meio da multidão, no seio da família, na saída com um grupo de amigos?

      É necessário um pouco de solidão para desenvolver independência e maturidade. Construir sua própria identidade. Se não vc vira um conjunto de fragmentos desconectados de espelhos.

      Da mesma forma que “algum tipo de dependencia a gente sempre tem”, “algum tipo de solidão a gente sempre tem”. Estar junto, bem como estar sozinho não é garantia de felicidade, como tentam vender os comerciais de banco e margarina.

      • joventude Says:

        Concordo.
        Da minha perspectiva ambas são essenciais, não somos felizes com a solidão, mas também não somos felizes sem espaço para nos próprios. Acho extremamente importante guardarmos tempo para estarmos sozinhos mesmo, para reflectir, colocar ideias no lugar, tirar conclusões essenciais sobre nossos actos e podermos crescer.
        Inevitavelmente todos nós estamos sozinhos em determinada altura do dia/vida. Sozinhos, não no sentido de “estar isolado” da sociedade, mas no sentido de desfrutarmos única e exclusivamente dos nossos pensamentos, porque esses são só nossos e podemos decidir dividi-los com alguém ou guardá-los para nós.
        Acho que cada um tem necessidade de estar sozinho em maior ou menor intensidade.
        Eu adoro estar sozinha.
        E adoro socializar.

  6. Patricia Lerbarch Says:

    Contar apenas consigo mesmo, depender apenas de si, não contar que o outro lhe faça feliz e sim ser o próprio autor de sua felicidade… desculpem-me, isso não tem nada a ver com solidão. Ser ou não sozinho não pode relacionar-se aos casos citados acima. Pode-se, ou melhor, é muito comum estar com alguém e vivenciar estas situações, da mesma forma em que as vivenciamos estando sozinhos.

    Sempre achei que seria mais fácil ser sozinha, mas confeço que não é nada fácil. E falo aqui de solidão verdadeira, não a ausência de um parceiro, ou de alguém para dividir a pasta de dentes.

    É possível sim ser feliz sozinho, mas devemos lembrar que homem nenhum é uma ilha, portanto privar-se da companhia do outro, da partilha, não é a melhor forma.

    • Nina Says:

      Acho que essa solidão a qual vc se refere Patrícia, corresponde a ausência de nós mesmos. Usando uma frase do conto do Anarco, é quando você está com saudade de você. Se perdeu, não se encontra mais, não se vê numa música, em um rosto amigo, em um sorriso, enfim, uma sombra.

      Pq nesse caso, vc nem se tem mais como amigo. Vc não reconhece o cara do espelho.

      Ae fodeu. heheeh

      • Nicky Says:

        Ai, estava ficando emocionada com a profundidade do comentário…

        “Ae fodeu”.

        Ri alto!

  7. Eliane Says:

    Essa é uma crença que aboli da minha vida… As pessoas não só podem ser felizes sozinhas como devem! Buscar no companheiro a felicidade só traz frustração, o outro tem que complementar a nossa felicidade e não ser a razão dela!!!
    É como o Renan disse, solteiro sim, sozinho nunca… Podemos até mudar a frase: solteiro sim, infeliz nunca!!!
    Antes esperava um grande amor para ser feliz, hoje, solteira, busco a felicidade em mim, e a Grace tem total razão no que disse!!!
    Um filme bom que assisti que mostra a realidade também é: separados pelo casamento… Nem sempre estar com alguém é um mar de rosas… muitas vezes é melhor estar sozinho!!!
    Beijos

  8. Heleno Says:

    Ninguém nesse mundo pode nos fazer mais feliz e completo que nós mesmos. Nossos pensamentos, nossas ações tem que nos impulsionar a felicidade, e ninguém além de nós pode fazer isso.

    O problema resume-se a gostar primeiro de si próprio para então, gostar de mais alguém. Ninguém é uma ilha, somos todos arquipélagos cercados de pequenas (ou grandes) ilhas. Não me lembro qual, mas ouvi essa frase em um filme excelente sobre isso: ser solitário.

    Se você é infeliz não culpe os outros, o ambiente ou o clima – é a sua atitude que te faz infeliz. A mesmas coisa é a solidão, ás vezes, ela é uma escolha que pode ter levar (ou não) a felicidade que de alguma forma você almeja.

    É bom estar sozinho consigo: você se conhece, se ama e se prepara para algo maior. Quem sabe, um grande amor ou uma grande decepção, mas algo grande que vai preencher seus pensamentos e vida, e até ter dar alguns sonhos e alguns pesadelos. :D

    Brilhante post Fábio!

    • Nina Says:

      Heleno, faço minhas as suas palavras!! E é essa capacidade de conseguir gerar a felicidade dentro de nós mesmos, de forma espontânea e autônoma é fundamental nos momentos em que a solteirice dói um pouco e vc fica carente de um chamego! ;-)
      Pq, convenhamos gente, movidos por carência a gente só faz besteira! :P

    • Heleno Says:

      Ana,

      Lembrei do filme: Um Grande Garoto (Abou a Boy, 2002) uma comédia divertidissima sobre um cara solteiro, canalha e vazio. Hugh Grant está impagável no papel principal. E como sempre acontece ao canalha (de sorte), quando se apaixona, volta aos trilhos.

      O filme tem um monte de “sacadas”… é a história fidedigna de ser garoto e de ser homem nos tempos de hoje.

      Vejam! recomendo! http://www.imdb.com/title/tt0276751/

    • Heleno Says:

      Ups! perdão Nina! :D que canalhice a minha! trocando o nome das damas :D

    • Camila Alves Says:

      Nem tanto, e nem tão pouco. Estar sempre sozinho é ruim, bem como estar sempre acompanhado é igualmente ruim – até um pouco pior, quem sabe.

      Acredito sim, que ninguém basta a si próprio. Imagine você, se escolhemos viver sozinhos conosco mesmos… de onde viriam as vivências, que nos moldam, ensinam e conduzem à um melhor conhecimentos de nós mesmos?

      Na citação de Cícero, que há no texto, ele diz “Quem depende apenas de si mesmo e em si mesmo coloca tudo tem todas as condições de ser feliz”. Cícero que me perdoe, mas essa afirmação, de tão óbvia, beira a tolice. Contar com outras pessoas é correr um risco enorme. Envolver-se sentimentalmente? Ah, isso é dar um tiro no próprio pé.

      Obviamente, é errado confiar a sua felicidade à outras pessoas. O que você faz da sua vida é responsabilidade sua, e de ninguém mais. Coisas boas e ruins acontecem a todos, o fator modificante é a forma como você vive essas situações.

      Envolver-se com alguém é um risco que se toma por conta própria. É uma escolha sua, e não existe nenhuma garantia. Ora, mas quais garantias temos, nessa vida? A única que me vem a mente é a de que vamos morrer, todos nós. Todas as outras coisas são perfeitamente mutáveis.

      Tenho para mim que a escolha de viver só sob argumento de que não precisamos de outros para sermos felizes é, na verdade, nada mais que um esconderijo. Para que correr o risco de ser decepcionado por outras pessoas? Para que criar expectativas com relação à outras pessoas? Pra que planejar, e ver os planos desmoronarem? São riscos…

      A frase dita no filme Beleza Americana – quando a mãe extravasa a sua frustração com a vida que leva – é mais um desabafo do que um conselho. Desabafo esse feito por uma pessoa ferida e extremamente infeliz com a vida que leva, questionando se escolhas diferentes no passado não a teriam conduzido à tão sonhada vida ideal. Ela deposita toda a culpa do fracasso no marido, como se a responsabilidade pelo sucesso de um relacionamento coubesse a apenas uma das partes. O bom andamento de um relacionamento, por um acaso, é via de mão única?

      Não podemos manipular outras pessoas. Não podemos garantir que o outro vai sonhar os nossos onhos, ou que vai cumprir o planejamento feito a dois. Mas será que não vale a pena correr esses riscos?
      Não precisamos depender única e exclusivamente de outras pessoas para sermos felizes. Nem tanto, e nem tão pouco, lembram? Estar sozinho é uma necessidade natural. Estar acompanhado também é. Que tal um pouco de equilíbrio?

  9. Nicky Says:

    Não lembro as palavras exatas…
    Mas o Nelson Rodrigues, numa entrevista à Clarice Lispector, falando sobre o amor, diz que é quando duas solidões se fazem companhia…

    Achei lindo.
    E acho que faz todo sentido.

    Não só o amor homem-mulher, mas também o amor fraterno.
    A gente precisa cuidar dos próprios interesses, necessidades e fraquezas.
    Em vez de pensar no outro, sejamos egoístas (?). Inevitavelmente atrairemos pessoas com gostos e interesses parecidos com os nossos.

    Não lembro onde eu escrevi, mas quando eu quero ficar sozinha, eu vou pra casa do meu melhor amigo e fico lá, deitada na cama dele, enquanto ele lê um livro ou desenha alguma coisa.

    Vai entender!?

    Acho que sim, a gente precisa olhar pra dentro de si pra se entender, e acho que o Schopenhauer está certíssimo quando diz que as pessoas não se suportam… Mas digo mais! Quanto mais a gente insiste em “se suportar”, mais a gente se compreende e o convívio com as outras pessoas fica mais fácil.

    A gente precisa SIM de solidão, mas somente em doses homeopáticas.
    Acho que é isso.

    =)

  10. Karina Says:

    “estar sozinho, no sentido profundo da palavra, é uma maldição intensa. É horrível para a alma, para o espírito e consequentemente para o bom curso de seus pensamentos e sua vida.”

    É isso.

    Acho que estamos confundindo um pouco os termos aqui.
    Solidão no sentido de independer, ser autônomo e individual, é uma coisa. Solidão no sentido do isolamento, é outra. E se falarmos da solidão no aspecto homem-mulher, então tocamos em um terceiro ponto tb completamente diferente.

    Há pessoas que entram num processo de autossuficiência sem calcular os prejuízos que isso pode causar, muitas vezes irreversíveis. Pode ser um caminho sem volta. Acho que ninguém consegue sustentar uma vida assim mantendo a sanidade, e é aí que pensamento bate com o do amigo aqui de cima.

    Mas se falamos da solidão saudável, daquela que nos traz para mais próximos de nós mesmos, que nos abre os olhos para as ilusões, que nos permite enxergar as companhias vazias… essa, sim, é bacana.

    E se falamos da solidão homem-mulher… bem… uma vez uma pessoa que durante muito tempo viveu sozinha me disse: “a verdade é que ninguém gosta de estar sozinho”.
    Concordo. Concordo se esse “não estar sozinho” significar estar com “a pessoa”. Não com qualquer um que entre na minha vida com a promessa de preencher um espaço que no final das contas vai continuar oco, mas com aquela pessoa que vai tornar a vida realmente uma coisa mais bonita e leve de se viver.

  11. anne Says:

    relendo os comentários, percebi que ninguém quer ficar sozinho na situação homem-mulher. mesmo quem concorda que a solidão serve para preparar-nos para algo maior, fala em “gostar de si para gostar de mais alguém”.

    • Nicky Says:

      Até mesmo o Schopenhauer diz que o objetivo do amor é a continuação da espécie.

      Acho que, de fato, ninguém tem VONTADE de ficar sozinho…

      (Eu, pelo menos, não quero!)

  12. Anarcoplayba Says:

    O problema da solidão é que a gente preenche ela com o que somos.

    Ironicamente, acabei de ler hj “Admirável Mundo Novo” (e assim corrigi uma falha curricular inaceitável). Pelo fim do livro, há o questionamento: “Mas como as pessoas podem suportar os momentos de solidão sem Deus?” “Por isso nós estimulamos que nunca fiquem sozinhas”.

    A solidão faz você olhar pra dentro de si mesmo. Conhece-te a ti mesmo, já dizia o oráculo de Delfos.

    Tentando traduzir em um parágrafo: a solidão incomoda porque nos convenceram que ela incomoda. Precisamos sempre de uma festa, um/uma amante, estar cercado de gente o tempo todo. Nos mostram a solidão como um pesadelo e, assim, nós vamos nos amoldando ao que falam que devemos querer.

    E pululam comédias românticas, Novas e Cosmo’s falando como dar a ele o melhor orgasmo, e a publicidade masculina se volta para arranjar mulher, e por aí vai.

    A solidão é dolorosa porque nos convenceram disso.

    • Karina Says:

      Será que a coisa está tão diluída em nós que não distinguimos mais o que é genuíno e o que nos foi condicionado sentir??
      Sinceramente, n acho que seja só isso.

      Se vc simplificar com “precisamos sempre de uma festa, um/uma amante, estar cercado de gente o tempo todo”, ok. Mas acho que com um pouquinho de reflexão todo mundo chega à conclusão de que isso n significa mesmo coisa alguma. Estamos falando de algo além.
      Dizer que nos convenceram disso ou daquilo parece mais uma teoria da conspiração.
      Os estímulos externos existem? existem. Mas aí vai de cada um se conhecer e identificar até que ponto o que sente é fruto do meio ou de si mesmo.

      A solidão pode ser dolorosa não pq me convenceram disso, mas pq penso no quanto melhor pode ser a vida com as companhias “certas”.

      • Nina Says:

        A questão Karina é que nem todo mundo gosta desse “com um pouquinho de reflexão…”..

        Doses de reflexão, geralmente feitas em momentos de solidão (vc pode até ter boas conversas, mas vai digerir quebra de paradigmas sozinho) conseguem abalar condicionamentos sociais.

        Concordo com o “Tyler” (eternal #fightclubfeelings), e a força na expressão que ele usa deve ser influência do admirável mundo novo, de longe um dos meus livros preferidos.

      • Karina Says:

        Pode ser, Nina.
        Acho que estou tendo tanta dificuldade para absorver essa ideia de “felicidade vendida” pq eu mesma n sinto assim. Não sinto essa forte pressão contrária à solidão. O que enxergo é um estímulo aos grupos, sim, à homogeneidade, o que de alguma forma significa uma crítica ao que é diferente. Mas não uma crítica à vida solitária em si, o foco n é esse. É até lugar-comum esse discurso que aqui mesmo já foi repetido inúmeras vezes, de que a solidão traz autoconhecimento, e tudo mais.
        A Gueixa falou aqui embaixo sobre nossa mente ser a única morada. Esse pensamento é o que sempre me conduziu. O que não me impede de identificar nos momentos com pessoas queridas uma satisfação única, que n se iguala à satisfação proporcionada pelos momentos de solidão. São coisas diferentes que não se excluem, antes se completam.

      • Gueixa Says:

        Eu vou colar aqui em baixo a letra de uma musica gravada pro Vanusa em 1969.
        Elis Regina apresentou a mesma musica na Alemanha em 1972.
        A letra fala da felicidade imposta a nós todos os dias pela propaganda.
        Procurei no Youtube e encontrei o video de elis. Se quiserem ver, vale a pena…O mundo é redondo….
        COMUNICAÇÃO ( musica apresentada em 1969)
        Edson Alencar e Helio Matheus
        “Roda, roda, roda e avisa, um minuto de comercial…”

        Sigo o anúncio e vejo
        formas de desejo
        um sabonete em forma de sorvete
        acordo e durmo na televisão

        Creme dental, saúde,
        vivo num sorriso, um paraíso
        quase que jogado, impulsionado
        num comercial.

        Só tomava chá
        Quase que forçado
        vou tomar café
        Ligo o aparelho e vejo o Rei Pelé
        vamos então repetir o gol
        E na lua eu sou
        mais um cosmonauta patrocinador
        chego atrasado, perco o meu amor
        mais um anúncio sensacional.

        Ponho um aditivo dentro da panela
        Gasolina passo na janela
        Na cozinha tem mais um fogão
        Tocam a campainha, mais uma pesquisa
        e eu respondo que enlouquecendo já sou fã
        do comercial

        Só tomava chá
        Quase que forçado
        vou tomar café
        Ligo o aparelho e vejo o Rei Pelé
        vamos então repetir o gol
        E na lua eu sou
        mais um cosmonauta patrocinador
        chego atrasado, perco o meu amor
        mais um anúncio sensacional.

      • Fabio Hernandez Says:

        Nossa, que música linda. Um grande momento da Elis.
        Gueixa, grato em nome de todos por compartilhar isso conosco.

        Em relação ao assunto em si, que me levou a escrever um novo texto, inspirado na história assombrosa que deu origem a Into The Wild, só queria dizer que discordo completamente da Martha Medeiros quando ela diz que é impossível ser feliz sozinho. Pensar assim nos condena a depender dos outros e a ver na solidão um monstro pavoroso, e não uma companheira que nos permite meditação, reflexão etc

      • Gueixa Says:

        Bom dia Fabio.
        Voce não só um Homem Sincero. É também um homem gentil !
        A solidão.
        Penso que a definição de solidão é que traz tanta discussão.
        Nesse “momento” em que estamos vivendo, onde o imediatisto impera, fico me questionando : ” se as pessoas têm tanta resistência à solidão, porque não cultivam a paciência, a tolerância e o respeito ao outro?”
        Porque o que eu constato diuturbamente são rompimentos entre pessoas que mal se conheceram. E lamúrias. E acusações.
        Depois, e depois é em seguida, coisa de dois, tres dias, essas mesmas pessoas já estão com outras, e se dizem tão envolvidas quanto estavam anteriormente. Para romperem novamente. e lá vêm novas lamúrias, acusações…É um circulo vicioso.
        A minha dúvida é essa: o que é solidão? O que é não estar sozinho?
        As pessoas, até onde eu consigo ver, detestam é se apresentar sozinhas.
        Estão preocupadas é com o olhar do outro e não com o que elas realmente querem.
        Como eu disse, eu moro sozinha. Mas tenho familia, amigos, trabalho e eventualmente “namorados” rsrsrs. Mas em geral estou só. E me sinto bem assim.
        Resumindo: quando eu estiver com alguem é porque quero estar com essa pessoa e não porque me sinto excluída.

        O filme.
        Não assisti mas pretendo. Depois falarei dele.
        Bj

      • Karina Says:

        Gueixa, eu a conheço do blog do Anarco :)

        Estendo a vc as boas-vindas à gaiola das loucas. Aqui o espaço não é nosso mas todo mundo se sente meio anfitrião rsrs

      • Gueixa Says:

        Obrigada Karina…vc ja viu que me espalhei né?

  13. Rafael Says:

    Ainda mais pra quem é introvertido, solidão é uma necessidade.

    Mas. Felicidade só é real quando compartilhada.

    Já viram/leram ‘Na Natureza Selvagem’ (‘Into the Wild’)?

    • Karina Says:

      Eu assisti, não li.

      Não sei se n estava num momento legal para aquele enredo devagar quase parando, mas a verdade é que pulei partes até chegar ao final. Pra eu trapacear assim é pq estava muito insuportável rsrs

      • Bel Says:

        Eu tentei assistyir, e não li – nem sabia que tinha livro. Dormi, enjooei, e parei antes da primeira meia hora, eu acho!

      • R. M. Gonçalves Says:

        Esse filme deve ser assistido “sozinho”, sem sono, sem pressa, e preferencialmente se estiver numa fase de questionamentos e inquietude mentais quanto aos mistérios do mundo, ou, até mesmo, na véspera de pagar aluguel, impostos, financiamento do carro novo, conta de celular, agrhaaaaah… :-)

    • Nicky Says:

      O R M Gonçalves que adora esse filme!

    • Rafael Says:

      Talvez não tenham gostado por não saber que se trata de uma história real. (?)

      • Karina Says:

        putz, Rafael, isso é o mínimo que alguém que vá assistir a esse filme deve saber, né!
        Eu sabia, sim. E fiquei pensando que algumas experiências devem ser interessantes qd vividas, n qd vistas da plateia rsrs

        E, Nicky, eu n ia comentar, mas já que vc tocou no assunto… Já queria assistir ao filme, mas depois que li um comentário do R.M. foi que tive o impulso e peguei pra ver. Acho que n tá dando muito certo eu seguir sugestões aqui da turma, 2a vez que acabo frustrada =/
        rs

      • Nicky Says:

        Ai, Ka… que chato :S

        Acho que você não tá mais na mesma vibe que a gente, hahaha

      • Karina Says:

        necas de pitibiriba!!

        Veja o filme, e depois nos conte!!

    • Nicky Says:

      Aahhh, eu fiquei com vontade de assistir, sim! :P

      Ainda mais sabendo que é uma história real!

  14. Bel Says:

    É muito complicado e contraditório o conceito de solidão. Acho que é necessário buscar um equilíbrio… Estar bem e feliz consigo mesmo é essencial para conseguir viver bem e feiz “acompanhado”, seja por um parceiro escolhido por amor ou por uma família mais ampla, ou mesmo por amigos.

    Quem não suporta ficar sozinho… também será insuportável com os outros. Mas fala sério, NINGUÉM QUER MESMO VIVER SOZINHO, isso é fato.

  15. Karina Says:

    Bom, parece que o tema grudou em mim neste domingo
    =D

    Estava lendo o jornal e deparei com com um texto da Martha Medeiros: “É Impossível Ser Feliz Sozinho?”
    Coincidência ou não, n importa. Mas ela traduz mais um pouco do que penso a respeito:

    “Eu bem que gosto de ficar sozinha. Já tive ótimos momentos comigo mesma dentro de um trem, em frente ao mar, lendo um livro. Mas reconheço que os momentos sublimes, aqueles eleitos como inesquecíveis, aconteceram quando eu estava “avec”. Reconhecer isso não faz eu desprezar a solidão, mas me impede de adotá-la como estilo de vida permanente.
    Sozinha eu posso ser mais livre, mas não sou desafiada. Compartilhar a vida com alguém exige participação: a gente é impelido a se manifestar, a traduzir em gestos e palavras o que estamos sentindo, e isso engrandece o momento, cria vínculo, avaliza o que está sendo vivido, confere magia ao instante, credibiliza aquilo que está nos deixando emocionado.”

    Resumindo além do máximo, minha resposta é: não, não é impossível ser feliz sozinho, longe disso, há momentos únicos que só a solidão proporciona. Mas quando comparamos a felicidade solitária à felicidade compartilhada com pessoas especiais para nós… existe nela uma cor diferente.

    “Pense nos melhores momentos da sua vida: você estava sozinho ou acompanhado?”.

    • Nina Says:

      \o/

      “Sozinha eu posso ser mais livre, mas não sou desafiada”

      Amei Ká.

      O tema grudou em mim o findi todo! Rssrsr……

  16. Ana Whocares Says:

    Sou só, mas não sinto solidão, e isso incomoda muito mais aos outros.

    • Petite Poupée Says:

      A solidao é um ótimo sentimento pra se fazer literatura e música ( rock entao, nem se fala…) mas é mesmo interessante como pouca gente acredita que a solidao pode ser uma alternativa viável…Ana, eu já senti isso…as pessoas se incomodam com a solidao alheia, bem curioso…

      A solidao me acompanha várias vzs, somos amigas rss, no entanto… pra sonhar… é preciso cumplicidade.

      • Nina Says:

        Acho que é pq as pessoas se incomodam toda vez que vc leva uma vida em desacordo com os condicionamentos sociais.

        Ser diferente tem seu preço.

        E na nossa sociedade, gostar de ficar sozinha, ainda mais se mulher, é algo muito esquisito.

  17. Juliana Menz Says:

    e quando me formei em jornalismo, corri até o palco, peguei meu diploma e acabei rapidamente com tudo aquilo:
    - Eu agradeço a mim mesma. Obrigada, Juliana.

    • R. M. Gonçalves Says:

      Juliana,
      Eu nem meu diploma peguei ainda, e isso já faz 2 anos!
      Fui na colação de grau forçadamente, só pra receber uma placa de melhor aluno e tal que não me serve pra nada!
      Formatura? Não participei!
      Peguei o dinheiro que gastaria na festa e fiz uma viagem para o interiorzão :-)
      Não me arrependo de nada…

      • Juliana Menz Says:

        Olha, R.M., eu também não :)
        Foi uma piada em relação ao post.
        Sobre só podermos contar com nós mesmos.
        Eu concordo.
        Não peguei diploma, não fiz festa e nem viagem.
        Já trabalhava na área há um tempão.
        Foi apenas uma etapa. Etapa essa que eu conquistei sozinha.
        Sem paitrocínio. Pagando cada centavo de todas as mensalidades caríssimas da PUC-SP.
        É isso ;)

      • Nicky Says:

        Uuuhhhhh… Entendo vocês… Meu diploma do Mackenzie também está enroscado!

        Sinto-me menos sozinha no mundo, hahahaha

      • R. M. Gonçalves Says:

        A questão não é essa Nicky, mas sim a banalidade das convenções sociais impostas sobre nós. É tudo tão… mentiroso, falso, fútil… certas coisas não merecem comemoração. Estranho isso… enquanto muitos se formam e nunca serão nada, outros tantos sem se formar, serão muito! Admiro quem abandona tudo, e, por exemplo, vai para Camboja ajudar os necessitados voluntariamente… ainda não cheguei lá… mas… i`m think

  18. Eremita Cardoso Says:

    mmm….

    senti falta de algumas verdades escritas por de Nelson Rodrigues sobre o assunto neste post . O tema foi um prato cheio para “o melhor frasista do Brasil”, certo Fabio? lol

    bj

  19. Diego Pollon Says:

    Eu percebi isso também.. a solidão foi transformada numa palavra “forte”..!

    Sim, eu era mais feliz quando não precisava de companhia para tudo, para cinema, shopping, jantar.. coisas do gênero.. talvez não seja tanto a questão da solidão.. o problema é a companhia.. é.. é isso! A companhia te afeta! Te tira da solidão e não te devolve…
    Acho que me falta o estofo necessário pra ser um solitário!

    Abraço

  20. Nicky Says:

    Okay, sobre o filme lá de cima.
    A Karina me OBRIGOU a ser mais honesta.

    Eu ouvi dizer que o filme é chato!
    #prontofalei

  21. Gueixa Says:

    Bem, concordo com o Anarco. Nos fizeram acreditar que solidão incomoda.
    Li os comentários e todos falam em felicidade . Afirmam que os momentos felizes são aqueles em que estamos acompanhados.
    Eu gosto de estar com gente. Adoro trocar ideias, rir, andar acompanhada e por vezes ficar calada ao lado de alguem.
    Só acho que o problema está na definição do que seja solidão.Moro só mas não vivo só. Tenho um trabalho, familia, amigos,eventualmente namorados. Mas gosto de voltar pra casa. Não me sinto em “solidão”
    Todos nós surtamos…
    Eu surto várias vezes ao dia rsrsrs. E continuo…continuo e continuo.
    Quanto a seguir pela estrada sozinha, eu acho que somos seres solitários, afinal nossa mente ( verdadeira morada) é única. Podemos encontrar pessoas que têm algo em comum, mas ainda assim, somos seres únicos.
    Acho que se a gente conseguir assimilar isso, continuaremos surtando rsrsrs, mas sairemos de cada surto com mais facilidade e controle.
    E, certamente encontraremos alguem para seguir a nosso lado pela estrada da vida. Um companheiro, nada de cara metade, por favor.
    Não precisamos de ninguem que nos complete. Não existe isso.Existem isso sim, muitas pessoas completas e muito interessantes, com as quais é gratificante e maravilhoso a gente interagir, viajar, conversar, trocar experiências, enfim…
    Viver a vida e celebrar cada momento dela. É nosso maior tesouro. Um tesouro individual para cada ser. Ninguém jamais poderá viver as nossas emoções. Como um livro,que pode ser lido por “n” pessoas, mas ele sempre será único para cada uma delas. Nossa vivência e consequencias dela, pertencem unicamente a nós.É disso que somos formados.
    E quanto a tal felicidade, vou fazer uma tentativa tosca dem definir: felicidade é um estado de espirito em que a pessoa se sente tranquila. Sem maiores tumultos emocionais. Mas jamais acomodada.

    “Na realidade, não seria isso o Éden, meu caro senhor: a vida bem engrenada?” [Camus]

    • Nina Says:

      Os nossos surtos diários não seria exatamente quando nos deparamos com desafios/obstáculos que nos obrigam a questionar nossos próprios condicionamentos?

      De qq forma amo esses surtos! =D

  22. Scarlett Says:

    Há sentimentos que andam cá dentro há muito tempo. E eu nem sabia que existia, se calhar, não sabia como falar. Posso repetir cada palavra aqui dita. Faz quatro anos que ando sozinha pelo mundo. E isso, isso não faz de mim uma pessoa menos feliz, menos capaz, de menos sucesso. Pelo contrário, sinto que aprendi mais nestes anos do que no resto da minha vida. E é tão simples, se alguém consegue ser solitário e ser feliz, vai saber ser feliz na companhia de alguém. E não me venham com tretas, a solidão não é pecado, nem castigo.

  23. R. M. Gonçalves Says:

    Não tive tempo ainda de ler os coments acima, portanto não sei se foi indicado um filme sensacional:

    INTO THE WILD
    (Na Natureza Selvagem)

    Trata o tema da solidão magistralmente, e foi baseado num fato real, de um jovem americado que abandonou tudo (famiília, amigos, dinheiro) para viver recluso, longe da sociedade que, dizia ele, “contaminava as pessoas”.

    Abs, Robson.

    • Karina Says:

      Ih, R.M., o filme não só foi citado como comentado hehe

    • Nicky Says:

      ah háaaa! O que eu falei??? :D

      Vamos lá, “A sociedade contamina as pessoas.”

      Já dizia Rousseau que “o homem é bom, a sociedade o corrompe”.

      Mas a sociedade É o homem. E se um homem corrompe outro homem, como ele pode ser bom?????
      Novamente temos aquela coisa de excessos.

      Não acho que é preciso viver recluso pra “se encontrar”.
      Como não acho que é preciso ter pessoas ao seu redor o tempo todo.

      Falamos, antes, em felicidade, não foi?
      No meu conceito, não existe felicidade absoluta, só MOMENTOS felizes.
      E os nossos momentos felizes têm as mais variadas motivações. Às vezes um momento feliz é jogar poker com os meus amigos na faculdade, às vezes é tocar violão sozinha no meu quarto ou ficar lá lendo um livro…

      Auto-conhecimento é bacana… bla bla bla… tornamo-nos pessoas melhores… Mas peraí!
      Até esse “melhores” é relativo, não? Melhores pra quem? Pra si mesmo? Pra sociedade?

      Ninguém consegue ser sozinho… A gente enlouquece!
      O que a gente precisa, sem dúvidas, é aprender a FICAR sozinho.
      Depois que você aprende a ficar sozinho, é muito mais fácil conviver com outras pessoas.
      Acho que é mais ou menos isso que o Nelson quis dizer ao definir o amor como “duas solidões que se fazem companhia.”

      Beijo.

      • Anarcoplayba Says:

        Ironicamente, lendo os comentários, vi que eu não fui o único que me inspirei em Admirável Mundo Novo quando comentei.

        Eu ia colocar mais umacitação, mas como a net tá ruim, vai ter que ir de cabeça:

        A felicidade é uma prisão, Evey. A felicidade é a mais insidiosa das prisões!
        “Eu não me importo! Eu tinha um amor! Eu era feliz!”
        Era? Era esse o destino que você queria? Viver recurvada com a pequenez de sua cela, varrendo a imundíce dos outros presos, até um dia, ser esfaqueada com um cutelo?
        “Como… como você sabe?”
        Não é um destino incomum. Todos, seu pai, seu amante, sua mãe… levados para trás do depósito de produtos químicos e… fuzilados.

        Melhor pra quem, Nicky? O problema é que estamos usando um léxico que eu acho que está errado: não é self-improvement, é auto-conhecimento. É encontrat Javeh (o “Eu Sou”) é se conhecer e, se conhecendo, conhecer o universo.

        Não é necessário. A maioria vive sem nunca dar um passo consciente nessa direção, diverte sesus dias com sua música, suas drogas, seus jogos eróticos… Aqueles que, no entanto, conseguem afirmar a própria individualidade, apesar da massificação, vão para a Ilha.

        E eu adoraria um exemplo contrário, mas se conhecer passa indissociavelmente pela solidão.

        E a Loucura, nada mais é do que uma razão que não te convence.

  24. Nina Says:

    E depois de todo esse papo de solidão, ‘bora pro bar beber cerveja galera!! =D

    • Nicky Says:

      Yeeeeeeeeeaaaaaaaaaah :D

    • Karina Says:

      Iupiiiiiiiiiii

      De preferência, não ao meio-dia ;p

      Mas esse papo de solidão é fichinha perto de outros muito piores: velhice solteira e ausência de filhos por opção.
      Dão pano pra uma burca inteira. Ai.

      • Nina Says:

        Ausencia de filhos por opção –> guria, é triste, mas por mais que eu tente meu instinto materno não aflora!

    • Gueixa Says:

      Cerveja! Isso é bom!
      E depois, como diz Caetano, “ta provado que só é possivel filosofar em alemão”…rsrsrs
      Então às cervejas!
      Bj

  25. R. M. Gonçalves Says:

    Pronto, agora eu li tudo!
    (esse post tá irresistível)

    -> Karina, gostei da sua visão, mas tenho uma dúvida:
    Você teria coragem — ou se conformaria em — (de) viver afastada da sociedade, das pessoas, do trabalho, dos bens materiais, do conforto de uma cama macia num quarto com paredes limpas, do dinheiro, do celular, da internet, enfim, de todo bem estar social, nem que fosse por um breve período de tempo, digamos, de dois meses?

    -> Nicky, também gostei das suas colocacões, mas ainda acho que você deveria assistir ao filme, pois não se trata apenas de auto-conhecimento com o intuito de se tornar alguém melhor; é muito mais que isso. O jovem que fez isso, além de enxergar o mundo de uma forma diferente, tinha dentro de si uma crise existencial enorme, devido a vários motivos que são mostrados no filme. Para se ter uma ideia, ele lia e citava de cabeça autores como Tolstoi e H. D. Thoreau, que tinham uma ligação íntima com um estilo de vida frugal longe de tudo que — palavras deles — os envenenacem.

    A vida é muito mais simples do que parece, os animais bem sabem… somos nós que a complicamos.

    Abs, Robson.

    • Nicky Says:

      Então o problema dele era pensar demais e viver de menos?
      Aí já é ooooutra história.
      Eu sei citar vários autores de cabeça, às vezes em latim e em francês, mas não tenho crises existenciais.
      Virtus in medium est. A virtude está no meio.

      Sobre a solidão (last comment, I swear!), como eu disse, é boa em doses homeopáticas.
      Eu não encararia, NO WAY, ficar dois meses isolada do mundo.

      A não ser, é claro, se fosse uma Lua-de-mel num vilarejo italiano.
      hihihi

      Assistirei ao filme assim que a preguiça permitir. ;)

      Um beijo!

      • R. M. Gonçalves Says:

        Nicky, acho que o jovem americano, num curto espaço de tempo, viveu MUITO MAIS do que muitos “pensam que vive” por aí…

        Há pessoas que trabalham a vida toda, e quando chegam lá no final (independentemente de fortuna ou não) perguntam-se: “pra quê, afinal, fiz tudo que fiz?”

        Me lembrei da música “Epitáfio”, beautiful song…

      • Karina Says:

        R.M., acho que a insatisfação dele era com a vida mesmo, n com estilo de vida. Não por acaso, ele se deixou morrer. Para esse rapaz, a vida não bastava, a procura era por algo além disso.

      • R. M. Gonçalves Says:

        Karina, pode ser… mas, na realidade ele não se deixou morrer — embora deu motivo para isso. O que ocorreu, foi que quando ele decidiu voltar, depois de ter vivido aquela experiêcia que, digamos, o transcendeu, ele não conseguiu, devido às cheias dos córregos que descongelam no verão do Alaska. Ficou preso ali.

        Então, com escassez de alimentos (frutas e caças) ele resolveu se alimentar com plantas. Se enganou com uma espécie que pensou ser comestível, quando na realidade era venenosa, e deu no que deu, devido a esse descuido, mesmo estando com um livro sobre essas plantas. Foi um equívoco.

        O que aprendi com o filme, é que o mundo, a sociedade, pode me jogar na sargeta! Pode-se instalar uma ditadura e posso virar um preso político; posso ser algo de preconceito, posso ficar velho e desempregado, sem perspectivas… mas, isso jamais me abalará, pois a natureza existe, e eu também existo! E com isso, nada mais é necessário ;-)

      • Karina Says:

        ahhhh. Ok, Robson. Como falei, pulei partes do filme, então isso de que ele pretendia voltar foi cortado da minha sessão. Vou me aquietar pq corro o sério risco de só dar bolar fora rsrs

    • Nina Says:

      Dois meses nessas condições é tanto tempo que tende ao infinito!!! rsrsrsrs…

      O post sobre solidão fez com que todos se juntassem para discutir! Rá! =D

      Quanto ao filme, a primeira descrição me pareceu um caso de T. de Personalidade Esquizóide. Ok, sorry, as vezes meu lado psico fala mais forte. Mas vou me esforçar e ver o filme com olhar artístistico-vivencial, não acadêmico-classificatório. =P

      • Nicky Says:

        artístico-vivencial e não acadêmico-classificatório?
        Há!

        Se eu, que sou uma reles mortal, quase não consigo separar as duas coisas, imagina você, tia!? :|

        Se conseguir, me conta!
        rs

      • R. M. Gonçalves Says:

        Isso, Nina!
        Vou ficar ansioso por suas impressões ;-)
        Bjs…

      • Nina Says:

        Assim sobrinha: os pensamentos são involuntários, as classificações e julgamentos pululam em nossa mente. A questão é o que vc vai fazer com eles, e aqui dá para aprender a ter controle e até descartar pensamentos. Se a minha meta é fazer um trabalho psico, eu aprofundo meus pensamentos nessa “vibe”. E dá trabalho, é uma energia focada. Se eu não to a fim, eu lembro que isso não é tudo na vida e outras alternativas são possíveis, e penso em outra vibe.

        é um desafio.

      • Nicky Says:

        Hummm… Dá trabalho…

        Minha ex-professora de análise do discurso que brincava com a gente.
        “Vocês nunca mais vão ler qualquer coisa sem esse olhar crítico. Conformem-se.”

        Dizem os ingleses ( eu acho) que “Ignorance is bliss…”
        Mas eu não acho. Ter conhecimento, apesar de meio tenso, às vezes, é que é bliss! ^^

      • Karina Says:

        yep. Principalmente se é aquele conhecimento arrogante.

      • Nicky Says:

        Tipo……. oi? Conhecimento arrogante?

      • Karina Says:

        huahuahuahuahua

        aquele conhecimento que te coloca antolhos e deixa mais bitolado do que se vc fosse um feliz ignorante aberto a tudo (sem gracinhas, hum?)

    • Karina Says:

      Não tenho vontade, Robson. Se o desejo surge, abrir mão disso tudo é só um detalhe. Se vc é movido por uma insatisfação instalada, como é o caso do rapaz do filme, a coisa flui.

      Uma vez estava em Paraty e um sujeito puxou papo e foi contando que largou a vida no Rio para viver lá da forma como achava melhor, ligado à natureza e longe dessa balbúrdia. Comentou que namorava uma médica e num encontro com os amigos dela, quando perguntaram o que ele fazia, respondeu que a vida dele era viver em um lugar pelo qual eles trabalhavam um ano inteiro em busca de 10 dias de férias.

      Eu era adolescente na época e fiquei com isso na cabeça. A princípio parece uma coisa grandiosa, uma atitude corajosa, mas esse verniz de nobreza some se a gente olhar com simplicidade. Ele foi movido por um desejo genuíno, e só. Por enquanto, esse desejo não se manifestou em mim, eu n teria desprendimento para deixar para trás os desafios que essa nossa vida louca nos impõe, por mais que enxergue atrativos na escolha dele e de tantos outros. E pensando nisso vejo que minha questão não é nem conforto nem exatamente dinheiro, é estilo de vida mesmo. Pode ser que um dia canse de tudo. Mas não vou ser melhor ou pior por isso. Vou estar só seguindo um caminho alternativo. Tudo são escolhas.

      • Karina Says:

        Só agora me ative ao detalhe dos “dois meses”. Falei tudo pensando numa vida toda. Sorry. Sendo dois meses, meu querido, perfeitamente.

      • R. M. Gonçalves Says:

        Pensamos igual, Karina :-)
        E por algum motivo isso mareja meus olhos com lágrimas…

        Eu, por enquanto, estou na onda dos 10 míseros dias de férias por 300 e tantos de trabalho árduo. Mas sei que isso vai mudar… minha intuição nunca falhou… e desejos genuínos, todos temos dentro de nós! Um dia ele tende a aflorescer…
        Bjs, Robson.

      • Karina Says:

        ; )

        Mas viver longe das pessoas e da sociedade, bem, aí já n sei se um dia optaria por isso. Eu teria que estar numa vibe (para usar o termo que a Nicky inaugurou aqui ontem rs) muito diferente, me sentir muito inadequada ao mundo, para desejar isso.

      • R. M. Gonçalves Says:

        Verdade!
        Seria suficiente pra mim uma vida mais simples, a qual sei que nunca será tarde para buscar ;-)
        E às vezes, optar por uma vida mais simples, não significa viver na pobreza, na reclusão; pelo contrário, pois conheci um senhor que abriu uma pizzaria natural em Visconde de Mauá – RJ, que me disse o seguinte:
        “Robson, em São Paulo eu trabalhava feito um condenado, não tinha tempo nem pra mim, nem pra minha família! Chutei o balde e vim pra cá! Abri a pizzaria, trabalho com turistas, trabalho 10 vezes menos do que antes, e ganho 2 vezes mais! Incrível… se eu soubesse teria feito isso quando ainda era jovem”.

        Delirem-se:
        www . viscondedemaua . com . br

  26. Nicky Says:

    Okaaaaaaaaaay, o Robson cometeu o crime capital de contar o final do filme.

    Não vou mais alugar! hunffff.

    E Ka, “falou pouco, mas falou bonito!”. Hahaha

    Se eu me sentisse muito inadequada ao mundo, eu mudaria de cidade, de faculdade, de círculo social, voltaria a lutar, faria yoga… sei lá!

    Acho que a gente atrai pra perto de si pessoas que estão na mesma vibe (gostou???) que a gente.

    Já leram/viram O Segredo?
    É mais ou menos isso… :)

    • Karina Says:

      Esse lance de se sentir em alguns momentos inadequado faz parte. Mas para alguém se isolar é pq é um sentimento estupidamente forte, e deve ser um sofrimento tremendo.

      • Karina Says:

        hum.. n vi, não. nem li.

      • Nicky Says:

        Rola marketing best-seller do tipo “hey, isso vai mudar sua vida!”, mas ignore isso, rs.

        É uma teoria bem interessante… Vale a pena pelo menos saber do que se trata.

        E considerando o discurso pedagógico/didático/altamenterepetitivo do livro, assista ao filme que é menos irritante.
        (Não consegui chegar na METADE do livro :|)

    • R. M. Gonçalves Says:

      Nicky, nós sabemos que vamos morrer, e nem por isso deixamos de viver ;-)
      Portanto, see the movie, hehehehe…

      • Nicky Says:

        Uuuhhhhhh… Depois desse argumento cavalheiresco, acho que não tenho escolha, rs.

  27. Pê Sousa Says:

    FH,
    lendo este seu post, me ponho a pensar que a tônica de tudo o que escreve é uma tentativa – ainda que impossível – de compreender a solidão, a minha, mais precisamente.
    Ao mesmo tempo que ela tem sugado de mim a vontade para a socialização, para estar no meio das demais pessoas, por outro lado eu a tenho evocado com insistente sofreguidão. E é exatamente a pergunta que me faço todos os dias que confirma esta busca absurda: quão só estou hoje?…

    • Karina Says:

      Hoje, mais precisamente agora, mais precisamente aqui, vc não está só. Bem-vindo à gaiola das loucas =DD

    • R. M. Gonçalves Says:

      Pê, a vida seria muito chata e monótona sem essas inquietações… basta controlá-las e fazer o que é melhor pra você! O importante é que sempre podemos mudar o caminho ;-)

  28. Pê Sousa Says:

    quis dizer “tônica de tudo o que escrevo”.

    Hug.

  29. Roberta Says:

    Discordar de Martha Medeiros? Passatempo que cultivei por anos. rs.

  30. Karina Says:

    Como fui eu quem trouxe o texto à baila, cá venho eu de novo…

    Ela não diz que é impossível ser feliz sozinho, Fabio Hernandez. O título é uma interrogação. No final das contas, a opinião dela é: “Estando sozinhos, a sensação interna sobre o que está sendo vivido é quase triste, mesmo que não seja. Juntos, até o que não parece alegre, fica.”

    E nisso, sim, tb discordo, pq generaliza nos dois extremos.
    Mas o corpo do texto é ponderado e faz sentido.

  31. Jorge Gustavo Says:

    Li tudo o que foi escrito, mas não com o rigor que deveria…de qualquer forma, se vcs quiserem um filme sobre solidão sem ser pessimista, temos “Amor sem escalas” (Up in the air), do Jason Reitman.

    • Karina Says:

      Taí um que quero ver.

      A última frase que transcrevi do já criticado texto da Martha Medeiros é uma citação do filme. Como n assisti, estou acreditando nela.

      “Pense nos melhores momentos da sua vida: você estava sozinho ou acompanhado?”.

      • Anarcoplayba Says:

        Se me permite uma frase chupada de um testo antigo (http://anarcoblog.wordpress.com/2007/07/17/sobre-o-pior-dia-da-minha-vida-e-sobre-aquela-puta-chamada-morte/):

        A gente morre sozinho.

        Na hora derradeira, quando visitados pela indesejada das gentes, vai ser a sua vida julgada por você mesmo. Aí não vai ser filho, marido, mãe, pai, amigo, irmão… Vai ser você com você mesmo. Você olhando e descobrindo se viveu de acordo com os seus princípios.

        E pra saber quais os seus princípios, vc tem que saber quem vc é.

        Só aí vc vai descobrir se conseguiu a maior de todas as ambições: casar livre-arbítrio com destino.

      • Karina Says:

        Bom texto, Anarco. Cheio de verdades. E…?

        No fim somos só nós com nós mesmos. Mesmo depois do fim, não importa o quão importante sejamos para alguém, a vida vai continuar seguindo, o mundo não para.

        Uma vez eu disse que a importância que temos para as pessoas é uma grande ilusão. Pq no final ninguém vai morrer por nós, todos buscam sempre mais e novos estímulos para viver. Assim é e assim deve continuar sendo. O mundo precisa que a vida continue. Ter consciência disso provoca em mim certo desapego.

        Só n entendi o que tem a ver uma coisa com outra.
        Penso assim e o fato de pensar assim n interfere em nada do que já falei. Deveria?

      • Anarcoplayba Says:

        “Pense nos momentos mais felizes da sua vida: vc está sozinho ou acompanhado.”

        Eu respondo, pense no mais importante: a hora da morte.

      • Petite Poupée Says:

        Nossa Anarco, nessa vc foi tao…tao…Saramago…

        A gente nao deveria viver uma vida na qual a morte nao fosse o momento mais importante dela? Ops. errei de lugar rss

      • Anarcoplayba Says:

        Na verdade, Petite (Ja falei que Petit era meu apelido de infancia), fui meio Gaiman, que escreveu uma mini-serie chamada “Morte, o Grande Momento da Vida”.

        P.s. Teclado desconfigurado.

      • Petite Poupée Says:

        rss… é um singelo apelido,mas começo a desconfiar que vc quer me dizer algo a mais com isso… ;)

        P.s Teclado sem til.

    • R. M. Gonçalves Says:

      Yes, Jorge!
      Só acho que “Amor sem escalas” trata mais o tema “individualismo” e não solidão.
      Tive impressão de que o filme aborda as tentativas frustradas de relacionamentos supeficiais em que o trabalho está sempre em primeiro plano.

      • Jorge Gustavo Says:

        Na realidade, acho que o tema principal do filme é as escolhas que devemos fazer em função do modelo capitalista no qual estamos inseridos.

        O personagem do Clooney é, de fato, um individualista mas que, no limite, não deixa de ser um solitário por opção. E que considera todos os vínculos – de amizade, de romance – como bagagens que devem ser deixadas de lado de modo a propiciar uma vida mais prazeirosa. Inclusive, ele tem um fala – I like to travel light – na qual o verbo “travel” pode ser compreendido como uma menção metafórica ao ato de viver.

      • R. M. Gonçalves Says:

        Isso, Jorge! Bela interpretação do filme, inclusive sobre a “bagagem” que ele alusivamente afirma em suas palestras ser algo totalmente prescindível.
        Achei no mínimo interessante quando ele diz que o ser humano não precisa de nada mais daquilo que cabe dentro de uma mochila.

        Embora a vida do personagem seja rodeada de pessoas (clientes, aeromoças, e até sexo casual) ele não deixa de ser um solitário.

        Abs, my friend!

  32. Srta. O Says:

    Post maravilhoso. Enfim uma ode à solidão. Isso que me faz arranjar tempo no trabalho pra vir dar uma espiada aqui. Abraços, FH!

  33. Mariana Says:

    “Em pleno pesadelo, quando já não resta nada, resta isto: a relação afectiva, mesmo com um cão. Poder dar ainda. Para nos sentirmos humanos. Sentirmos que ainda contamos para alguém. E isso é mais forte do que a fome, mais forte do que o medo. (…) Esta chave do nosso cérebro emocional não depende unicamente do amor do nosso companheiro (a). Depende da qualidade de todas as nossas relações afectivas. Com os filhos, os pais, os nossos irmãos, os nossos amigos, os nossos animais. Porque o importante é o sentimento de podermos ser nós próprios, completamente, com outra pessoa. (…) Sentir-se compreendida nas suas emoções. Saber-se útil e importante para alguém. E ter um mínimo de contactos físicos calorosos. Ser amada, simplesmente. Como todas as plantas que se viram para a luz do sol, precisamos da luz do amor e da amizade.” – David Servan-Schreiber

  34. um boi qlqr Says:

    Brilhante.

  35. Alexandra de Morais Says:

    Cheguei a uma idade onde tenho certeza que não preciso me casar, ter filhos e uma vida comum como a sociedade impõe.
    Quero apenas atender aos meus desejos, sem magoar alguém ou mesmo a mim!
    Não precisamos nos isolar de tudo e todos tb.
    Aprender a ter os dois é algo que estou aprendendo.

  36. Gueixa Says:

    Oi Fabio, acabei de assistir ao filme e ainda estou impactada.
    A cena que não me sai da cabeça é a do pai dele pressentindo a morte do filho. O desespero, a culpa, a impotencia estampada no rosto dele… Willian Hurt estava soberbo!
    E acompanhando a viagem de Alex, confirmei uma frase que li sobre a solidão: ” Nada nos deixa tão solitários do que nossos segredos” Paul Tournier.

  37. RoCosta Says:

    Não: Não quero nada.
    Já disse que não quero nada.

    Não me venham com conclusões!
    A única conclusão é morrer.

    Não me tragam estéticas!
    Não me fallem em moral!
    Tirem-me daqui a metafísica!
    Não me apregoem sistemas completos, não me enfileirem conquistas
    Das ciências (das ciências, Deus meu, das ciências!) —
    Das ciências, das artes, da civilização moderna!(*)

    Que mal fiz eu aos deuses todos?

    Se têm a verdade, guardem-na!

    Sou um técnico, mas tenho técnica só dentro da técnica.
    Fora disso sou doido, com todo o direito a sê-lo.
    Com todo o direito a sê-lo, ouviram?

    Não me macem, por amor de Deus!

    Queriam-me casado, fútil, quotidiano e tributável?
    Queriam-me o contrário disto, o contrário de qualquer coisa?
    Se eu fosse outra pessoa, fazia-lhes, a todos, a vontade.
    Assim, como sou, tenham paciência!
    Vão para o diabo sem mim,
    Ou deixem-me ir sozinho para o diabo!
    Para que havemos de ir juntos?

    Não me peguem no braço!
    Não gosto que me peguem no braço. Quero ser sozinho.
    Já disse que sou sozinho!
    Ah, que maçada quererem que eu seja da companhia!

    Ó céu azul — o mesmo da minha infância —
    Eterna verdade vazia e perfeita!
    Ó macio Tejo ancestral e mudo,
    Pequena verdade onde o céu se reflete!
    Ó mágoa revisitada, Lisboa de outrora de hoje!
    Nada me dais, nada me tirais, nada sois que eu me sinta.

    Deixem-me em paz! Não tardo, que eu nunca tardo…
    E enquanto tarda o Abismo e o Silêncio quero estar sozinho!
    Fernando Pessoa.
    **************************
    Confissões de uma mulher sincera:
    Fui mãe solteira aos 20 anos e aos 40 ainda não me convenci que exista melhor companhia do que a minha. Tive namorados, mas não gosto da idéia do compromisso; da idéia de duas vidas que se transforma em uma. Gosto de homem, mas em dose homeopáticas :-)… então quando ouço o samba Satisfeito da Marisa Monte (Você me deixou satisfeito/Nunca vi deixar alguém assim/Você me livrou do preconceito de partir/Agora me sinto feliz aqui/Quem foi que disse que é impossível ser feliz sozinho?/Vivo tranqüilo, a liberdade é quem me faz carinho/No meu caminho não tem pedras, nem espinhos
    Eu durmo sereno e acordo com o canto dos passarinhos) … sinto minha vida sendo cantada :-)
    Forte abraço!

    • Anarcoplayba Says:

      “E todo mundo é sozinho, e ai de quem pensar que não. A moça com seu vizinho, soldado com capitão. E a quem perguntar pra onde o vento sopra, responda quem já soprou. Hoje é preciso a solidão em nome do que acabou. Homilia.”

  38. Galeno Says:

    Nossa! Até que enfim encontrei pessoas que compartilham do mesmo sentimento que a respeito do assunto. Tenho estado sozinho por muito tempo e a cada dia aprecio mais essa condição. Me relaciono com pessoas todos os dias no trabalho e tal, mas quando estou sozinho sinto que esse é o meu momento, que preciso disso. E esses momentos não são curtos nem difíceis de acontecer, são longos e constantes. Sou solitário por opção, pq acho que quanto menos pessoas houver ao meu redor, menos problemas e decepções terei. Não suporto o fato de ter que deixar a minha felididade nas mãos de outra pessoa, ninguém sabe o que fazer com ela a não ser eu mesmo. O mais intrigante é que essa opnião causa um certo “abalo nas pessoas. Alguns dizem que é amargura ou decepção, mas eu digo que não, pois bem, pode até ser. Mas será que não devemos aprender nada com os infortúnios? Devemos passar o resto da vida dando murro em ponta de faca simplesmente pq temos medo de ficar só? Eu realmente não entendo como a esmagadora maioria das pessoas ainda conseguem ter essa idéia arcaica de que precisamos de alguém do nosso lado pra nos fazer feliz. Pois eu acho que é o extremo oposto, as pessoas que estão do nosso lado que são as responsáveis por nossas tristezas. Desde que decidi ser solitário nunca mais tive motivos para viver em tristeza, faço as coisas por mim mesmo desde que acordo até quando me deito(sozinho) e me sinto muito melhor assim. Não abro mão do sexo, beijos e abraços, mas também não abro mão de ter o controle da minha felidade e acho meio difícil encontrar alguém que pense da mesma forma para uma relação e é por isso que eu optei por ser solteiro e feliz.

    • juventude Says:

      Gostei do teu comentário, fez-me tirar algumas conslusoes…
      Ha já algum tempo que tenho vindo a pensar neste assunto, ser feliz sozinho… ou buscar a felicidade nos outros. O que dizes faz todo o sentido, “Não suporto o fato de ter que deixar a minha felididade nas mãos de outra pessoa, ninguém sabe o que fazer com ela a não ser eu mesmo”; mas nao será que muita gente nao suporta a ideia de ficar sozinho, pelo simples facto de nao saber o que a faz feliz???
      Eu propria, nao me conheço completamente, nao sei como reagiria em determinadas situaçoes, e em determinadas situaçoes nao compreendo o que faço… desde logo, tenho também dificuldade em saber o que quero e o que me faz feliz… Sei que a felicidade nao está no outro, mas acredito que o outro é quem a complementa… como a cereja em cima do bolo… nao é absolutamente imprescindivel que ela lá esteja, mas dá um toque inigualavel ao bolo!!!
      Só nao concordo tao plenamente, quando dizes “acho que quanto menos pessoas houver ao meu redor, menos problemas e decepções terei”, assim estás como que a fechar o teu coração, não acredito que uma pessoa tenha de se cingir à sua existencia, ignorando o prazer de estar em grupo.

  39. รีสอร์ทนครนายก Says:

    Muitos filmes tenham se apagado, não acho que isso é um bom filme até que eu veja.

  40. Rubens Says:

    Fazia séculos que eu não lia uma coisa tão interessante como essa. Sinto-me totalmente identificado, e tudo o que foi dito no post e nos comentários, pra mim é muito mais simples de se explicar: ficar sozinho é o melhor jeito de não brigar com ninguém. Parabéns e obrigado pelo post.

  41. Fabiano Says:

    Cheguei até esse post recomendado por uma amiga. Bom texto, bons comentários.
    Mas, sem filosofia alguma: moro sozinho há quase dois anos. Tem horas que é ótimo. Tem horas que é péssimo. Realmente, não sei se quero ser sozinho ou ser acompanhado.
    Só sei que tudo tem seu preço.

    • joventude Says:

      Também moro sozinha.
      E tal como tu, tem vezes que sabe bem ficar sozinho. Tem alturas em que me sinto perdida e sem rumo.
      Por muito tempo achei que só seria feliz ao lado de alguém e saltitava de flirt em flirt em busca da cara metade. Eram essas pequenas paixões que me davam gozo viver, a ânsia de encontrar a pessoa certa…
      Quando me apaixonava por alguem adorava estar com essa pessoa, mas sentia-me igualmente bem sozinha, porque sabia que essa pessoa estava la para mim, à distancia de uma toque.
      Mas depois de dois desgostos amorosos, estou agora numa fase em que acho que O AMOR NÃO EXISTE! E o que me tem custado mais é estar sozinha…
      Não consigo entender! Parece que quero sempre o que não tenho…

    • juventude Says:

      Também moro sozinha.
      E tal como tu, tem vezes que sabe bem ficar sozinho. Tem alturas em que me sinto perdida e sem rumo.
      Por muito tempo achei que só seria feliz ao lado de alguém e saltitava de flirt em flirt em busca da cara metade. Eram essas pequenas paixões que me davam gozo viver, a ânsia de encontrar a pessoa certa…
      Quando me apaixonava por alguem adorava estar com essa pessoa, mas sentia-me igualmente bem sozinha, porque sabia que essa pessoa estava la para mim, à distancia de uma toque.
      Mas depois de dois desgostos amorosos, estou agora numa fase em que acho que O AMOR NÃO EXISTE! E o que me tem custado mais é estar sozinha…
      Não consigo entender! Parece que quero sempre o que não tenho….

  42. BRENNA Says:

    LI E ADORE, QUE AINDA NÃO ASSITI

  43. joselice Says:

    Oi, pra todos. Li quase todos os comentários e me identifiquei com alguns, sou extremamente timida, com muito complexo de inferioridade e depressiva. Não é fácil pra mim expor as minhas carencias e limitações; tenho 44 anos, um filho e o pai do meu filho mora comigo, sou muito solitária! no verdadeiro sentido da palavra, passo o dia todo dentro de casa sozinha, desculpem: tenho dois cachorros e dois passarinhos que me fazem companhinha. Tenho vergonha de contar isso assim, porque a culpa de viver assim é minha, não me dou valor e fico sempre esperando que os outros lembrem de mim, quando quem deveria lembrar que eu existo sou eu mesma!. É verdade o comentario que diz “as pessoas é que não se suportam”, eu não me suporto, não gosto do que vejo no espelho, gostaria de ser outra pessoa, de estar em outra pele, de ter nascido em outro país, em outra familia, de nascer de novo e fazer tudo diferente. Sou muito infeliz e não sei o que fazer pra mudar isso, trabalho em casa mesmo, ganho algum dinheiro sem precisar sair de casa, o que me deixa ainda mais isolada, sinto falta de conversar com as pessoas de sair , passear…, não tenho com quem fazer essas simples coisas e não sou capaz de me divertir sozinha. To sem rumo, velha, acabada….

    • Karina Says:

      Oi, Joselice. sei lá se vc vai voltar aqui, mas estava passando, li seu comentário e vou arriscar dizer algumas coisas. Talvez tenha escrito só pra desabafar mesmo e nem espere resposta ao que sequer perguntou, mas, bom, tô aqui rsrs

      Diante do que vc já disse, há duas alternativas: ou vc se enterra nesse mundo que criou e no qual decidiu acreditar, ou reúne força pra seguir adiante e descobrir tanta coisa boa que há em vc e no mundo que existe fora da sua “realidade”. Pq nada que vc gostaria que fosse diferente, relacionado à sua origem, pode ser mudado. Mas pode ser mudada sua forma de enfrentar a vida e todas essas condições atuais que hoje rejeita.
      O mundo não conspira contra vc! Não tenha medo de se expor. Faça um curso fora de casa, uma aula de dança, ginástica no parque, passeie mais com seus cachorros, faça qualquer atividade que lhe dê prazer e a coloque em contato com outras pessoas. Permita que o mundo a conheça.
      Tanta gente dá novos rumos à vida com mais idade que vc! Não se esconda atrás desse ou de qualquer outro argumento. Se achar necessário, procure ajuda especializada, não se envergonhe por não conseguir sozinha. Dê a si a oportunidade de sair dessa caverna. Se hoje vc lamenta não ter tomado atitude quando era mais nova, pense que agora pode evitar que lá na frente lamente não ter tomado uma atitude quando tinha 44 anos. Se vc deseja uma vida diferente, com mais alegria, é pq sabe que ela existe, e existe! mas se não abrir a porta ela não vai entrar.
      E não diga que não é fácil, pq ninguém acha que seja. Só que quem tem que enfrentar isso é vc.

      Espero de verdade que suas palavras não sejam de alguém que só quer lamentar, mas de alguém que realmente busca uma saída.

  44. Andreia Says:

    Karina, adorei seu comentário. Ele serve para todos nós que em algum momento ou outro fica insatisfeito com alguma coisa da vida.

  45. Nína Says:

    Somos complicados mesmo.Na verdade nunca estamos felizes completamente.Tenho 56 anos,não me sinto com essa idade,sou viuva,saio sempre com amigos,bater papo tomar umas cervejinhas,praia,viajo sempre,tenho duas filhas formadas,sou independente financeiramente.Aos olhos de todos tenho tudo pra ser feliz,no entanto as vezes me sinto muito triste,solitária acho a vida meio sem sentido.já tive um companheiro por 6 anos mas,acho que não tenho vontade de me casar de novo.Quando penso nos anos que fui casada acho que sou mais feliz hj.Sinceramente não sei o que me falta pra ser feliz.Se alguém tem idéia do que seja me fale.Bjo pra vcs e fiquem com Deus.

  46. Gueixa Says:

    Eu penso que somos felizes a maior parte de nosso tempo acordados.
    Já esse sentimento de completude…
    Nina, nascemos vivemos e morreremos sós.
    Nossa mente é impenetrável e por mais que nos esforcemos, não dá pra passar para o outro tudo o que se passa dentro dela. Dá?
    Eu tenho uma vida até que bem movimentada. Saio muito, tenho grupos, diversos, de amigos e família grande.
    Gosto da ideia de voltar pra casa e saber que lá estarei sozinha. Curto esses momentos que eu chamo de ” eu eu mesma e a “Gueixa” “.
    Pode até ser que um dia isso mude, mas por ora eu curto bastante isso.]
    Acho que confundi mais ainda, né?

  47. Nina Says:

    nina diz; Realmente Gueixa…rs..mas,acho que não existe resposta satisfatória pra essa pergunta Acho que a felicidade é algo de dentro pra fora e não ao contrário.Existem pessoas(eu mesma conheço)que tem tão pouco e esta sempre alegre.Acho que isso tbm tem a ver com depressão.bjos

  48. Diná Says:

    Hj estou super mal.Tenho um relacionamento de quase 8 anos,e parece que esta chegando ao fim mas,caracas como doi.Chorei o dia todo.Pq tudo tem que acabar um dia.De todos os relacionamentos que tive,esse foi o melhor,o mais gostoso,o mais companheiro.Sei que vou sofrer muito mas,vai passar.Será que vai?

  49. Nunes Says:

    Bla,bla,bla! Quem não pensa em encontrar a alma gemea,esta certo que muita gente sofre por contar de relacionamentos, Mas a razão de tanta desilusão é nao saber dar o tempo necessario pra deixar as coisas acontecerem da maneira correta. Nenhum relacionamento esta livre de desentedimentos, cada um suas ideias e suas convicções. O homem não foi criado para viver sozinho, nenhum ser vivo fora criado para viver sozinho. Jesus dizia que é bom andar em dois, pois quando um cai o outro ajuda a levantar.
    Para ser feliz antes de tudo temos que nos conhecer,depois saber as qualidades de quem haveremos de ter um relacionamento, ninguem muda por amar ninguem.Ese isso vier a acontecer virar o peso da cobrança.
    Então a minha opnião é que solidão gera tristeza. o ser humano nasceu para amadurecer e viver sua vida a dois. Mas temos a responsabilidade de esperar o momento certo afirmar que conheceu alguem.

  50. Nunes Says:

    Então a minha opnião é que solidão gera tristeza. o ser humano nasceu para amadurecer e viver sua vida a dois. Mas temos a responsabilidade de esperar o momento certo afirmar que conheceu alguem.

  51. Ana Says:

    Olá… li todos os posts de vcs e notei que a solidão não é a melhor forma de se viver, mas é necessária para podermos refletir, nos conhecermos melhor com o objetico de fazermos escolha certa em relação a qualquer assunto.
    Ando mto chateada… terminei um relacionamento de 7 anos, no início do namoro foi perfeito, e com o passar do tempo tudo piorou … aconteceu tudo de ruim… e mesmo assim fui empurrando com a barriga por medo de ficar sozinha, aliás não digo de não arrumar ninguém, mas de alguém que se dedicasse a mim como ele se dedicava… Sempre quando terminávamos ele me procurava e prometia de tudo, acabava acreditando. Já houveram agressões, mentiras, brigas entre família, humilhações, não temos amigos em comum… e etc… Me afastei de todos meus amigos, colegas, etc…
    Com certeza não tenho amor próprio, tenho depressão e sou carente…. E não devo saber o verdadeiro conceito da palavra felicidade, pois me anulei de tudo e de todos por um cara que não valeu e nem vale a pena (sempre soube disso, mas me acomodava e deixava pra lá) O pior é que tenho consciência que ele não é bom para mim, além de não ter um futuro profissional… não me acrescenta em nada, ao contrário me estraga… por este motivo e outros bobos terminei com ele novamente, pois sei que se algum dia morássemos juntos a minha vida seria péssima, por várias incompatibilidades e tb pq ele não gosta de trabalhar, é sustentado pela mãe, gasta desenfreadamente, etc…..
    Das outras vezes que terminamos, nesta época não dava atenção à minha família, aos estudos, e vivia virando noite, saindo, bebendo, gastando horrores….me enganando… só não larguei o trabalho pq precisava de dinheiro, pq se não teria largado… gostaria de conseguir me desvincular dele de uma vez por todas, sem desistir… não entendo.. tenho consciência de tudo isso e insisto nisso há anos…. Isso não é normal…. às vezes acho que vou me enlouquecer…..
    Bom.. terminei com ele de novo e não quero voltar à tras, mas quero continuar a ter a vida regrada que tenho… sem cometer excessos….
    Não sei o que faço!?!
    Quero me curar desse problema…. não sei se é uma boa eu me isolar!?! Não tenho ninguém para conversar sobre isso, amigos e amigas me afastei, sobraram poucos, onde acho que o melhor seria que fizesse novos…
    Estou sentindo mta falta dele mas quando estou com ele acho uma porcaria… não entendo esse sentimento! Já busquei ajuda num psicólogo mas não me identifiquei… vcs poderiam me ajudar, estou desesperada? Até gosto de ficar sozinha, mas não de ser sozinha, tenho 28 anos, moro com minha família, pais e irmãs, trabalho na área, faço extra dando aulas particulares, estou terminando a faculdade, pratico esportes,… Por favor, me deêm algum conselho de como posso conseguir resolver meu problema….

  52. CARPANO Says:

    depende do que voce quer mais sizinho sepre não da voce precisa de alguem para devidir suas idéias

  53. tiago costa Says:

    vim ao mundo sozinho e morrerei sozinho enfim ” somos seres unicos “

  54. jonathan Says:

    olha ser sozinho é bom,ter alguem é bom.
    mais não se vive para os outros tirando sua familia realmente sua familia é uma situação agora alguém,que voce conhece e acha que merece que voce viva pra ela esta errado e é ser egoista e mesquinho. tudo oque digo é vivam suas vidas e criem seu proprio destino ;D

  55. samir tambosi Says:

    é bom os dois lados da moeda,não existe um manual de instrução para se viver,não há regras específicas,cada um trilha seu próprio caminho como bem entende,da maneira que achar mais conveniente,a felicidade está dentro de cada um de nós e somos responsáveis por ela existir ou não,é óbvio que existe uma tendência natural das coisas,casar,procriar,dar continuidade á família,tudo isso é bom e faz parte da vida e são coisas muito necessárias,mas não pense que a felicidade gire exclusivamente em torno disso,existe fases em nossa vida,momentos distintos,os acontecimentos futuros faz com que mudamos de opinião em relação naquilo que pensávamos anteriormente,e aí a gente passa a ter uma visão diferente da que tínhamos em relação à determinadas coisas,é vivenciar as coisas e vê no que dá.

  56. samir tambosi Says:

    é bom os dois lados da moeda, existe momentos em que queremos estar só outros acompanhado, a felicidade está em nós e depende de nós se ela existe ou não,temos que aproveitar e viver intensamente cada momento,sem se preocupar com regras e tendências da sociedade,é claro que namorar,casar,proriar,dar continuidade à família é importante,faz parte da vida e são coisas muito necessárias,porém a felicidade não depende exclusivamente disso,é a maneira como nós construimos e conduzimos as coisas,são as nossas atitudes,a nossa forma de agir, de pensar de proceder,de viver,somos o dono da nossa história,só o fato de estarmos vivos e com saúde é um motivo mais que suficiente para sermos felizes e agradecer a deus por isso.um abraço à todos,boa sorte e sejam felizes.

  57. Marcele Says:

    Sempre fui sozinha tb, sou filha única perdi meus pais cedo, sempre tive poucas amizades e qdo. as tive todas foram só decepção. O medo de ficar sozinha me fez pensar sempre em encontrar logo uma pessoa para eu casar só assim na minha cabeça eu não ficaria sozinha. E assim fiz meu primeiro namorado sério foi meu noivo e hj é meu marido a 27 anos, tenho 2 filhos homens adultos 1 com 23 outro com 26 anos e ambos moram conosco mas agora estão começando a seguir seus passos e terem suas vidas e eu me agarrei muito a eles como cia, mas agora já não tenho mais esse espaço ocupo apenas o lugar de mãe na hora dos problemas, qto. ao meu marido que eu fiquei totalmente dependente dele hj trabalha em casa comigo( coisa que já é totalmente desfavorável) pois se como companheiro de trabalho já n dá certo imaginem como marido e colega de trabalho, foi td por água abaixo!! Acabou o respeito ele gosta de me humilhar, brigamos demais com muitas ofensas a cada dia que passa ele não me agrediu fisicamente mas com palavras eu já nem sei mais o que eu ouvi. Conclusão disso td. hj estou sozinha novamente, não tenho amigos, me tomei pela síndrome do Pânico e não consigo sair mais de casa sozinha, abandonei minha profissão de advogada, não tenho amigos, nem amigas, nem se quer falo com ninguem no telefone. É só a televisão como cia, meus cães (são meus únicos verdadeiros amigos) e a solidão e por incrível que pareça estou perdida no meio disso tudo. Me ajudem com uma opinião hj estou com 51 anos mas todos qdo. sabem da minha idade nem acreditam acham que sou mais jovem. Quem dera!!! Acho que pelo menos nessa hora a solidão não me castigou tanto.

  58. Vania Says:

    Adorei sua mensagem..se nascemos sozinhos tbm morreremos sozinhos .. Então nao há oq temer… Mas enquanto viver a presença dos amigos e essencial.. Abrcss

  59. Damiana Says:

    E aí que está a diferença entre ser feliz e ter momentos felizes ocasionais dependentes do outro e do acaso!

  60. fernando Says:

    SÃO COMENTÁRIOS COMO OS POSTADOS AQUI QUE ME FAZ CRER QUE AINDA EXISTEM PESSOAS DE BOM SENSO, NESSES DIAS TÃO DIFÍCEIS DE SE VIVER, PRINCIPALMENTE NO QUE SE REFERE A RELAÇÕES HUMANAS, MAS O QUE ME PARECE APOS LER TUDO ISSO É QUE SE ESQUECERAM DA MAIOR DAS SOLIDÕES QUE UMA PESSOA POSSA EXPERIMENTAR, ESSA MEUS CAROS , NÃO TEM SOLUÇÃO, VCE SABE QUE IRÁ NASCER, VIVER E MORRER NESSA CONDIÇÃO, QUE É A SOLIDÃO DE UM HOMOSSEXUAL, QUE VIU SEUS PARENTES PRÓXIMOS MORREREM, VIU SUA MÃE QUE FOI A ÚNICA E VERDADEIRA AMIGA DESDE QDO NASCEU, FALECER EM SEUS BRAÇOS, E AINDA TER QUE ENTERRÁ-LA SEM AO MENOS TER UMA UNICA PESSOA PARA CONFORTA LO, VER O TEMPO SE PASSANDO, AS PRIMEIRAS MARCAS DA IDADE APARECEREM E ISSO O CONVENCE CADA VEZ MAIS QUE EM BREVE NEM O APELO FÍSICO TERÁ MAIS COMO SEU ALIADO, PROCURAR OUVIR PESSOAS, E ELAS DIZEREM A TI A MESMA LADAINHA FALSA DE SEMPRE, QUE DEUS FEZ O HOMEM PARA MULHER E VICE VERSA, MAS NINGUÉM ENTENDE QUE A RAZÃO DIZ ISSO, MAS SEU CORAÇÃO, DIZ AO CONTRÁRIO, E AINDA POR CIMA TER A CERTEZA ABSOLUTA QUE TUDO IRÁ PIORAR, SABEM PORQUE, APENAS POR UM DETALHE SIMPLES E ÓBVIO MAS QUE SELARÁ O DESTINO DE PESSOAS COMO EU PARA SEMPRE EM UMA CELA SOLITÁRIA DE ONDE APENAS SAÍRA MORTO, TALVEZ BREVE, DE TANDO DESGOSTO E DESILUSÃO QUE SE PASSA , MAS VOLTANDO, PELO SIMPLES FATO DE QUE VCE AMA UM HOMEM, NO VERDADEIRO SENTIDO DA PALAVRA, AMA COM TODAS AS FORÇAS EXISTENTES DENTRO DE SEU SER, MAS, AAAAAA ESSE MAS, VOCE TBÉM E UM HOMEM, E POR ESSA SIMPLES LÓGICA CRUEL, JAMAIS SERÁ AMADO POR OUTRO HOMEM, POIS ELE SIMPLESMENTE AMA AS MULHERES E VCÊ NÃO É UMA , KKKKKK CRUEL NÃO, ENTÃO MEUS AMIGOS, ESSA SOLIDÃO QUE VCÊS TANTO FILOSOFARAM , LINDOS PENSAMENTOS. DE UMA COERÊNCIA ATÉ ANTES NUNCA VI, NÃO É NADA , POIS ELA É OPTATIVA,PELO QUE NOTEI, NO MEU CASO NÃO, ELA É IMPOSTA E SELADA ATÉ O FIM DE MINHA EXISTÊNCIA. PENSEM NISSO E SINTAM O QTO SÃO FELIZES POR ESTAREM SOZINHOS POR OPÇÃO E NÃO POR IMPOSIÇÃO DE UMA SOCIEDADE MEDÍOCRE, DA PRÓPRIA DINÂMICA HETEROSSEXUAL QUE VIVEMOS, MAS AI JÁ E OUTRA DISCUSSÃO……….

  61. Gueixa Says:

    Fernando,
    Acredite você não é o único.
    E os heterossexuais também estão sujeitos a amar sem serem correspondidos. Isso é corriqueiro. Amigo.
    A arte é não se deixar abater por isso. Compreender que todos os seres humanos estão sujeitos a isso e tentar não se desiludir com a vida.

  62. Deby Says:

    Fernando.. muitas mas muitas amigas estão passando pelo processo da sensação da solidão… que momento é esse que estamos vivendo? eu gostaria de entender o que se passa nas cabeças dos homens e não consigo decifrar. Outro dia vi reportagem na globo sobre isso e a psicóloga explicou que os jovens de 20 a 30 anos tem foco no que querem e nunca mas nunca se viu uma geração de homens de 40 a 50 tão perdidos…Eles estão sem rumo, sem objetivos. Parece que o único pensamento é sexo por sexo…..
    É muito triste não poder partilhar emoções, carinho, afeto, compartilhar sonhos com alguém mas o mundo tá assim… e eu estou muito assustada com os homens…

  63. fernando Says:

    Obrigado GUEIXA, suas palavras são confortantes e possuem um fundo de verdade , mas observo que é uma pessoa de bastante sensibilidade e conhecimento das situações que a vida nos colocam a todos, por isso sinto que seu comentário soa mais como um consolo de uma pessoa querida como parece ser, obrigado pelo foco que vce deu na questão, ainda estava centrado e alienado em meu mundo, esquecendo que tantos e tantos tem seus problemas nas mais variantes formas.

    DEBY, o que vce expõe é uma verdade absoluta, mas acredito que homens de 40 a 5o anos estão perdidos da forma que estao pelo fato de terem aprendido em suas infâncias e adolescências, que o homem era o dominador, aquele que provem a casa , e acima de tudo é o que manda ,principalmente em suas esposas ou mulheres, tinham amantes, enfim eram os machos dominantes , ou pelo menos tinham a sensação de serem isso. Atualmente temos mulheres independentes, financeiramente, as vezes ganham mais que eles,temos mulheres que ocupam as mais variadas cadeiras nos poderes ai existentes ( exemplo maior é a nossa Presidenta) , sabem o que querem, dominam no sexo, tem instintos e sensibilidades infinitamente mais apuradas do que o homem, enfim, se for discorrer aqui a mulher atual se sobrepõe ao homem, em todos os sentidos, isso simplesmente os deixam com medo e inseguros, sentimentos até então que não sabiam o que era, pois estavam acostumados com uma mulher bem diferente, soma -se ainda a essa situação que nessa idade começa a decadência física, tão importante nos dias atuais, para se conquistar, para pegar alguém kkkk, enfim essas coisas, como não possuem outros valores, e suas cabeças são rústicas, pois a esmagadora maioria tem menos sensibilidade e sexto sentido do que um ogro, experimentam uma das dores humanas que é a possibilidade de acabarem sozinhos, e isso com certeza os assustam e muito, exteriotipando da forma que vce cita em seu texto / nunca se viu tantos homens perdidos , principalmente dos 40 aos 50 anos de idade/ muito triste tbém essa condição , mas é a pura realidade atual no que se refere aos homens hoje em dia. É o que acho, beijos para vce.

  64. Than Says:

    Eu estou procurando respostas Do por que não encontro a felicidade de nenhuma maneira…minha mãe foi embora e deixou apenas eu e meu Pai foi muito dificil no começo meu pai teve problemas com deeprecão sai correndo pelado na rua e eu chorava para ele parar de fazer isso pois ele tinha alucinacões e eu fazia de tudo para tentar distrair ele,até que um dia de domingo no final da tarde ele saiu correndo eu tentei ir atras mas não o alcancei,não tinha ninguem por perto que poderia me ajudar não sabia o que fazer entrei em desespero e fiquei rezando no sofa para que ele voltace para casa,mas no outro dia tive a noticia que ele estava na Cti do hospital quase morrendo pois tinha se atirado em frete a um carreta.Parecia que meu mundo tinha acabado quando cheguei no hospital e vi ele daquele modo.nossa eu gritava pelos corredores do hopital perguntando o por que uma pessoa faz isso,sem ter respostas a unica pessoa que me restava éra minha vó que me ajudou a me confortar dizendo que tudo iria ficar bem,graças a Deus meu Pai sobreviveu e sem sequelas foi por Deus que ele sobreviveu.Minha mãe veio me buscar e agora estou morando com éla,mas não consigo gostar de ninguem não confio e ninguem não tenho amigos.pois meu trabalho nunca dei um sorriso a nenhuma pessoa que convivo,e o resto do meu tempo leio livros muitos livros é o que e conforta quando estou sózinho viajo em meu pensamentos sinto quase como se estivesse dopado ou algo parecido.e agora sinto que estou intristecendo minha mae sendo solitario eu ja repeti varias vezes que este é o meu jeito de ser mas éla disse que eu não sou normal que eu não deveria ser dessa maneira.mas não consigo e não sei como vai ser meu futuro sózinho.choro a noite toda pois não encontro maneiras de ser feliz e acho que vou ser assim para Sempreeeeeeeee.

  65. ricardo dos anjos Says:

    Quando criança aprendemos que temos que namorar ou seja pegar o maior numero de garotas so assim poderemos nos sentir viril e fortes. Assim quando chegamos a vida adulta somos forçados a nos casar e constituir familia pra sermos bem sucedido na vida e quando a uma separação o mundo inteiro cai em nossa cabeca e agora ficar solteiro fazer tudo sozinho dai vem o pânico,bom reflita redefina sua vida quando estava casado pense oque deixou de fazer lugares que gostaria de ir e nunca foi ou seja viva se sinta útil e não se case mais passa ater sua vida como prioridade,vai ver sua familia vai fazer esportes e não deixe que as pessoas se intrometa na sua vida pois ela `e sua so sua e a felicidade esta em cada um de nos basta se olhar e sentir seu coração bater vive tudo que sempre sonhou

  66. Edvan Washington Says:

    Olá queridos!

    Bom, a questão da solidão é algo complicado, começando na esfera conceitual… afinal, o que é estar sozinho? Ser solitário é, simplesmente, não compartilhar suas vivências com outras pessoas?

    Normalmente, somos ensinados desde pequenos a acreditar em historinhas que relacionam a felicidade com a nossa interação social. Sempre precisamos dos outros para sermos felizes. Sempre daquela amizade, namoro, amor… assim, quando mais velhos, achamos que, realmente, necessitamos de outras pessoas para vivermos bem! Percebem o lado psicossocial disso? De tanto nos enfiarem essas malditas ilusões em nossas cabecinhas, acabamos acreditando que a felicidade está, inexoravelmente, ligada à companhia (affs).

    A solidão, em nosso contexto social, passa a ser vista como uma grande vilã à felicidade. Primeiramente, gostaria de perguntar uma coisa: o que é a felicidade? As pessoas falam dessa maldita coisa que eu nem sei definir como algo inquestionável. É tipo assim: isso é a forma ideal e perfeita das coisas, cala a sua boca e segue a corrente. Não sei se essa discussão sobre que é felicidade é útil -quando você está brisado, parece ótimo discutir sobre isso – mas já disse e pronto.

    Segundo ponto: quem disse que para alcançar a “felicidade” é preciso estar acompanhado ou sozinho? Acredito que, se a pessoa tem auto-estima e autonomia para decidir o rumo da sua vida, ela é o que se define como feliz, independentemente de outras circunstâncias. No caso, a figura do outro é apenas um complemento da satisfação interna dessa pessoa. Se eu estiver errado, por favor, mostrem-me de forma clara, a correspondência entre a companhia e a felicidade.

    Na verdade, está sendo difícil para mim redigir esse texto, porque a própria noção de felicidade não está clara à minha mente! Será que precisamos ser felizes mesmos? Será que isso não é obra do tinhoso, do capeta? (é isso que a leitura niilista da realidade faz como você, rs!). É isso aí galerinha, não sou nenhum psicólogo nem nada, mas deixo a minha mensagem a vocês. Fui.

    OBS.: sou ignorante mesmo sobre o que é felicidade, rs!

  67. Fabio Augusto Says:

    A felicidade não é desse mundo, pois não há como ser feliz completamente diante de tantas injustiças, sofrimento alheio, miséria, doenças, etc… Viemos ao mundo para nos conhecer, nos melhorar e claro, trocar experiências. No entanto, ninguém é de ninguém. Por isso, devemos aproveitar o melhor de cada um, pois as pessoas passam. Sozinho? jamais… com Deus no coração, nunca estaremos sozinhos. Fazer o bem, praticar a caridade, se voltar pros problemas do outro. Dessa forma, jamais estaremos sós e seremos sempre amparados pela espiritualidafe superior, nossos entes queridos, espíritos amigos, anjos da guarda. O mundo sempre nos devolverá aquilo que lhe dermos…

  68. Fabio Augusto Says:

    Fé, esperança e resignação… é o que uso pra sofrer menos, ter mais paciência. Agradeço todos os dias por tudo. Posso não ter tudo que amo, mas com certeza amo tudo que tenho. Jargão?? Sim, mas verdadeiro, rs. Enquanto nosso egoísmo, vaidade e orgulho nos vendar os olhos da realidade cósmica, estaremos sempre insatisfeitos e com o foco no nosso próprio umbigo. Outro jargão? “O essencial é invisível aos olhos”…

  69. nubia Says:

    no momento da tristesa profunda as palavras são vazias,a fé e abalada,a dor e intensa.nus sentimos abandonados e confusos,nao enxergamos essa luz que para os outros e tão intensa.

  70. Alone Says:

    Aos 36 anos tive cânce nos vários e tive de fazer duas cirurgias. Estava no auge da juventude e beleza. Perdi a chance de ser mãe, perdi o namorado e algumas pessoas que se diziam amigas. Sou a sétima filha numa família de oito pessoas, todos casados e com filhos, apenas eu fiquei só. Hoje aos 52 anos e vivendo só por tanto tempo as vezes me pego falando com o elefante azul de pelúcia. Não fiquei só por opção. O câncer levou o melhor que as pessoas viam em mim. Chegar em casa do trabalho noite após noite sem ter ninguém esperando por você, saber q vc pode morrer a qualquer momento sem ter ninguém pra te socorrer, ou saber q ninguém sentirá sua falta, isso sim é solidão.

    • carla Says:

      me comovi com sua historia, se elas se afastaram de voce, foi deus que fez com essas pessoas não fossem indicadas para estar presentes na sua vida, de qualquer forma mesmo não seria feliz perto de pessoas assim, eu sempre fisco abismada com histórias dessas pois acho que as pessoas muitas delas são cruéis
      se anime e se ame, se precisar de uma amiga para conversar me addc atraca1988@gmail.com, apesar de apenas 25 anos acho que idade não influi.

  71. Adriano Costa Says:

    “Depender dos outros é um passo na sobrevivência, o outro é ser independente.” Pastor Everardo Alves.

  72. rafael batista Says:

    amigos, jesuus, um amigo para todas as horas, confie somente nele q tudo vai ser o mais maravilhoso possível, pois amigo igual a ele so encontremos no próprio ele.

  73. Luna Says:

    Onde é que desliga?

  74. Luna Says:

    corre corre,atende o telefonae,vai a rua,põe o fone de ouvido e vai ao trabalho,chega,educa os filhos,dorme,acorda vai a rua…isso já é o fim

  75. Mauro Says:

    “A felicidade é uma prisão, Evey. A felicidade é a mais insidiosa das prisões. (…) Essa felicidade vale mais do que a liberdade?”
    “Todos curvados e deformados pela pequenez de suas celas, a injustiça de suas sentenças… Eu não pus você numa prisão, Evey, eu apenas mostrei as grades. (…) Você está numa prisão, Evey, nasceu numa prisão. Esteve numa há tanto tempo que já nem acredita que há um mundo lá fora. Isso porque você tem medo, Evey”

    V de Vingança ( Alan Moore)

    AUTOFOBIA
    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
    Autofobia (auto [próprio] + fobia [medo]) é a fobia de ficar só.

  76. Aniaah Maior Says:

    As vezes me sinto feliz sozinha…

  77. Ricardo Says:

    estou desesperado atrás de uma resposta para isso. Sou casado, tenho um filho e tenho certeza que sou feliz. Amo minha esposa e filho masssssssssssssss, de uns tempos para cá tenho me pegado constantemente pensando em coisas do tipo: estar sozinho…..morar sozinho……poxa, nesse momento eu queria estar dentro de um apartamento só meu, sozinho….quieto no meu canto!”….o que esta acontecendo comigo?

    • Débora Says:

      Olá.. ser acompanhado é muito legal desde que haja liberdade para você ser você mesmo. As relações foram criadas e foram deturpadas onde se abre mão de muita coisa que se gosta de fazer em função de estar com outro..
      Estou vivendo pela primeira vez meu momento sozinha e sinto falta de alguém sim pra compartilhar tudo o q é legal, conversar…faz falta sim .. alguém legal.. alguém q não te bloqueie, q não tenha tantas críticas e que não te considere um vaso ornamental.
      Ficar sozinho às vezes dói…

  78. Simone Says:

    Precisamos dos dois momentos: estarmos acompanhados e estarmos sozinhos, o que não podemos é deixar que invadam nosso momento, nossa individualidade a nossa essência. Creio que à partir do momento em que permitimos que nos privem de momentos únicos, deixamos roubar nossas principais características, é aí que sentimos a vontade e ou necessidade de nos privarmos da divisão de nossas vidas, mas isso só acontece se assim permitirmos. Dividir a vida é essencial, todos precisamos dividir relacionamentos, o convívio com outras pessoas é um termômetro o qual mede os nossos atos e de seu resultado tiramos conclusões de quem somos, ou de quem possamos nos tornar.
    A melhor coisa da vida é poder dividir, opiniões, experiências, medos e afetos. É à partir daí que temos as melhores experiências, as melhores lembranças e é o que nos move.

  79. Ocamaru Says:

    Escutem todos aqui(e principalmente os miseráveis criadores desse site).

    Vou mostrar um vídeo e um longo desabafo mostrando q sou contrário a esse site e suas publicações o site de sedução e persuassão.

    NUNCA TIVE VIDA SOCIAL OU AMIGOS OU NAMORADAS PQ SEM PRE FUI FÃ DE JOGOS ANIMES E BRINQUEDOS INFANTIS E SEMPRE QUIS FAZER AS COISAS SEM AJUDA DE NING NEM MESMO DE FAMILIARES E POR MUITO TEMPO NA VIDA TIVE Q ATURAR CALADO VÁRIAS FILOSOFIAS DE VIDA DE MUITOS PROFISSIONAIS E AMADORES COMO OS IDIOTAS QUE CRIAM SITES COMO ESSE.

    MAS SE VIREM OS MEUS VÍDEOS DE DESABAFO DO CANAL VERÃO Q TODAS ESSAS TEORIAS CAÍRÃO POR TERRA SE SOUBEREM DA EXISTÊNCIA DE UM NEO ERMITÃO FEITO EU:

    ABAIXO OS LINKS E QUEM FOR PACIENTE PARA LER(CASO NÃO SEJA IGNORE E FAÇA OUTRA COISA PQ CERTAMENTE É MAIS UM Q NÃO ENTENDE MEU JEITO DE SER):

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s


Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 70 outros seguidores

%d bloggers like this: